Q

Previsão do tempo

18° C
  • Sunday 21° C
  • Monday 27° C
  • Tuesday 26° C
18° C
  • Sunday 21° C
  • Monday 28° C
  • Tuesday 26° C
18° C
  • Sunday 22° C
  • Monday 29° C
  • Tuesday 29° C
Escaparate

Conversas de café

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Todos os dias, no intervalo da manhã, entre a escrita de um artigo para um jornal ou um trecho do capítulo do novo livro, coloco os pés na rua e faço uma pausa consoladora. Geralmente dou uma caminhada de trinta minutos, mas também posso sentar-me numa esplanada, conversar com um amigo que acabo de encontrar, ler um pouco ou, simplesmente, auscultar o entorno, tentando perceber os achaques das personagens que povoam certas regiões da cidade onde estou no momento. Sim, sintam-se observados.

Escaparate

Todos os dias, no intervalo da manhã, entre a escrita de um artigo para um jornal ou um trecho do capítulo do novo livro, coloco os pés na rua e faço uma pausa consoladora. Geralmente dou uma caminhada de trinta minutos, mas também posso sentar-me numa esplanada, conversar com um amigo que acabo de encontrar, ler um pouco ou, simplesmente, auscultar o entorno, tentando perceber os achaques das personagens que povoam certas regiões da cidade onde estou no momento. Sim, sintam-se observados.

Há diferenças gritantes, no que toca ao assunto que cada tipo de pessoa, que frequenta aqueles recintos, aborda. Se estivermos em Londres podemos ouvir encómios à nova obra pictórica, escultórica, etc., adquirida pelo Museu Britânico, se o caso se der na capital da Áustria, inevitavelmente seremos abençoados com detalhes da recente estreia na Ópera Estatal de Viena, se for em Lisboa ou no Porto ouvimos os mais diversos assuntos, se as bocas que os proferem forem estrangeiras, porém, se forem portuguesas a pauta do momento será relacionada ao “futebolês”, especialmente o que impacta os “três grandes”, conquanto, pode dar-se o caso de captarmos um comentário ácido acerca da política do momento, ou sobre o mais recente “escândalo” do meio financeiro do país.

Na província (perdoem-me por usar este termo tão caraterístico do Estado Novo) os temas não são muito diferentes. O que se percebe, e de um modo maciço, é o culto à bola, contudo, e no caso específico de Caldas da Rainha, além da preocupação com o esférico, os assuntos em voga giram em torno de duas apostas: “Quando ocorrerá a queda do Governo?” e “será que este novo quadro camarário consegue resistir quatro anos?”.

Preocupa-me, de facto, que, entre mesas de um qualquer estabelecimento, exista (acerca da nova equipa que está a gerir a Câmara Municipal) esse tipo de incerteza. Por aquilo que pude inquirir, o mote para a desconfiança assenta no facto da nova estrutura possuir indivíduos das mais diversas bases ideológicas, bem como a presença de egos muito acentuados e pouco dispostos a “ouvir o outro”.

Pela parte que me toca, acredito que o mandato pode ser bom, se existir coragem para assumir um afastamento completo da política aplicada pelo executivo cessante (se não o fizerem, inevitavelmente, daqui a quatro anos o PSD regressará ao poder, e muito mais fortalecido), sendo necessário, também, uma aproximação à população, através de soluções reais para os problemas comuns (e não no “investimento” em festarolas e bimbalhadas).

As conversas de café apontam para diversas direções: vias públicas imundas; obras paradas; receio de que existam interesses particulares a sobreporem-se aos do concelho; facilitismos aos “amigalhaços” para chegarem aos apoios municipais; que propostas podem ser elaboradas para melhorar o território e concorrer para a qualidade de vida da população; quais os programas para a configuração económica da região; qual o projeto para benefício do comércio local, qual a proposição para a renovação e investimento na Zona Industrial; quais os apoios para o setor cultural (o que fazer com o CCC e com os museus municipais, por exemplo); qual o projeto para a recuperação do Hospital Termal; etc..

Evidentemente, o primeiro ano do mandato será de averiguação, para que se possa entender qual a dimensão e os impactos resultantes de gestões anteriores, porém, se, desde já, não existir mudança de comportamento nas políticas a seguir, inevitavelmente, o novo executivo terá um rosto comum, sendo facilmente identificado como “continuador”, o que será “uma pedra no sapato” do eleitor que exigiu mudança.

Para já devemos deixar que o tempo se encarregue de mostrar o que se vai passar. Com as cobranças normais que se devem fazer a todos os autarcas, baseadas no respeito e no decoro.

Levar um livro para uma esplanada ajuda na conversa de café. Torna-a mais qualitativa e, quem sabe, mais eficaz na elaboração de uma crítica construtiva, evitando que se procurem esqueletos dentro dos armários.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Caldas e a Cultura

A atual gestão camarária tem vindo a prestar contas aos caldenses sobre os investimentos culturais nas Caldas. Assim, foi justificado, e bem, o abandono do projeto World Press Cartoon, que envolvia verbas na ordem de mais de um milhão de euros/ evento/ano. A...

Arte musical do Ocidente

Refletindo um pouco acerca da música que enlevou algumas regiões do nosso planeta em tempos idos, vêm-me à memória diversos e inauditos temas, entre eles os do período medieval e renascentista, aquando do surgimento da monodia, no século VII.

Para que serve a Cultura?

Recentemente desfrutámos da excelente notícia da criação da Biblioteca António Lobo Antunes, na freguesia de Benfica, em Lisboa, a ser instalada no antigo edifício da Fábrica Simões (Simões & Cª Lda., 1907-1987). Depois da recuperação do imóvel, abandonado por mais de trinta anos, o seu destino só poderia ser o cultural, desejo antigo dos moradores de uma freguesia que conta com, aproximadamente, 37 mil pessoas, e possui, também, dois outros importantes espaços, o restaurado Palácio Baldaya (com uma excelente biblioteca) e o Auditório Carlos Paredes.