Q

Previsão do tempo

14° C
  • Tuesday 20° C
  • Wednesday 20° C
  • Thursday 20° C
14° C
  • Tuesday 21° C
  • Wednesday 20° C
  • Thursday 20° C
15° C
  • Tuesday 21° C
  • Wednesday 21° C
  • Thursday 21° C

Quando é que nos deixámos de importar?

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Vamos à Foz do Arelho e a avenida do mar é um mar de carros estacionados. Sentamo-nos nas esplanadas a contemplá-los. Passear no areal é um desafio à nossa capacidade de ignorar a quantidade de lixo que encontramos.
Susana Simplício

Vamos à Foz do Arelho e a avenida do mar é um mar de carros estacionados. Sentamo-nos nas esplanadas a contemplá-los. Passear no areal é um desafio à nossa capacidade de ignorar a quantidade de lixo que encontramos.

Subimos ao miradouro e olhando o horizonte vemos carros, caravanas e motas estacionadas nas falésias. O lixo voa dos poucos pequenos caixotes de lixo abertos a abarrotar de garrafas e take away do Mac Donalds, pelas dunas, falésias e mar, algum já entrelaçado na vegetação: toalhitas, máscaras e sacos de plástico.

Olhamos o mar, cheiramos o ar, com os pés a pisar beatas de cigarro, num local que deveria ser de contemplação de beleza e de preservação. Na fotografia publicada nas redes sociais nada disto é visível, apenas o azul do mar. No caminho para a cidade os eucaliptais dominam a paisagem. Na cidade os outdoors publicitários. Lixo a voar pela cidade ventosa. Carros em cima de passeios, em frente a garagens, quem se vai incomodar? E lá passa mais um autocarro a fumegar.

Quando é que deixámos de nos preocupar? Desligamo-nos da vida e do que mais importa: o presente, o futuro, a nossa sustentabilidade neste planeta, a nossa ligação com o meio e como isso nos afecta a todos nós de inúmeras maneiras.

Desresponsabilizamo-nos daquilo que (não) fazemos. Ignoramos, fingimos não ver e que nada temos a haver. O que é mais um saco de plástico? O que é mais um papel ou uma beata no chão? O que é mais uma TV no lixo? O que é mais uma roupinha nova para estrear?

Urge sermos pessoas mais conscientes, responsáveis e responsabilizadas. O poder político nacional e local sem dúvida tem um papel essencial, e as autoridades também, mas somos nós individualmente ou juntos que podemos fazer a diferença.

O que interessa é o bem comum, e é o bem comum que deve prevalecer. Porque o bem comum não tem preço e não obedece a interesses económicos nem a maiorias.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Caldas e a Cultura

A atual gestão camarária tem vindo a prestar contas aos caldenses sobre os investimentos culturais nas Caldas. Assim, foi justificado, e bem, o abandono do projeto World Press Cartoon, que envolvia verbas na ordem de mais de um milhão de euros/ evento/ano. A...

Arte musical do Ocidente

Refletindo um pouco acerca da música que enlevou algumas regiões do nosso planeta em tempos idos, vêm-me à memória diversos e inauditos temas, entre eles os do período medieval e renascentista, aquando do surgimento da monodia, no século VII.

Para que serve a Cultura?

Recentemente desfrutámos da excelente notícia da criação da Biblioteca António Lobo Antunes, na freguesia de Benfica, em Lisboa, a ser instalada no antigo edifício da Fábrica Simões (Simões & Cª Lda., 1907-1987). Depois da recuperação do imóvel, abandonado por mais de trinta anos, o seu destino só poderia ser o cultural, desejo antigo dos moradores de uma freguesia que conta com, aproximadamente, 37 mil pessoas, e possui, também, dois outros importantes espaços, o restaurado Palácio Baldaya (com uma excelente biblioteca) e o Auditório Carlos Paredes.