Q

Previsão do tempo

16° C
  • Wednesday 20° C
  • Thursday 19° C
  • Friday 22° C
16° C
  • Wednesday 20° C
  • Thursday 20° C
  • Friday 22° C
17° C
  • Wednesday 21° C
  • Thursday 21° C
  • Friday 24° C

Serra D’El-Rei revive amor proibido

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
A vila de Serra D’El-Rei, em Peniche, abriu há quatro anos um museu dedicado a uma das mais bonitas histórias de amor do século XIV – o amor proibido entre D. Pedro I e D. Inês de Castro, estando a preparar a celebração do quarto aniversário, no Dia dos Namorados.
O ator Ruy de Carvalho e o presidente da Junta, há quatro anos, ao lado de tela com Pedro e Inês

A vila de Serra D’El-Rei, em Peniche, abriu há quatro anos um museu dedicado a uma das mais bonitas histórias de amor do século XIV – o amor proibido entre D. Pedro I e D. Inês de Castro, estando a preparar a celebração do quarto aniversário, no Dia dos Namorados.

Na próxima segunda-feira, o romance pode ser revisitada numa ida ao Museu, com entradas gratuitas neste dia, e na iniciativa a ter lugar no exterior, permitindo “viajar” pelos ofícios da época de Pedro e Inês, onde se construíam armaduras em cota de malha, entre malhas se faziam tecidos, de linhas nasciam cordas e do aço se fazia o fogo.

Nesta iniciativa promovida pela autarquia de Serra D’El-Rei haverá animação com pessoas trajadas à época. 

“O Museu de Serra D’El-Rei D. Pedro I é uma verdadeira “lufada de ar fresco” na transmissão do conhecimento aos visitantes e na difusão da sua história e identidade. A autarquia ousou tomar a iniciativa em pleno século XXI de recordar ou dar a conhecer ao público o amor proibido de Pedro e Inês. O sentimento de paixão aumentou com a visualização desta história”, manifestou o presidente da Junta, Jorge Amador.

Os encontros amorosos entre Pedro e Inês aconteciam entre a de Serra D’El-Rei e o Moledo, na Lourinhã. D. Pedro viajava às escondidas do pai a partir do paço que tinha em Serra D’El-Rei.

A divulgação desta história de amor e lágrimas encontra-se ao abrigo do protocolo firmado entre a Fundação Inês de Castro, o Município de Peniche e a Freguesia de Serra d’ El-Rei.

O Museu está instalado num novo edifício ligado ao Fórum da Serra e representa um investimento de 700 mil euros.

É o ponto de partida para um roteiro mais alargado sobre a presença de D. Pedro I, cujo paço real, datado do início do século XIV e classificado como imóvel de interesse público, está a algumas dezenas de metros.

Longe da intriga e da corte, fora das principais estradas do reino, D. Pedro e Inês de Castro viveram entre 1346 e 1352 alguns dos anos mais calmos e felizes de um amor trágico e proibido.

D. Inês era filha ilegítima de D. Pedro Fernandes de Castro, grande senhor da Galiza, mordomo-mor do rei D. Afonso XI de Castela, e de Aldonça Lourenço de Valadares, dama portuguesa. Integrou o séquito de D. Constança Manuel, consorte do Infante D. Pedro, que chegou a Portugal em 1340.

Com Pedro I teve quatro filhos, os três primeiros nascidos em terras de Peniche e Lourinhã. Foi assassinada, por razões de Estado, a mando do rei D. Afonso IV, pai de Pedro, a 7 de janeiro de 1355, em Coimbra.

Aclamada Rainha de Portugal após a sua morte, está sepultada num sumptuoso túmulo no Mosteiro de Alcobaça, junto a D. Pedro I.

O final trágico está simbolizado numa peça de moda no segundo piso do museu. Na sala principal está a exposição permanente e pode-se ver o caminho contrário ao das ferraduras desenhadas no solo, que D. Pedro mandava os seus homens marcar, para despistar o rasto dos cavalos quando ia às escondidas encontrar-se com Inês de Castro.

Além destas histórias, a exposição é composta por painéis explicativos, esculturas, ilustrações, uma panorâmica dos trajes da época e espólio existente na região.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Arrancaram obras na linha férrea entre Caldas e Torres

A Infraestruturas de Portugal deu início nesta terça-feira à empreitada de modernização do troço da Linha do Oeste entre Torres Vedras e Caldas da Rainha, após a assinatura do auto de consignação ter tido lugar na estação ferroviária de Caldas da Rainha, com a presença do ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos.

ferrovia

Patos desapareceram em A-dos-Francos

A Junta de Freguesia de A-dos-Francos colocou cinco patos no Rio Arnóia na passada segunda-feira, com o objetivo de ter “um local mais aprazível e bonito, que permita disfrutar da presença destes animais”, mas foi surpreendida no dia seguinte porque três desapareceram.

patos