Q

Previsão do tempo

14° C
  • Friday 18° C
  • Saturday 20° C
  • Sunday 19° C
14° C
  • Friday 18° C
  • Saturday 20° C
  • Sunday 19° C
14° C
  • Friday 19° C
  • Saturday 22° C
  • Sunday 21° C
Escaparate

Arte musical do Ocidente – O Pós-Romantismo

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Determinar qual o espólio do Romantismo é empreitada tão intrincada quanto ordenar a proveniência do próprio movimento. Porém, existiu uma passagem de testemunho, o chamado Pós-Romantismo, que está alicerçada em quatro sustentáculos: o Neoclassicismo, o Impressionismo, o Expressionismo, o Nacionalismo, o Verismo (este sob manifesta ascendência do Positivismo de Auguste Comte (1798-1857)), que podemos considerar uma possível herdeira.

Escaparate

Determinar qual o espólio do Romantismo é empreitada tão intrincada quanto ordenar a proveniência do próprio movimento. Porém, existiu uma passagem de testemunho, o chamado Pós-Romantismo, que está alicerçada em quatro sustentáculos: o Neoclassicismo, o Impressionismo, o Expressionismo, o Nacionalismo, o Verismo (este sob manifesta ascendência do Positivismo de Auguste Comte (1798-1857)), que podemos considerar uma possível herdeira.

Nessa “nova escola”, percebe-se a existência de obsoletas leis tonais, ou seja, música para agradar ouvidos, sem inovação nos acordes ou nos ritmos. Com isso, a maioria das composições sobrevindas não se tornaram opção palpável para o engrandecimento da música. Salas de concerto a abarrotar de público não eram o reflexo seguro da evolução do idioma tonal.

Podemos até dizer que a música desprezou a presunção e ganhou simplicidade, reunindo uma oposição estética que avançou por uma retórica menos egocêntrica e mais racional, mas é pouco. Abaixo os contornos melódicos e as inovações tonais. Acima as sonoridades mimosas e artificiais, com deslumbres aquáticos, ou impressões que evocavam a noite, as nuvens, as neblinas. Tudo muito diáfano, com uma avalanche de dissonâncias, contrastando com os excessos sentimentais do Romantismo.

Vislumbramos nomes sonantes e extraordinários do período (que não conseguiram abandonar totalmente o Romantismo), entre eles: Sergei Rachmaninoff (1873-1943), Claude Debussy (1862-1918), Maurice Ravel (1875-1937), Alexander Scriabin (1872-1915), Ignacy Paderewski (aclamado como o melhor pianista do seu tempo, 1860-1941), Charles-Camille Saint-Saens (1835-1921), César Franck (o mais reverenciado organista de sua época, 1822-1890), Max Bruch (1838-1920), Serguei Prokofiev (1891-1953), Ígor Stravinsky (1882-1971), Alberto Nepomuceno (1884-1920), Itiberê da Cunha (1846-1913), Luciano Gallet (1893-1931), Francisco Braga (1868-1945) e Giacomo Puccini (1858-1924).

Os músicos desse período foram muito influenciados por Richard Wagner (1813-1883) e por Johannes Brahms (1833-1897), bem como por outros criadores anteriores, mas também pelo Jazz (uma notável porta que se abriu para que os compositores do Pós-Romantismo buscassem um aperfeiçoamento tonal. O Jazz, originário de New Orleans (Estados Unidos da América) chegou à Europa no ano de 1910, pelas mãos de Scott Joplin e outros músicos estadunidenses que foram obrigados a abandonar o seu país por sua arte não ser tratada com respeito. Cerca de trinta anos depois o Jazz afro-americano regressa a casa, levado em ombros por grandes compositores eruditos, influenciando, assim, nomes notáveis como os de Charlie Parker (1920-1955) e John Coltrane (1926-1967)).

Em Portugal não se fizeram sentir os ventos do Pós-Romantismo. Os nomes (aproximadamente cinco dezenas) surgidos no período, refletiam a legenda das mesmas leis tonais do Romantismo. Entre eles passo a citar os de maior destaque: Alexandre Rey Colaço (1854-1928), Alfredo Keil (1850-1907), Alfredo Napoleão (1852-1917), Artur Napoleão (1843-1925), Júlio Neuparth (1863-1919), Tomás de Borba (1867-1950) e Virgínia Basto (1859-1939). O que grassava no país eram as bandas filarmónicas e as fanfarras, reprodutoras de uma cultura popular muito despretensiosa, porém, genuinamente importante para a confirmação da identidade histórica da população e do que seria a sua transmissão de valores na cultura nacional.

No distrito de Leiria, os impulsos do Pós-Romantismo eram inexistentes, conhecendo-se, apenas, a música popularucha, criada, interpretada, cantada e dançada pelo povo, quase como única expressão de instrução artística. Só conseguiremos recuperar o possível acervo de compositores pós-românticos que possam ter existido nessa região (e no país), quando a Cultura possuir mais voz que a política.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

­A juventude Z vai formosa e não segura

Bela e airosa, mas cheia de dúvidas e receios — referindo-nos àquela juventude mais privilegiada, nascida entre 1990 e 2000 (chamada geração Z, sucedeu à geração Y ou millenial, que sucedeu à geração X, que sucedeu à dos chamados baby  boomers…), filha da burguesia delirante, não à outra, a menos ou nada privilegiada, que abandona o secundário e se faz à vida logo que a CPCJ deixa de andar em cima. Mas hoje a ansiedade e a insegurança dessa juventude Z, que negoceia e finta as projecções dos pais-helicóptero, são do tamanho do mundo ao alcance de um voo low cost. Ter perdido a espontaneidade de brincar na rua e ser levada de carro pelos progenitores, da creche à faculdade, também não ajuda à autonomia e à autoconfiança.

francisco martins da silva

Oeste e agora?

Estamos em 2024 e temos um novo governo. Um novo partido guia as opções futuras do país. Naturalmente, serão de esperar mudanças em várias áreas sensíveis, nomeadamente na saúde. Neste contexto cremos que uma decisão deve ser revista por quem agora dirige, no que à...