Q

Previsão do tempo

20° C
  • Thursday 25° C
  • Friday 27° C
  • Saturday 27° C
21° C
  • Thursday 25° C
  • Friday 27° C
  • Saturday 27° C
22° C
  • Thursday 27° C
  • Friday 30° C
  • Saturday 30° C

Olaria da época romana é objeto de estudo

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Decorreu entre 29 de agosto e 1 de setembro a 22ª campanha de investigação do Sítio Arqueológico do Morraçal da Ajuda, em Peniche, uma oportunidade para estudar materiais cerâmicos ali recolhidos.
Forno posto a descoberto faz parte de um complexo oleiro

Decorreu entre 29 de agosto e 1 de setembro a 22ª campanha de investigação do Sítio Arqueológico do Morraçal da Ajuda, em Peniche, uma oportunidade para estudar materiais cerâmicos ali recolhidos.

Em 1998, as obras de construção de um conjunto de campos de ténis, em terreno camarário situado junto à Escola Secundária de Peniche, puseram a descoberto vestígios de um forno de cerâmica da época romana. As subsequentes escavações arqueológicas e estudos dos materiais desenvolvidos com o apoio da Câmara Municipal de Peniche permitiram identificar a presença de um complexo oleiro composto por quatro fornos e diversas entulheiras preenchidas com peças rejeitadas por defeitos de fabrico.

O estudo destes materiais está sob direção científica dos arqueólogos Guilherme Cardoso, Severino Rodrigues, Eurico Sepúlveda e Inês Ribeiro, autores da monografia “A Olaria Romana de Lúcio. Morraçal da Ajuda”, publicada pelo Município de Peniche em 2018.

A olaria foi fundada por Lúcio Arvénio Rustico, um cidadão romano que terá iniciado a produção de ânforas para exportar garum e outros derivados piscícolas, como o peixe capturado no mar de Peniche, que era transformado em fábricas de conservas de peixe que terão existido na ilha de Peniche. Esta é a mais antiga olaria produtora de ânforas para o envase de conservas de peixe conhecida na Lusitânia romana e laborou entre finais do séc. I a.C. e inícios do séc. III d.C.

A matriz económica de índole piscatória de que Peniche é, ainda hoje, detentora, terá sido assim notória há dois mil anos.

Esta olaria produzia, para além de contentores anfóricos, cerâmica de construção (tijolos e telhas), peças de cerâmica de uso comum (púcaros, terrinas, tachos, panelas), mas também pesos de rede, pesos de tear e “imitações” de formas da luxuosa cerâmica terra sigillata.

Para Ana Batalha, vereadora responsável pelo pelouro da Cultura da Câmara Municipal de Peniche, “a descoberta, há 24 anos, dos fornos romanos do Morraçal da Ajuda em Peniche, contribuiu para trazer à luz do dia um importante centro oleiro de produção de ânforas da época romana. É sem dúvida um importante testemunho que reforça e afirma a ligação de Peniche ao mar e a exploração do que este tem de melhor ainda hoje, o seu peixe”.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Atividade física e da saúde no Vau

No passado dia 1 a Junta de Freguesia do Vau, em Óbidos, assinalou o dia da atividade física e da saúde, na tentativa de incentivar a realização regular de exercício físico e lutar contra o sedentarismo. Participaram o instrutor de zumba, João Santos, e Marisa...

vau

Novo comandante na Capitania da Nazaré

O capitão-de-fragata Lopes Figueiredo tomou posse na passada terça-feira do cargo de capitão do porto da Nazaré, durante uma cerimónia protocolar que teve lugar no Forte de São Miguel Arcanjo.

comandante