Q

Previsão do tempo

16° C
  • Sunday 23° C
  • Monday 19° C
  • Tuesday 24° C
16° C
  • Sunday 23° C
  • Monday 19° C
  • Tuesday 24° C
16° C
  • Sunday 25° C
  • Monday 20° C
  • Tuesday 26° C

Cerca de 400 crianças de Caldas e Óbidos foram vacinadas no fim de semana

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
“Foram vacinadas cerca de 400 crianças das Caldas da Rainha e Óbidos no passado fim de semana dedicado à vacinação pediátrica, na faixa etária dos 10 e 11 anos”, anunciou, Ana Pisco, diretora executiva do Agrupamento de Centros de Saúde (ACeS) Oeste Norte.
Animação na vacinação das crianças

“Foram vacinadas cerca de 400 crianças das Caldas da Rainha e Óbidos no passado fim de semana dedicado à vacinação pediátrica, na faixa etária dos 10 e 11 anos”, anunciou, Ana Pisco, diretora executiva do Agrupamento de Centros de Saúde (ACeS) Oeste Norte.

Estavam marcadas em auto agendamento para sábado e domingo cerca de 350 crianças, mas a abertura da modalidade “Casa Aberta” permitiu vacinar mais 100 crianças que se deslocaram ao centro de vacinação no Pavilhão da Mata para receberem a primeira dose da Pfizer pediátrica contra a covid-19.

“Reforçámos a equipa para tentar dar a máxima resposta nomeadamente no período da manhã de sábado que foi o mais intenso e conseguimos evitar grandes tempos de espera”, disse a responsável.

Neste fim de semana, não foram vacinados adultos por “uma questão de segurança porque a dosagem é diferente”. “Depois de as prepararmos nas várias seringas poderia haver alguma troca e podíamos estar a correr risco que não queríamos de todo”, apontou.

Ana Pisco estima que as segundas doses da vacina pediátrica da Pfizer sejam administradas daqui a sete semanas, entre 5 de fevereiro e o início de março do próximo ano.

A responsável disse que houve uma boa recetividade por parte dos pais das crianças. “Notei uma postura muito positiva dos pais com os filhos, que procuram tranquilizá-los e não põem em questão o que possa acontecer”, disse, considerando que a “ansiedade é muito transmitida pelas notícias que se vão desenvolvendo, sendo que não há história de nenhum caso que tenha sido malsucedido”.

No caso das crianças revela que “podem acontecer os fenómenos decorrentes de uma vacinação, de febre, dor no braço, alguma prostração que é sinal de que a vacina está a fazer efeito”.

Ana Pisco confessou que estavam “curiosos relativamente à recetividade”, mas convencidos que haveria uma boa afluência porque no ACeS Oeste Norte têm índices de vacinação que rondam os 97% a 98% na maioria as que fazem parte do Plano Nacional de Vacinação”.

Segundo a diretora do ACeS Oeste Norte a vacinação das crianças vai-se prolongar em princípio nos dias 5, 6 e 7 de janeiro. “A expetativa é que possam ser vacinados os 5000 mil desta faixa etária entre os 5 e os 11 anos”, refere.

Ana Pisco considera as vacinas contra a covid-19 seguras no grupo etário dos 5 aos 11 anos, e que irá diminuir a infeção nas crianças e as medidas de isolamento impostas nas escolas. “Acho que é um fator de normalização da vida dos mais novos. Só conseguimos diminuir os confinamentos prolongados e recorrentes das crianças se foram vacinadas contra a Covid19”, diz, Ana Pisco. Deu o exemplo da diminuição de casos nos “lares quando começaram a vacinar os idosos e agora tivemos este grande impacto nas escolas”, acreditando que “com a vacinação “vai haver uma diminuição de turmas a entrar em isolamento”.

No entanto avisa que tem que haver também outras medidas de proteção. “A vacina protege das complicações, não protege da infeção”, afirmou.

“A verdade é que, atualmente, nas Caldas, estamos na fase crescente de disseminação da pandemia e é preciso ter cuidado as medidas de segurança que muitas das vezes as pessoas não respeitam”, alertou, recomendando o uso de máscara, os testes e conviver com o mínimo de pessoas possível dentro da sua família nesta época festiva”.

A responsável disse que a Ómicron é uma variante que tem muito “mais contágio e que se dissemina muito mais rapidamente, mas que até agora também tem dado muito menos sintomas e são mais leves”.

Quanto à mudança para o novo centro de vacinação no pavilhão da associação Arneirense, no Bairro dos Arneiros, deixando o Pavilhão da Mata, a diretora do ACeS Oeste Norte disse que em princípio será no início de janeiro. “Seria bom que fosse antes do início de janeiro, nos dias em que não há vacinação, de 23 a 26 e depois na passagem de ano. Não depende de nós nem da Câmara, depende das instalações da rede de saúde”, informou.

Em Caldas o centro de vacinação teve animação para crianças proporcionada pela Câmara Municipal.

Daniel Costa foi uma das crianças que no passado sábado se deslocou ao Pavilhão da Mata para lhe ser administrada a vacina contra a Covid-19. Chegou um pouco ansioso, mas depois da vacina, que “não doeu”, estava mais aliviado. “Eu concordei, porque sei que é bom para mim. Assim posso diminuir os riscos”, afirmou.

Já a sua mãe, Andreia Gomes disse que há “sempre dúvidas, mas depois de fazer uma pesquisa, da confiança nas autoridades de saúde achou melhor vacinar o filho até porque eles transmitem a Covid19 aos mais velhos”.   

vacinas 2
Daniel Costa foi uma das crianças que no passado sábado se deslocou ao Pavilhão da Mata para lhe ser administrada a vacina contra a Covid-19
(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Equipa de “As Três da Manhã” na Praça da Fruta

Durante três dias, a Rádio Renascença percorreu o país fazendo emissões contra a solidão dos mais velhos. Ana Galvão, Inês Lopes Gonçalves e Joana Marques ajudaram a recolher donativos para os projetos da Cáritas direcionados à terceira idade.

tres

Registo prévio e pagamento de taxa de três euros para ir à Berlenga

A partir de 1 de junho para ir à Berlenga é necessário obter permissão de acesso à área terrestre da ilha, através de registo numa plataforma eletrónica, bem como pagar uma taxa de três euros, independente do custo da viagem, havendo algumas exceções.

berlenga

João Almeida com Covid-19 desiste do Giro d’Italia

A 18ª etapa do Giro d’Italia, nesta quinta-feira, fica marcada pela ausência do ciclista caldense João Almeida, que acusou positivo à Covid-19, sendo assim forçado a abandonar a prova, quando ocupava o quarto lugar, a 1 minuto e 54 segundos do líder e a 49 segundos do pódio.

almeida 3