Q

Previsão do tempo

16° C
  • Sunday 23° C
  • Monday 19° C
  • Tuesday 24° C
16° C
  • Sunday 23° C
  • Monday 19° C
  • Tuesday 24° C
16° C
  • Sunday 25° C
  • Monday 20° C
  • Tuesday 26° C
Escaparate

O colo dos avós

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Feliz daquele que teve a oportunidade de sentar-se no colo dos avós. Em minha modesta opinião, acredito que a convivência com os pais dos nossos pais deixa no coração, na alma, e na mente, uma infinitude de generosidade, além de proteger-nos de ataques de depressão e ansiedade, podendo, inclusive, ajudar-nos a ter autoestima, discernimento emocional e melhor desempenho escolar.

Escaparate

Feliz daquele que teve a oportunidade de sentar-se no colo dos avós. Em minha modesta opinião, acredito que a convivência com os pais dos nossos pais deixa no coração, na alma, e na mente, uma infinitude de generosidade, além de proteger-nos de ataques de depressão e ansiedade, podendo, inclusive, ajudar-nos a ter autoestima, discernimento emocional e melhor desempenho escolar.

Dependendo do temperamento dos avós, podemos abraçar causas sociais; defender opiniões clubísticas, quiçá políticas; compreender quem somos; aprender a história da nossa família; ampliar a nossa impressão de conforto e segurança; pedir as coisas mais estranhas para comer; empanturrar-nos de mimos, de beijos e de abraços; ou seja: criar memórias que guardaremos por toda a nossa existência.
Quem nunca os teve, não sabe o que perdeu. Quem já não os tem sabe muito bem a falta que fazem.
Nos dias que correm, as crianças e os adolescentes não têm tempo para lhes dar atenção (e receber em troca o exemplo mais profundo do que é o amor). A tecnologia, que veio para melhorar, e estreitar, a comunicação entre pessoas e países, encarregou-se de levantar um muro, visivelmente intransponível, entre essas gerações. Com isso, os mais jovens ficarão emocionalmente pobres, insensíveis para o que os rodeia, e com um vazio interior que, mesmo que gastemos toda a nossa saliva em romanescas explicações, nunca conseguirão compreender qual a causa.
Os avós são os indivíduos com quem se estabelece um vínculo mais significativo e duradouro. Com certeza, os grandes responsáveis pelo nosso desenvolvimento psíquico e social, ou seja, podem ser as pessoas mais importantes na construção da nossa identidade.
Possuo uma lembrança perene, emotiva, saudável e nostálgica dos meus avós. Lembro-me deles diariamente. A cada dia que nasce, antes dos afazeres profissionais, olho para os seus rostos (nas fotografias que estão a poucos palmos de distância da minha mesa de trabalho) e beijo-os, mentalmente, com ternura e saudade.
Admiro a coragem que tiveram, especialmente para enfrentar os difíceis e nebulosos anos do Estado Novo, onde as docilidades eram poucas, e muito o “trabalhar para o bem da nação, em troca de meia sardinha e um naco de pão”.
Apesar das intempéries diárias, a alegria, a força descomunal da sua têmpera, e a robustez das suas almas, ajudaram a alterar, para muito melhor, o destino das gerações seguintes.
Hoje, na minha vida, aquilo que um dia conheci como “família” já não existe. Quando desapareceram os luminares que nos guiavam, perderam-se, também, os laços íntimos que nos uniam. Tudo desmoronou. Provavelmente, não havia amor entre nós. Apenas conveniências.
Aos meus avós, ninguém lhes roubou a infância e a adolescência. Embora tivessem de trabalhar duro desde tenra idade, foram passando pela vida, sem permitir que a vida transcorresse brusca e ferozmente por eles. Nesse caminhar conviveram salutarmente com os seus ascendentes, mantendo e ampliando os laços que vinham de distantes gerações. Foram emocionalmente presentes na minha vida.
Era rotina diária, devido à nossa extrema amizade, falarmos acerca de tudo, inclusive de sentimentos e emoções, e é nessa senda que deixo o coração extravasar um pensamento de autoria de Leal de Sousa (1880-1948), praticamente uma divisa, anunciadora da galhardia e da magnanimidade de cada uma daquelas almas: “Minhas avós foram formosas. E meus avós foram heróis”.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

As festas das aldeias e suas tradições

Com a chegada do verão começa a altura dos arraiais, das festas das aldeias, onde reina o tradicional bailarico e de seguida o dj a fazer o resto da magia.

Praças decadentes

As praças da fruta e do peixe, em Caldas da Rainha, estão em franca decadência. A maioria dos vendedores acredita, inclusive, que com a abertura da nova superfície comercial, no centro da cidade, será muito difícil continuarem a trabalhar.

Parlamento dos Jovens

Nos dias 9 e 10 de maio tive a oportunidade de participar no programa Parlamento dos Jovens, enquanto deputada efetiva do Agrupamento de Escolas Rafael Bordalo Pinheiro, na Sessão Nacional na Assembleia da República.

olhar