Q

Previsão do tempo

15° C
  • Thursday 26° C
  • Friday 28° C
  • Saturday 27° C
15° C
  • Thursday 26° C
  • Friday 29° C
  • Saturday 28° C
15° C
  • Thursday 28° C
  • Friday 32° C
  • Saturday 30° C

Caldas Rugby Clube perde mas ainda pode atingir a final

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Na quinta jornada da fase final do campeonato nacional, o Caldas Rugby Clube perdeu frente ao invicto Rugby Clube da Lousã, mas a hipótese de atingir a final mantém-se
José Contreras recebeu o pelicano que simbolizou o prémio de MVP (jogador mais influente)

Na quinta jornada da fase final do campeonato nacional, o Caldas Rugby Clube perdeu frente ao invicto Rugby Clube da Lousã, mas a hipótese de atingir a final mantém-se

O jogo disputou-se no campo de rugby do Estádio Dr. José Luís Silveira Botelho, nas Caldas da Rainha.
Entrou decidido o Caldas e logo no primeiro minuto chegou ao ensaio, inaugurando o marcador.
Pontapé tático de Tommy Lamboglia, conquista no alinhamento e um “moule” eficaz a ser concluído pelo talonador David Esteves. Cristóvão Monteiro falhou por pouco a transformação.
Aos 21 minutos um primeiro erro defensivo do Caldas, pontapé falhado na tentativa de colocar a oval na linha lateral já dentro dos 22 metros adversários foi bem recuperado pelo Lousã. Contra-ataque muito rápido pela ponta, sem capacidade de placagem e o flanqueador Henrique Batiste a chegar ao ensaio. Francisco Loza transformou e o placard em 5-7.
Desconcentraram-se os caldenses, acusaram o golpe e logo aos 24 minutos, mais um erro defensivo, placagem não efetiva e o centro Idalécio Cisint a romper a linha de vantagem e a chegar ao ensaio entre os postes. Transformação fácil para Francisco Loza e 5-14 no marcador.
Aos 29 minutos uma excelente iniciativa de Diogo Vasconcelos, a ultrapassar vários adversários e apenas a ser travado em falta já dentro dos 22 metros lousanenses. Penalidade bem transformada por Tommy Lamboglia e 8-14 no placard.
Aos 49 minutos o Caldas viu-se obrigado a substituir o seu “play maker” Tommy Lamboglia, que sofreu uma pancada na cabeça numa tentativa de placagem, sem consequências, mas obrigando ao cumprimento do protocolo para este tipo de lesões.
Logo no reatamento, o Lousã beneficiou de uma tentativa de transformação de penalidade aos postes, bem concretizada por Santiago Jara.
Aos 61 minutos, mais um erro defensivo pelicano e o segundo centro Idalécio Cisint, muito rápido a aproveitar para fazer o toque de meta, transformação sem mácula de Santiago Jara e o resultado em 8-24.
O Caldas reagiu. Após boas fases dos seus avançados, aos 65 minutos e na sequência de um excelente “moule”, chegou ao ensaio pelo capitão Ricardo Marques. Jonathan Nolan não foi feliz na transformação e o placard passou para 13-24.
Aos 72 minutos, um cartão amarelo, bem mostrado ao centro pelicano Alex Vieira, por placagem alta, e os consequentes minutos no “sin bin” acabaram com a resistência caldense.
Aos 75 minutos mais um erro defensivo permitiu o quarto ensaio lousanense, de novo pelo muito experiente Idalécio Cisint. Transformação de Santiago Jara.
Resultado final: Caldas RC – 13 (2E, 1P) vs RC Lousã – 31 (4E, 4T, 1P)
O jovem José Contreras recebeu das mãos de Adelino Jacinto, ex-jogador e dirigente do Caldas Rugby Clube, o pelicano que simbolizou o prémio de MVP (jogador mais influente) nesta partida.
O Caldas RC alinhou com Agustin Capoccetti, Alexandre Vieira, André Filipe, Bruno Martins, Carlos Prieto, Cristóvão Monteiro, David Esteves (1E), Diogo Vasconcelos, Dorin Plameadala, Filipe Gil, Filipe Nobre, Francisco Loza, Giorgi Bibileishvili, Gonçalo Sampaio, Jonathan Nolan, José Contreras, Juan Casajus, Lasha Bzhalava, Ricardo Correia, Ricardo Marques (1E), Rui Santos, Salvador Cambournac e Tomas Lamboglia (1P)
Treinador: Patrício Lamboglia; Diretor de equipa: António Ferreira Marques; Fisioterapeuta: João Jorge (Physioclem)

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Novo recorde de maior onda surfada na Praia do Norte

Há um novo recorde mundial de maior onda já surfada na Praia do Norte, na Nazaré, que foi alcançado pelo alemão Sebastian Steudtner, que em 29 de outubro de 2020 atingiu os 26,21 metros, segundo foi anunciado nesta terça-feira pela World Surf League (WSL), organizadora dos Red Bull Big Wave Awards.

onda