Q

Previsão do tempo

14° C
  • Thursday 26° C
  • Friday 28° C
  • Saturday 27° C
15° C
  • Thursday 26° C
  • Friday 29° C
  • Saturday 28° C
15° C
  • Thursday 28° C
  • Friday 32° C
  • Saturday 30° C
Escaparate

Museu do Hospital e das Caldas

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Quando chegamos às Caldas da Rainha encontramos entradas sujas, descaraterizadas e sem nenhuma elegância arquitetónica. O mesmo ocorre com os monumentos do Parque Dom Carlos I, e os demais, dispersos pelo centro da cidade. Há, porém, um edifício que entristece qualquer apreciador de arte arquitetural: O do “Museu do Hospital e das Caldas”.

Escaparate

Quando chegamos às Caldas da Rainha encontramos entradas sujas, descaraterizadas e sem nenhuma elegância arquitetónica. O mesmo ocorre com os monumentos do Parque Dom Carlos I, e os demais, dispersos pelo centro da cidade. Há, porém, um edifício que entristece qualquer apreciador de arte arquitetural: O do “Museu do Hospital e das Caldas”.

Não consigo compreender o que leva determinadas pessoas a macular (com expressões que de artísticas nada possuem), tão grotescamente e em toda a sua extensão, a fachada posterior daquele imóvel.
Vivemos numa época em que qualquer risco tosco é considerado uma obra de arte, porém, o que se vê naquelas paredes é ainda mais aberrante do que a pobreza estética vigente, não podendo ser chamada de arte urbana, fugindo do que se compreende como grafiti e entrando no banal conceito da pichação.
Nestes tempos mais recentes, onde a cultura caldense está entregue a devaneios popularescos, pode até parecer natural ver as paredes de um dos mais icónicos museus portugueses transformadas em sanita mental alheia. Esse tipo de “arte” diminui a imagem do concelho.
Caldas da Rainha, no ano de 2019, foi eleita “Cidade Criativa”, na categoria artesanato e artes populares. Com certeza, esse galardão não foi concedido graças a “exemplos artísticos de arte popular” como esses que se vêm nas paredes do citado edifício.
Local de extensas e importantes memórias – não apenas para a história do burgo, mas também, para um país que se anuncia protetor das artes e respeitador de tradições – é inadmissível que se encontre naquele estado.
Acredito que a entidade responsável pela manutenção do edifício não possua meios financeiros para estar, ininterruptamente, a pintar aquelas paredes, porém, não pode ser essa instituição a única a responder pela preservação e valorização do imóvel, também devemos atribuir essa preocupação à Câmara Municipal, pois, estamos a falar de um património edificado do concelho (aqui não cabe o jogo do empurra).
Vandalismo não é arte. O património arquitetónico do concelho é de todos nós. A beleza importa. Nesse campo dou total razão ao filósofo conservador Roger Scruton (1944-2020):
“Em qualquer tempo, entre 1750 e 1930, se se pedisse a qualquer pessoa educada para descrever o objetivo da poesia, da arte e da música, eles teriam respondido: a beleza. E se você perguntasse o motivo disto, aprenderia que a beleza é um valor tão importante quanto a verdade e a bondade. Então, no século XX, a beleza deixou de ser importante. A arte, gradativamente, se focou em perturbar e quebrar tabus morais. Não era beleza, mas originalidade, atingida por quaisquer meios e a qualquer custo moral, que ganhava os prémios. Não somente a arte fez um culto à feiura, como a arquitetura se tornou desalmada e estéril. E não foi somente o nosso entorno físico que se tornou feio: nossa linguagem, música e maneiras, estão ficando cada vez mais rudes, autocentradas e ofensivas, como se a beleza e o bom gosto não tivessem lugar em nossas vidas (…) Penso que estamos perdendo a beleza e existe o perigo de que, com isso, percamos o sentido da vida.”.
A perda do propósito da existência é notória na mente de alguns “artistas”. Aqueles gatafunhos na fachada posterior do “Museu do Hospital e das Caldas” são a prova disso.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

As festas das aldeias e suas tradições

Com a chegada do verão começa a altura dos arraiais, das festas das aldeias, onde reina o tradicional bailarico e de seguida o dj a fazer o resto da magia.

Praças decadentes

As praças da fruta e do peixe, em Caldas da Rainha, estão em franca decadência. A maioria dos vendedores acredita, inclusive, que com a abertura da nova superfície comercial, no centro da cidade, será muito difícil continuarem a trabalhar.

Parlamento dos Jovens

Nos dias 9 e 10 de maio tive a oportunidade de participar no programa Parlamento dos Jovens, enquanto deputada efetiva do Agrupamento de Escolas Rafael Bordalo Pinheiro, na Sessão Nacional na Assembleia da República.

olhar