Q

Previsão do tempo

10° C
  • Thursday 15° C
  • Friday 14° C
  • Saturday 13° C
11° C
  • Thursday 15° C
  • Friday 14° C
  • Saturday 13° C
12° C
  • Thursday 15° C
  • Friday 14° C
  • Saturday 13° C

Porque está o gasóleo mais caro que a gasolina? Qual o impacto no mercado automóvel?

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Nos últimos tempos, os preços dos combustíveis têm sofrido oscilações: ora sobem, ora descem. No entanto, verificou-se algo que não se tinha visto antes: o gasóleo está mais caro que a gasolina.

Nos últimos tempos, os preços dos combustíveis têm sofrido oscilações: ora sobem, ora descem. No entanto, verificou-se algo que não se tinha visto antes: o gasóleo está mais caro que a gasolina.

Historicamente, o preço do gasóleo em Portugal é, há muitos anos, mais baixo do que o preço da gasolina. Porquê? Porque o Estado taxa de forma superior a gasolina, favorecendo o consumo de gasóleo. Por isso, muitos portugueses, ao longo dos anos, optaram por comprar automóveis a gasóleo. No entanto, agora deparam-se com o problema: a mudança dos preços dos combustíveis.

Embora os impostos sobre o gasóleo sejam mais baixos, actualmente, o mercado não reflete isso. Mas porquê? Entenda neste artigo.

Sabe o porquê de o gasóleo estar mais caro que a gasolina?

Conforme foi dito, grande parte do parque automóvel nacional consiste em carros a Diesel. O principal motivo? O preço. No entanto, existem outros fatores.

Muitos portugueses optaram pelo gasóleo por este possuir mais energia que a gasolina. Além disso, o motor a diesel é mais robusto, ideal para fazer mais quilómetros no dia-a-dia. Mas, nos últimos tempos, os preços da combustão subiram, apesar dos impostos que paga serem mais baixos. Porquê?

Em suma, o gasóleo e a gasolina são feitos da mesma matéria-prima, isto é, do petróleo. Contudo, um barril de petróleo não resulta na mesma quantidade destes combustíveis. Por isso, o que é que os distingue? A refinação.

Outros fatores que influenciaram a subida dos preços do gasóleo

Com o rebentar da guerra na Ucrânia, associados aos efeitos da pandemia, muitas das refinarias passaram a ter dificuldades em arranjar matéria-prima.

Como tal, o impacto é maior no gasóleo. Porquê? Porque com um barril de petróleo, as refinarias conseguem produzir 75 litros de gasolina. Em contrapartida, com um barril da mesma matéria-prima, só é possível produzir 45 litros de gasóleo.

Quanto ao facto de o gasóleo ser mais caro que a gasolina, as previsões apontam para que isto deixe de acontecer quando diminuir a procura pelo gasóleo. Nesse caso, o preço poderá baixar.

Carros a gasóleo mais caros que a gasolina

Atualmente, comprar um carro a gasóleo é mais caro no ato da compra. Porém, é importante ter em conta que um carro a combustão tem um custo de manutenção mais alto que, a juntar com o aumento dos preços do diesel, fazem desta uma opção pouco apetecível.

Como resultado de todas estas questões, os veículos a gasóleo acabaram por sair desvalorizados. Assim, os veículos a gasolina, híbridos ou movidos a energias alternativas acabam por ganhar mais destaque no parque automóvel português.

Qual é o impacto no mercado automóvel em Portugal?

A juntar-se à crise energética e dos combustíveis, existe outro evento que influencia o mercado automóvel em Portugal: os problemas na produção de carros novos.

Devido à escassez de stock de chips ou semicondutores, existem menos de 40% de automóveis novos disponíveis no mercado. Este cenário fez com que os preços dos carros usados aumentassem entre 20% a 25% ao longo deste ano. Contudo, isto não fez com que os consumidores desistissem de comprar carros usados, muito pelo contrário.

Com o aumento dos preços dos usados, muitos consumidores recorreram ao Pisca Pisca para carros usados recentes. O motivo? É que em comparação com veículos com mais de 1 ano, os usados recentes apresentam uma melhor relação qualidade-preço.

Importação de automóveis em Portugal aumenta 63%

De acordo com alguns dados públicos, a importação de automóveis aumentou cerca de 63% em Portugal. Porquê? Porque os comerciantes do setor necessitam de procurar stock fora do mercado nacional, de modo a conseguirem ter uma maior oferta de carros disponíveis.

A manter-se o ritmo de transações, estima-se que sejam feitas mais de 100 mil importações até ao final de 2022. O principal motivo está na mudança no sistema de impostos para os carros importados que, atualmente, tem em conta a data de produção, e não a data da importação, excetuando carros novos ou com menos de seis meses.

Qual é a tendência do mercado automóvel em Portugal?

Tal como é possível perceber, a falta de carros novos fez com que os portugueses procurassem outras alternativas para satisfazer as suas necessidades. Como tal, houve um crescimento pela procura de carros usados, sejam eles a gasolina ou movidos a energias alternativas.

Por outro lado, a falta de stock no mercado nacional, fez com que a importação aumentasse. Assim, os comerciantes conseguem satisfazer a procura do mercado. Mas, será que esta tendência se irá verificar?

Até que a crise dos chips e dos semicondutores esteja ultrapassada, a tendência é para que a revitalização dos usados cresça. Do mesmo modo, os preços dos carros usados continuarão a aumentar.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Curso de Vitrinismo vai prosseguir

No âmbito do Programa "Formação + Próxima", inserido no plano Reativar o Turismo, promovido pelo Turismo de Portugal, a Escola de Hotelaria e Turismo do Oeste e a Associação Empresarial das Caldas da Rainha e Oeste apostaram na valorização do comércio tradicional através do Curso de Vitrinismo (15 horas), explorando novos caminhos na área do design, estética e decoração.

curso

Mercadona participa na campanha do Banco Alimentar

A Mercadona assinou um protocolo de colaboração com o Banco Alimentar Contra a Fome do Oeste e junta-se, pela primeira vez, à campanha solidária organizada por esta instituição entre os dias 25 de novembro e 4 de dezembro.

protocolo

Abertura da Mercadona “pode ser aproveitada pelo comércio tradicional”

O presidente da Câmara Municipal das Caldas da Rainha, Vitor Marques, que marcou presença na abertura do novo supermercado Mercadona nas Caldas da Rainha, no dia 16 de novembro, afirmou que não vê a instalação como “inimiga” do comércio tradicional, exortando os restantes comerciantes a procurarem aproveitar a vinda de visitantes à cidade, atraídos por esta cadeia de origem espanhola.

mercadona1