Q

Previsão do tempo

11° C
  • Tuesday 15° C
  • Wednesday 15° C
  • Thursday 14° C
11° C
  • Tuesday 15° C
  • Wednesday 15° C
  • Thursday 14° C
11° C
  • Tuesday 16° C
  • Wednesday 16° C
  • Thursday 14° C
Contos de Bárbara

No dia em que a terra tremeu

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Lisboa, 1 de novembro de 1755. A terra está a tremer. Ondas gigantes entraram pela cidade dentro e arrasaram prédios, casas, ruas, quintais e ceifaram vidas de velhos, novos e crianças. Tudo cheira a destruição.

Contos de Bárbara

Lisboa, 1 de novembro de 1755. A terra está a tremer. Ondas gigantes entraram pela cidade dentro e arrasaram prédios, casas, ruas, quintais e ceifaram vidas de velhos, novos e crianças. Tudo cheira a destruição.

Uma criança pequena e franzina chama pelos pais entre os escombros. Pessoas correm e gritam e fogem sem saber para onde. O fim do mundo chegou. Pelo menos o fim de Lisboa, tal como a conhecemos.

Uma mãe grita e desfalece a chamar pela filha perdida entre os escombros. Vai caminhando apoiada ao marido, que a ampara enquanto o seu chamamento é o eco da voz fraca da mulher.

Os corpos amontoam-se. Contam-se os vivos e tratam-se os feridos.

A menina assustada corre entre a multidão e encontra uma mão esquecida da mulher que, finalmente, encontrou a filha sem vida porque uma árvore lha levou.

Os pais da menina estão perto. Os olhos parados. O rosto sem cor.

A criança nunca tinha visto a morte. Sente medo e agarra a mão esquecida da mulher que está ao seu lado, de pé, e diz-lhe:

– Já não tenho pais!

Uma onda de calor acorda a mulher de olhar perdido, que lhe responde, baixinho:

– Acabo de perder uma filha e ganhar outra.

O marido compreende o gesto e as palavras.

Se do caos nasce a luz, dos escombros pode nascer uma flor de esperança.

Afastam-se os três. Já não é hora de chorar os mortos. É hora de cuidar da flor.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Obras de arte desaparecidas – Estátua Equestre de D. João IV

D. João IV (1604-1656), 8º duque de Bragança, 5º duque de Guimarães, 3º duque de Barcelos, filho de D. Teodósio II de Bragança (1568-1630) e da Sra. D. Ana Fernández de Velasco y Téllez-Girón (1585-1607), casado, no ano de 1633, com a Sra. D. Luísa Maria Francisca de Gusmão e Sandoval (1613-1666), da Casa espanhola de Medina-Sidónia, foi aclamado como o 22º Rei de Portugal e Algarves no dia 15 de dezembro de 1640.

Mensagem aos encarregados de educação

Ser encarregado de educação é cada vez mais exigente, dado que o próprio sistema educativo se tornou, também ele, complexo e rendido ao corporativismo. Já não basta ser um pai/mãe presente, onde simplesmente se marca presença nas reuniões com o diretor de turma, quando este convoca uma reunião. É preciso integrar-se nos meios que compõem o sistema educativo, pois só assim terá mais facilidade em resolver assuntos (in)diretamente relacionados com o seu educando.

Despolitizar

Foi na Grécia antiga, 508 a.C., que surgiu o primeiro sistema democrático, implementando um ambiente de maior igualdade perante a lei e um conjunto de reformas que resultaram na maior participação política.

olhar