Q

Previsão do tempo

11° C
  • Tuesday 13° C
  • Wednesday 13° C
  • Thursday 13° C
11° C
  • Tuesday 13° C
  • Wednesday 13° C
  • Thursday 13° C
11° C
  • Tuesday 13° C
  • Wednesday 13° C
  • Thursday 13° C

Tribunal suspende visitas a pai condenado por abusos sexuais

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
O Tribunal da Relação de Coimbra resolveu suspender as visitas de uma menina de nove anos ao pai, contrariando o despacho do Tribunal de Família e Menores de Caldas da Rainha, que havia autorizado encontros na presença de técnicos da Segurança Social com o progenitor, que foi condenado por oito crimes de abuso sexual da filha quando ela tinha três e quatro anos, numa decisão que ainda não se tornou efetiva por haver intenção de ser alvo de recurso para o Supremo Tribunal de Justiça.

O Tribunal da Relação de Coimbra resolveu suspender as visitas de uma menina de nove anos ao pai, contrariando o despacho do Tribunal de Família e Menores de Caldas da Rainha, que havia autorizado encontros na presença de técnicos da Segurança Social com o progenitor, que foi condenado por oito crimes de abuso sexual da filha quando ela tinha três e quatro anos, numa decisão que ainda não se tornou efetiva por haver intenção de ser alvo de recurso para o Supremo Tribunal de Justiça.

Desde que, em setembro de 2016, a Comissão de Proteção de Crianças e Jovens, alertada pela mãe sobre alegados abusos sexuais praticados pelo pai sobre a menor e por esta relatados, desencadeou o processo judicial, nunca mais ambos ficaram sozinhos no mesmo espaço, passando a haver sessões supervisionadas desde dezembro de 2016.

Tais contactos, presenciais, começaram por ocorrer semanalmente, passaram depois a quinzenais, estiveram suspensos entre a acusação e a primeira absolvição e durante a pandemia e foram retomados em 29 de dezembro de 2020.

Em abril deste ano, o Tribunal da Relação de Coimbra determinou a condenação do pai, depois de inicialmente ter sido absolvido, o que mereceu recurso, tendo sido ordenado que fosse o tribunal de primeira instância a determinar a pena a aplicar, mantendo-se até lá a menos gravosa medida de coação ao progenitor – termo de identidade e residência.

A mãe da criança pediu junto do Tribunal de Família e Menores que as visitas entre pai e filha, nascida a 1 de maio de 2012, fossem suspensas, alegando que os convívios, mesmo com supervisão técnica, se constituem como “absolutamente prejudiciais” para a menina.

Em julho foi indeferido o pedido, mantendo-se assim a continuidade do regime de visitas parentais. Foi considerado que, não tendo ainda o processo transitado em julgado, e por os contactos entre pai e filha decorrerem sem incidentes, as visitas, com acompanhamento e supervisão de técnicos da Segurança Social e que tinham uma duração máxima de uma hora, deveriam continuar.

“É certo que pode vir a ser condenado, mas o princípio da presunção da inocência impõe cautelas na alteração da realidade em vigor. Estão a processar-se contactos que, de acordo com a informação do Instituto da Segurança Social, decorrem de modo tranquilo e positivo. A menor não apresenta desconforto nos contactos com o pai e este tem comportamento adequado”, referiu o Tribunal de Família e Menores.

E acrescentou: “A abrupta interrupção de uma relação, que se vem estabelecendo nas instalações deste tribunal e de forma vigiada, tem necessariamente consequências mais nefastas, caso ocorra nova absolvição do requerido, do que a sua manutenção. Caso o progenitor venha a ser condenado, com trânsito em julgado, e dependendo das penas aplicadas, aí sim, com segurança, poderá a situação ser revista”.

Assim, sustentou o Tribunal de Família e Menores, “não nos parece prudente, depois de se ter conseguido uma reaproximação entre pai e filha, que se os afaste de novo, deitando a perder o trabalho de mediação da Segurança Social, para que, na eventualidade de ocorrer nova absolvição, se recomece tudo de novo”.

A magistrada do Ministério Público relatou que a menor “não se aproxima do pai nem fala com ele diretamente, mas responde-lhe por intermédio das técnicas”. Admitiu, contudo, que “à medida que vai crescendo e que vai percecionando a redução dos seus contactos com o pai, a menor vem verbalizando menos vontade em estar com ele”, tendo até referido “em setembro de 2019, por ocasião da perícia psicológica a que foi submetida, não ter quaisquer memórias positivas envolvendo-o, sentir “raiva” e “medo” do pai, e que queria que fosse para a prisão porque ele foi mau”.

Mas, posteriormente a tal perícia, “a menor já esteve com o pai por algumas vezes, sempre na presença de técnicos, sem demonstrar desagrado”, pelo que “a manutenção do regime de visitas afigura-se como a solução de compromisso e compatibilização entre princípios da presunção de inocência, por um lado, e do interesse da menor, por outro lado, sem que da mesma resulte prejuízo relevante para qualquer um deles e muito menos para a menor, que apenas tem de estar na mesma sala que o pai uma vez por semana, por período máximo de uma hora, e sempre na presença dos técnicos do Instituto da Segurança Social”.

Caso contrário, a menina tornar-se-ia “em mais uma órfã de pai vivo”, manifestou o Ministério Público.

Já o juiz relator da Relação de Coimbra apresentou uma visão oposta da situação, considerando que “o facto das visitas se efetuarem na presença de dois técnicos da Segurança Social não apaga a recordação da menor em relação ao que se passou”, tendo-se declarado provado um conjunto de atos de natureza sexual praticados pelo arguido sobre a filha, pelo que “não há razão para existir convívio entre ambos”.

“Tal factualidade mostra que o pai não é portador de um sentimento de amor filial pela sua filha, muito embora ele possa considerar que sim, porque a vê como um objeto sexual suscetível de satisfazer os seus desejos desta natureza. Assim, o interesse da menor aponta no sentido de não ter contatos com o pai porque a mencionada postura deste em relação à filha é o oposto daquela que deve existir”, argumentou.

“O acórdão do Tribunal da Relação de Coimbra ainda não transitou em julgado e a interposição do respetivo recurso tem efeito suspensivo. No entanto, este circunstancialismo não constitui obstáculo a que estes factos declarados provados no acórdão não sejam levados em consideração no presente processo. Com efeito, a decisão constante do acórdão tem existência, é um facto e só deixará de existir se porventura vier a ser revogada. Porém, neste momento, a decisão existe e deve ser tomada em consideração pelo tribunal”, defendeu o Tribunal da Relação de Coimbra.

“Se forem suspensos os encontros e os factos não se mantiverem, quem sai prejudicado é o pai da menor e esta última também, na medida em que não se relaciona com o seu pai, mas esta carência pode ser recuperada mais tarde ao longo da vida. Se não forem suspensos os encontros e os factos se mantiverem, quem sai prejudicada é a menor, eventualmente de um modo difícil de atenuar. Nesta situação de incerteza deve optar-se pela decisão que menos prejudica (presumivelmente) a menor, porque é a parte mais carecida de proteção”, considerou o Tribunal da Relação de Coimbra, decidindo, por isso, suspender as visitas entre pai e filha, já que “o convívio entre ambos não é salutar para a menor”.

“A suspensão durará enquanto não existirem factos que juridicamente imponham decisão diversa da agora tomada”, concluiu.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Mercado de Santana foi palco do início de campanha do CDS com o líder

A campanha para as eleições legislativas começou para o CDS no concelho das Caldas da Rainha, mais propriamente no Mercado de Santana, em Alvorninha, no passado domingo, com a presença do líder do partido, Francisco Rodrigues dos Santos, acompanhado dos cabeças de lista por Leiria e Santarém, António Galvão Lucas e Pedro Melo, respetivamente, para além de outras figuras, como o candidato em nº4 por Leiria, Paulo Pessoa de Carvalho, que nas últimas autárquicas liderou a coligação na qual constava o CDS, que concorreu à Câmara das Caldas.

cds

Homenagem a Luís “Bicau”

A Oeste Rescue, associação de nadadores salvadores, prestou na tarde do passado sábado homenagem ao Luís Alberto, conhecido por “Bicau”, de 44 anos, que há dias foi encontrado morto nas imediações da Lagoa de Óbidos.

bicau

Mais eucaliptos nas Caldas

Uma portaria publicada no Diário da República no dia 5 de janeiro aumenta o limite máximo da plantação de eucaliptos em diversos concelhos do país, incluindo Caldas da Rainha, que passa de 5702 para 6272 hectares.

eucaliptos