Q

Previsão do tempo

13° C
  • Monday 13° C
  • Tuesday 13° C
  • Wednesday 13° C
12° C
  • Monday 12° C
  • Tuesday 13° C
  • Wednesday 13° C
12° C
  • Monday 12° C
  • Tuesday 13° C
  • Wednesday 14° C

Não vão faltar promessas para um futuro hospital

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Há um consenso total de Torres Vedras a Caldas da Rainha, passando por Peniche ou Bombarral, na necessidade premente na construção de um novo hospital no Oeste. Mas após o consenso na ideia do hospital, existe um total desconcerto sobre a sua localização. Cada capelinha, defende a sua rainha.

Há um consenso total de Torres Vedras a Caldas da Rainha, passando por Peniche ou Bombarral, na necessidade premente na construção de um novo hospital no Oeste. Mas após o consenso na ideia do hospital, existe um total desconcerto sobre a sua localização. Cada capelinha, defende a sua rainha.

Recentemente o presidente da Câmara do Bombarral veio defender a centralidade do município do Bombarral. Já Caldas, na recente audiência com a Ministra da Saúde por intermédio do seu presidente, aproveitou a visita para evidenciar/pressionar o ministério para a vantagens da localização no concelho.

Por sua vez, a Assembleia Municipal de Torres Vedras aprovou por unanimidade uma moção de repúdio à posição do presidente Vitor Marques por na audiência com ministra defender a localização em Caldas, fora do contexto de uma posição comum da Comunidade Intermunicipal.

No entretanto, está a ser elaborado um estudo, sabe-se lá sob que influências e lobbies, na Comunidade Intermunicipal, sobre a melhor localização para o hospital.

Como se vê, está instalada a confusão e a discórdia num território que necessita de amplos consensos, nomeadamente na área da saúde. Como facilmente se compreende, a decisão sobre a localização de um hospital terá sempre que ser uma decisão do poder central, longe dos interesses locais e na defesa do interesse público.

E quais os fatores que devem de ser tidos em consideração numa decisão? Centralidade da localização, acessibilidades, existência de hospitais novos em localizações próximas, dimensão geográfica da localidade e vivência e qualidade de vida que permita atrair profissionais de saúde.

A proximidade de hospitais exclui Torres Vedras, face à proximidade de Loures, centralidade, dimensão geográfica e qualidade de vida exclui Bombarral, sendo a escolha óbvia, face aos parâmetros nucleares, Caldas da Rainha. Escolha óbvia, caso não existam interesses nebulosos, e que terá de ser feita por Lisboa, sob pena de se criarem feridas fratricidas num oeste que se quer unido.

Mas haverá na cabeça do poder central verdadeiramente a ideia de um novo hospital para a próxima década? Durante o mês de janeiro decerto que não vão faltar compromissos e promessas para um futuro projeto de hospital. Mas um hospital exige mais do que palavras, exige um investimento na ordem dos 120 a 150 milhões de euros. Nada encontramos no Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) ou na planificação dos fundos comunitários para os próximos anos, o que é o mesmo que dizer que nada existe de concreto para além de um sonho de uma região em ter um novo hospital.

Enquanto isso, uma região e os seus cidadãos vão sofrendo com cada vez piores condições de saúde.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Faculdade de Medicina

Em 2009, durante a campanha das autárquicas, lancei a proposta de instalação de uma Faculdade de Medicina nos pavilhões do Parque D. Carlos I, em Caldas da Rainha. Para isso, seria oportuno firmar um protocolo com uma Universidade já existente (nomeadamente, Coimbra, Lisboa ou Porto) para que - sem excelsas burocracias, discussões político-partidárias insalubres, ou achaques insossos por parte da Ordem dos Médicos - fosse, no local indicado, instalada uma extensão daquele organismo.

Perigos ignorados em miradouro

O miradouro na Nau dos Corvos, no Cabo Carvoeiro, em Peniche, está encerrado mas as pessoas contornam os obstáculos e acedem na mesma ao local, ignorando o perigo de derrocada que motivou o fecho.

ora toma2