Q

Previsão do tempo

16° C
  • Wednesday 20° C
  • Thursday 19° C
  • Friday 22° C
16° C
  • Wednesday 20° C
  • Thursday 20° C
  • Friday 22° C
17° C
  • Wednesday 21° C
  • Thursday 21° C
  • Friday 24° C

O problema do SNS é na sua essência económico

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Por estes dias todos estamos preocupados com a saúde do Sistema Nacional de Saúde (SNS). E cheios de razão para essa preocupação. Todos os dias assistimos a problemas em hospitais, centros de saúde deste nosso Portugal. É uma evidência que algo de errado se passa.

Por estes dias todos estamos preocupados com a saúde do Sistema Nacional de Saúde (SNS). E cheios de razão para essa preocupação. Todos os dias assistimos a problemas em hospitais, centros de saúde deste nosso Portugal. É uma evidência que algo de errado se passa.

Genericamente, saltam à vista problemas relacionados com falta de contratação de recursos humanos (médicos e enfermeiros) e falta de investimento em equipamentos e consumíveis. Não querendo hoje entrar pela questão ideológica de mais setor público ou mais acordos com privados, é uma evidência que um dos problemas é a necessidade de mais verba para o SNS poder concorrer com o setor privado na contratação de profissionais de saúde, e para novos investimentos.
Consultado o relatório do orçamento de estado para 2022, verificamos que orçamento da saúde é de 13.578 milhões de euros. Mas tal como nas nossas casas, não há orçamento sem receita. Consultado de novo o relatório, verificamos que para custear o orçamento do SNS é necessário reunir 28% da totalidade de toda a receita dos impostos (receita total de 48.591 milhões de euros).
O SNS absorve 90% da totalidade da receita de IRS, ou se quiserem em alternativa, o SNS absorve o equivalente ao valor global do IRC + IUC + Imposto sobre os combustíveis + Imposto de Selo + outros impostos menores.
Tudo isto para evidenciar que o problema do SNS é na sua essência económico. Nos últimos 20 anos o país cresceu a uma taxa média de 0,5% do PIB!!! Com este nível de crescimento não foi possível acompanhar as necessidades de financiamento do SNS.
Salvar o SNS, ou pelo menos garantir um SNS com qualidade razoável, exige que o país cresça continuamente a taxas não inferiores a 3% do PIB. Se o país crescer a taxas razoáveis, as receitas fiscais vão aumentar, e assim haverá mais dinheiro para o SNS, mas também para os outros setores.
Tudo isto para demostrar que a solução da generalidade dos nossos problemas é fomentarmos o crescimento económico do nosso país.
E agora numa nota ideológica, crescimento só existirá por via do setor privado. Assim precisamos de apoiar as empresas, reduzir a presença do Estado ao essencial (saúde, educação e soberania) por forma a libertar recursos para o investimento.
Só assim haverá dinheiro para o SNS e para a educação.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Não adoeça neste verão, ok?

O presidente da República de Portugal fez este patético apelo aos portugueses: “Vamos todos tentar não adoecer neste Verão”, numa assunção de que o Serviço Nacional de Saúde está um caos, consequência da incompetência ou falta de vontade de resolver os problemas, ou ainda, pelo conluio do Governo com o setor privado da saúde.

Água das Caldas

A investigação cuidada traz-nos sempre boas-novas e inúmeras curiosidades. Recentemente, em renomado arquivo brasileiro, encontrei uma singular informação acerca da água termal de Caldas da Rainha, substância muito desejada, nos idos do século XIX, em terras de Vera Cruz.

In Memoriam

Era cedo. Uma manhã diferente, com algum tempo para uma distração poética e um devaneio atlético. Acabara de chegar às Caldas da Rainha. Dias haviam passado sem olhar para as suas vergonhas, e ali estavam elas, escarrapachadas, em ruas, avenidas e praças, boquiabertas de imundície, assoberbadas de promessas vãs e disparates pueris.