Q

Previsão do tempo

16° C
  • Saturday 23° C
  • Sunday 24° C
  • Monday 25° C
17° C
  • Saturday 24° C
  • Sunday 25° C
  • Monday 26° C
17° C
  • Saturday 26° C
  • Sunday 27° C
  • Monday 28° C

Projeto de expansão do termalismo visa construção de novo balneário

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Foi aprovada na Câmara Municipal das Caldas da Rainha uma proposta de elaboração e execução de um projeto de expansão do termalismo, apresentada pelo vereador do PS, Luís Patacho, que visa a realização de um estudo de sustentabilidade económica do projeto termal para a construção de um novo balneário que permita potenciar a qualidade da oferta e aumentar o número de frequentadores.
O autor da proposta defendeu a aposta da componente de visitação no Hospital Termal

Foi aprovada na Câmara Municipal das Caldas da Rainha uma proposta de elaboração e execução de um projeto de expansão do termalismo, apresentada pelo vereador do PS, Luís Patacho, que visa a realização de um estudo de sustentabilidade económica do projeto termal para a construção de um novo balneário que permita potenciar a qualidade da oferta e aumentar o número de frequentadores.

O socialista fez notar que as Termas das Caldas da Rainha encontram-se a funcionar apenas com inalações no chamado “Balneário Novo”, estando a decorrer as obras na ala sul do 1º andar do Hospital Termal que visam criar condições para se iniciarem os tratamentos musculoesqueléticos.

“As infraestruturas das Termas das Caldas têm o maior interesse histórico, cultural e até turístico mas não acompanham nem têm condições de virem a acompanhar aquelas que são as atuais exigências de modernidade dos aquistas, incluindo uma visão mais abrangente do termalismo que inclui uma componente de lazer e de bem-estar”, considerou.

Para Luís Patacho, “temos, por isso, umas termas a funcionar numa versão minimalista e com infraestruturas que por si só são incapazes de potenciar a qualidade da oferta e o número desejável de aquistas que permitam um desenvolvimento sustentado do nosso termalismo, capaz de alavancar a nossa economia local no que respeita aos setores de atividade direta e indiretamente a ele ligados”.

Defendeu, por isso, que “importa, quanto antes, realizar um estudo de sustentabilidade económica do projeto termal que nos auxilie na tomada de decisão sobre a localização, a tipologia e a capacidade de um novo balneário, que deverá integrar o complexo termal com o atual Balneário Novo e o Hospital Termal, mantendo, sobretudo este, um caráter preferencialmente histórico-cultural, de visitação e turístico”.

“Mas a construção de um novo balneário termal deve ser apenas uma “peça”, ainda que das mais relevantes, de um amplo projeto de expansão do termalismo. É importante que o complexo termal, a água termal e os tratamentos termais tenham uma articulação com a praia, as águas da Pocinha de Salir do Porto, o Parque D. Carlos I e a Mata”, sublinhou o vereador, para quem “é ainda determinante criar-se um programa de apoio ao termalismo, saúde e bem-estar que promova essa expansão e dinamização do termalismo nas Caldas da Rainha, com uma forte componente de atratividade turística”.

O socialista vincou igualmente que “é da maior importância incluir nesse projeto de expansão do termalismo um Centro de Investigação das Águas Termais e Demais Recursos Hidrológicos, que qualifique as Termas das Caldas da Rainha”, como importante é “apostar numa forte promoção”.

CDU não quer hotel nos Pavilhões do Parque

Apesar dos Pavilhões do Parque terem sido concessionados a um grupo privado, que pretende transformá-los em unidade hoteleira, a CDU continuar a bater o pé à ideia, considerando que o projeto vai “descaraterizar o património”.

Henrique Fialho, n.º 5 na lista da CDU para o círculo eleitoral de Leiria, declarou que é “um património arquitetónico que corremos o risco de perder porque há a perspetiva de alienação deste património colocado ao serviço de interesses financeiros particulares que achamos que não são benéficos para a cidade”.

“Há um projeto em curso tendo em vista a descaraterização deste património. Ao longo dos anos esse projeto tem vindo a ser alvo de transformações, de início até se previa a construção de um parque subterrâneo no Parque, uma coisa inimaginável. É até altamente questionável que possamos entregar a um particular um cartão de visita [o Parque] que é património da cidade”, manifestou.

O comunista considera que “o Estado deve requalificar o património oferecendo outro tipo de utilização e colocando-o ao serviço das populações, por exemplo para lhe dar a utilização que estava na sua origem, uma vez que os Pavilhões foram edificados para servirem de apoio ao Hospital Termal, e não vejo por que razão não possam ser colocados ao serviço da prestação de cuidados de saúde, aumentando as valências que não existem na região”.

Henrique Fialho argumentou que a avançar a construção da unidade hoteleira “prevê-se o desaparecimento do Céu de Vidro e transformação da paisagem do Parque, descaraterizando-a”, pelo que “os caldenses deviam-se unir” contra esta ideia, para a qual o comunista receia que a população “ainda não esteja sensibilizada”.

Contudo, sustentou, “a concessão [ao grupo privado] existe, mas não quer dizer que não possa ser revertida”.

Por outro lado, “também achamos que está errado o Hospital Termal ter ficado sob a alçada do Município, que não tem qualquer tipo de competências na área da saúde para administrar”, afirmou, apontando que essa administração devia ser no âmbito do Serviço Nacional de Saúde.

O candidato às eleições legislativas manifestou igualmente que, em relação à realização de feiras no Parque D. Carlos I, como as da fruta, cerâmica e outras, “não é a vocação do Parque, que não está minimamente preparado para eventos de massas”.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Problemas da saúde transmitidos em audiência com secretária de estado  

A secretária de estado da saúde, Maria de Fátima Fonseca, transmitiu nesta sexta-feira ao presidente da Câmara Municipal das Caldas da Rainha, Vitor Marques, que estão a ser tomadas várias medidas para reforçar a capacidade de recrutamento de médicos, um dos principais problemas que afetam o setor da saúde na região e no país.

secretaria

Cinco ucranianos inauguram centro de residências artísticas

Um centro de residências artísticas situado na cidade de Alcobaça é dado a conhecer a partir desta sexta-feira, com a inauguração da exposição de um de cinco artistas ucranianos que se encontram alojados temporariamente no espaço, num projeto criado por uma equipa que inclui um elemento formado em artes plásticas na Escola Superior de Artes e Design das Caldas da Rainha.

central1

Marcha do Orgulho com mais de 300 participantes

Realizou-se nas Caldas da Rainha, no passado domingo, uma marcha em defesa da comunidade lésbica, gay, bissexual, transgénero e outras orientações de género, com mais de três centenas de manifestantes a rejeitarem serem discriminados e a reclamarem por condições que permitam assumir as suas escolhas perante a sociedade.

marcha1