Q

Previsão do tempo

29° C
  • Tuesday 29° C
  • Wednesday 27° C
  • Thursday 22° C
29° C
  • Tuesday 29° C
  • Wednesday 28° C
  • Thursday 23° C
29° C
  • Tuesday 29° C
  • Wednesday 32° C
  • Thursday 24° C
Entre Lourinhã e Caldas da Rainha

Marcha lenta de trator juntou 150 agricultores em defesa do setor

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Uma marcha lenta de tratores em defesa do setor agrícola realizou-se na passada quarta-feira entre a Lourinhã e as Caldas da Rainha, tendo mais de 150 agricultores estado presentes na entrega de um caderno reivindicativo ao diretor regional de agricultura, Lacerda Fonseca, queixando-se que estão a vender abaixo dos custos de produção.
Tratores concentraram-se nas Caldas junto à delegação da Direção Regional de Agricultura

Entre Lourinhã e Caldas da Rainha

Uma marcha lenta de tratores em defesa do setor agrícola realizou-se na passada quarta-feira entre a Lourinhã e as Caldas da Rainha, tendo mais de 150 agricultores estado presentes na entrega de um caderno reivindicativo ao diretor regional de agricultura, Lacerda Fonseca, queixando-se que estão a vender abaixo dos custos de produção.

Devagar e a buzinar, assim foi a marcha de tratores ao longo de mais de 40 quilómetros entre o Largo da Feira, na Lourinhã, até à delegação do Oeste da Direção Regional de Agricultura e Pescas de Lisboa e Vale do Tejo, nas Caldas da Rainha, com paragens em Atouguia da Baleia, em Peniche, e em Óbidos, entre as oito da manhã e a uma da tarde.

O protesto deveu-se sobretudo a um problema – o aumento dos custos de produção – adubos, pesticidas, combustíveis e eletricidade – o que faz com que não seja rentável ser agricultor, sustentaram os participantes nesta organização da Associação Interprofissional de Horticultura do Oeste, Louricoop – Cooperativa de Apoio e Serviços do Concelho de Lourinhã, Adega Cooperativa da Lourinhã e Coopeniche – Cooperativa Agrícola de Peniche.

Pretendeu-se “sensibilizar a opinião pública para a real situação do setor”. De acordo com a organização, “os custos com os fatores de produção aumentaram fortemente no segundo semestre de 2021, continuando a escalada neste primeiro trimestre de 2022”.

No caso dos adubos e correctivos, registou-se um aumento dos índices de preços em mais 166,5% no último ano, aponta, indicando um aumento de 28,7% nos gastos com energia e lubrificantes. O consumo de energia foi maior em consequência do estado de seca extrema. Segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera, fevereiro de 2022 foi o terceiro mês mais seco desde 1931 (só superado em 1934 e 2012). “Dada a maior concentração da oferta, por motivos climatéricos, verificou-se um aumento da necessidade de conservação por refrigeração, traduzindo-se no aumento do consumo de energia”, referem os agricultores.

Por outro lado, em relação aos combustíveis, neste primeiro trimestre de 2022 o gasóleo simples aumentou 33% (equivalente a cerca de 50 cêntimos por litro) e o gasóleo verde aumentou 43% (equivalente a 48 cêntimos por litro). “Estes aumentos afetam diretamente a produção, uma vez que o gasóleo verde é essencial às atividades inerentes da produção, com destaque às operações culturais mecanizadas e à rega, enquanto o gasóleo rodoviário afeta todas as atividades logísticas do setor”, sublinham.

Outra preocupação está nos custos dos materiais de embalagem. Neste momento existem diversos casos em que a embalagem custa mais do que o produto nela contido, fazem notar.

Perante estas circunstâncias, “seria de esperar que os preços pagos ao produtor acompanhassem a tendência de aumento. No entanto, apresentaram, em janeiro de 2022, variações negativas nos índices de preços dos hortícolas frescos (-25,6%) e batata (-20,3%), enquanto no mês de fevereiro de 2022, verificaram-se variações negativas nos índices de preços da batata (-21,2%) e hortícolas frescos (-0,5%), e em março de 2022 registaram-se novas variações negativas nos índices de preços da batata (-13,9%) e hortícolas frescos (-7,8%)”.

Entre as medidas do caderno de reivindicações constam a exigência de gasóleo agrícola com isenção de ISP e IVA na mesma proporção do praticado no gasóleo utilizado nas pescas, apoios ao consumo de eletricidade, a construção de infraestruturas que garantam o armazenamento de água para o regadio da região Oeste, a justa distribuição dos valores ao produtor e medidas imediatas de apoio financeiro ao setor que não passem por adiantamentos ou linhas de crédito.

O preço ao produtor é uma das principais preocupações. “É imperativo que a PARCA – Plataforma de Acompanhamento das Relações na Cadeia Agroalimentar seja reativada, e que para além de elaborar documentos, como o Código de Boas Práticas Comerciais para a Cadeia de Abastecimento Agroalimentar, seja garantida a sua aplicabilidade, de modo a existir uma justa distribuição dos valores em toda a cadeia”, defendem os agricultores.

A marcha lenta surgiu assim “na sequência de dois anos difíceis para o setor, com os aumentos na energia, combustíveis e nos fatores de produção, e a dificuldade de os agricultores conseguirem refletir esses aumentos nos preços de venda dos produtos, um problema transversal a todas as culturas e a todo o país”, explicou Sérgio Ferreira, presidente da Associação Interprofissional de Horticultura do Oeste.

Para João Luís, presidente da Coopeniche, “tem de haver uma mudança perante a não valorização do produto à saída”, caso contrário “os agricultores vão passar por grandes dificuldades”.

“Neste momento os agricultores não têm condições para continuar. São custos muito elevados e não compensa desempenhar a atividade”, comentou Vítor Santos.

“O consumidor está a pagar muito caro os produtos mas nós estamos a receber pouco dinheiro. As grandes superfícies estão a ganhar muito e não os agricultores, que têm mais gastos com a produção quando vendem ao mesmo preço do que no ano anterior”, vincou Carlos Mota.

“A base maior de lucro fica nas grandes superfícies. As pessoas têm uma ideia diferente mas o consumidor anda a pagar fruta a mais de dois euros e o produtor vende apenas a trinta cêntimos”, alertou Vítor Daniel.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

30 anos de teatro

O Teatro Pó D’Palco completa 30 anos de espetáculos e, para comemorar, será apresentada uma peça de teatro na Associacão Quiterense, em Valado Santa Quitéria, no dia 27 de julho, pelas 21 horas.

po