Q

Previsão do tempo

16° C
  • Saturday 23° C
  • Sunday 24° C
  • Monday 25° C
17° C
  • Saturday 24° C
  • Sunday 25° C
  • Monday 26° C
17° C
  • Saturday 26° C
  • Sunday 27° C
  • Monday 28° C

Equipa de voleibol do Sporting das Caldas com seis jogadores estrangeiros

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
A equipa de seniores masculinos de voleibol da 1ª divisão do Sporting Clube das Caldas (SCC) tem seis jogadores estrangeiros oriundos do Irão, Argentina, Venezuela e Brasil. Têm nacionalidades e culturas diferentes, mas unidos “pela paixão pelo voleibol”. Os resultados estão acima de tudo. Querem é ganhar.
Javier Veja (Argentina), Ronaldo Martinez (Venezuela), Amirabbas Moradi (Irão), Felipe Santos (Brasil), Mohammadreza Beik (Irão) e Ehsan Ahmadi (Irão)

A equipa de seniores masculinos de voleibol da 1ª divisão do Sporting Clube das Caldas (SCC) tem seis jogadores estrangeiros oriundos do Irão, Argentina, Venezuela e Brasil. Têm nacionalidades e culturas diferentes, mas unidos “pela paixão pelo voleibol”. Os resultados estão acima de tudo. Querem é ganhar.

Ehsan Ahmadi de 21 anos, Mohammadreza Beik, de 22 anos, e Amirabbas Moradi, de 25 anos, jogadores de voleibol do Irão, estão há cerca de 4 meses a viver nas Caldas da Rainha e a jogar ao serviço do Sporting das Caldas.

Apesar de não esquecerem as raízes, nesta cidade sentem-se “bem”. A adaptação “demorou algum tempo, mas não foi muito difícil, porque as pessoas são abertas e gostam de ajudar, e o respeito e o trabalho são valores fundamentais na sociedade iraniana”, uma das razões pelas quais estão focados em “ajudar a equipa a ganhar e a voar mais alto”, contam.

Destacam o bom acolhimento por parte de toda a equipa e dos caldenses. O obstáculo mais difícil é a língua. Falam um pouco de inglês, mas por vezes a comunicação é complicada.

Apesar de um dos jogadores não comer carne de porco, a comida portuguesa tem sido uma agradável surpresa. O SCC fez uma parceria com a Escola de Hotelaria e Turismo do Oeste, onde vão almoçar. “É diferente da nossa, mas estamos a gostar muito”, relatam.

Ocupam-se com os treinos e jogos. Referem que têm sempre apoio dos dirigentes e do treinador, para que se sintam bem e não lhes falte nada.

Na altura das férias do natal conheceram o Porto, cidade de que ficaram fãs. Apesar de gostarem de jogar no SCC e de se sentirem bem nas Caldas confessam que o objetivo é “progredir para as melhores ligas europeias”.

Javier Vega, de 30 anos, é argentino, sendo o segundo ano que está em Portugal, onde já jogou noutra equipa. O que o faz correr é a sua paixão pelo voleibol e continuar a gostar do que faz. “Quero sentir-me útil e obter aquilo que os clubes querem, resultados”, salienta. “Infelizmente, não conseguimos o objetivo principal que era ficar dentro dos oito primeiros, mas fizemos um bom trabalho”, sustenta.

Garante que se adaptou bem à cidade, “que é pequena, mas muito bonita”. Tem saudades de alguns pratos argentinos, mas é apreciador da gastronomia portuguesa.

Ronaldo Martinez, de 23 anos, é da Venezuela e está ao serviço do SCC desde agosto de 2021. A questão da língua foi ultrapassada facilmente. “Somos rápidos a captar os ensinamentos do treinador e o que se pretende do treino e como nos comportarmos nos jogos”, aponta.

Quanto ao futuro não sabe o que vai acontecer, mas está feliz desde que jogue a modalidade, que iniciou aos 14 anos, tendo já jogado na seleção do seu país.

Felipe Santos, do Brasil, já jogou no Leixões Sport Club e foi contratado pelo SCC há cinco meses. “É uma cidade bem mais pequena, mas eu estou a gostar porque as pessoas são recetivas”, conta.

Natural de Belo Horizonte, tem saudades do seu país e família, mas “com 30 anos já estou habituado a estar longe de casa”. “Comecei a jogar voleibol aos 13 anos e desde os 17 que jogo longe da minha terra”, indica.

O objetivo no SCC é “conseguir bons resultados e ajudar a equipa a crescer”.

Internacionalização do SCC

Apesar de “não ser fácil gerir as diferentes nacionalidades e costumes”, Filipe Mateus, presidente do clube, garante que os jogadores estrangeiros estão a “gostar de estar nas Caldas e o clima também tem ajudado”.

Filipe Mateus explicou que por questões orçamentais têm que recorrer ao “mercado estrangeiro porque a maior parte dos portugueses estão no norte ou em Lisboa, onde existe o Sporting e o Benfica, e para virem para as Caldas têm que mudar de vida e não vêm por pouco”. “Estamos a falar da 1ª divisão e é uma oportunidade para ter jogadores competitivos com custo reduzido”, revela.

Segundo o responsável, o habitual é terem em média três estrangeiros, mas este ano o SCC recebeu os jogadores do Irão por via de um protocolo celebrado com empresários que trabalham com a federação iraniana. “Foi a Federação do Irão que pagou as taxas internacionais para eles virem para cá jogar e mostrarem-se à Europa”, contou, acrescentando que “os três jogadores também são pagos pela Federação do Irão”.

“Com a vinda deles tivemos cá o embaixador do Irão para conhecer os costumes deles”, recorda, revelando que o trio tem “o visto até setembro”. Considera que são uma mais valia para a equipa. 

O dirigente revela que o facto de a equipa ter mais estrangeiros tem “ganho mais visibilidade internacional”. “Já temos seguidores do Irão, da Venezuela e Argentina nas redes sociais e isso acaba por ser uma mais-valia”, afirmou.

O presidente destaca a internacionalização do SCC, sendo o clube visto como “uma plataforma de jogadores que querem vir para a Europa”.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Problemas da saúde transmitidos em audiência com secretária de estado  

A secretária de estado da saúde, Maria de Fátima Fonseca, transmitiu nesta sexta-feira ao presidente da Câmara Municipal das Caldas da Rainha, Vitor Marques, que estão a ser tomadas várias medidas para reforçar a capacidade de recrutamento de médicos, um dos principais problemas que afetam o setor da saúde na região e no país.

secretaria

Marcha do Orgulho com mais de 300 participantes

Realizou-se nas Caldas da Rainha, no passado domingo, uma marcha em defesa da comunidade lésbica, gay, bissexual, transgénero e outras orientações de género, com mais de três centenas de manifestantes a rejeitarem serem discriminados e a reclamarem por condições que permitam assumir as suas escolhas perante a sociedade.

marcha1

Palestra sobre as transformações da família

“A família também evolui! Os diversos apoios às Famílias”, foi como se designou a palestra de sensibilização que decorreu no passado dia 23 na Biblioteca Municipal das Caldas da Rainha. O evento, moderado pela vereadora da Ação Social na Câmara das Caldas, Conceição Henriques, teve como oradoras convidadas a socióloga e investigadora Engrácia Leandro e a representante da Segurança Social do Centro Distrital de Leiria, Fátima Oliveira.

familia 1