Q

Previsão do tempo

15° C
  • Wednesday 20° C
  • Thursday 26° C
  • Friday 28° C
15° C
  • Wednesday 20° C
  • Thursday 27° C
  • Friday 29° C
15° C
  • Wednesday 22° C
  • Thursday 29° C
  • Friday 32° C

Plano de requalificação na Rua Manuel Mafra esqueceu árvores

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Ultimamente a autarquia tem levado a cabo um plano de requalificação das ruas da cidade das Caldas da Rainha.
Árvores ficaram ausentes do plano de requalificação

Ultimamente a autarquia tem levado a cabo um plano de requalificação das ruas da cidade das Caldas da Rainha.

Assim, na Rua Manuel Mafra (União de Freguesias de Santo Onofre e Serra do Bouro), tem havido uma requalificação com criação de lugares de estacionamento, melhoria da calçada (!) e colocação de sinalização visual de travessia para peões. 

Todavia, a minha insatisfação, desagrado e deceção prende-se com a total ausência de árvores no topo das ruas, onde havia há 11 anos e que ficaram completamente ausentes deste plano de requalificação. 

Agora, em vez das árvores frondosas que davam sombra e sinalizavam o início da primavera com as habituais andorinhas e período de florescimento, deu-se lugar a “semi largos” de calçada homogénea, uniforme e estéril no topo das ruas convergentes (Rua Manuel Mafra com Rua José Fuller e na Rua Manuel Mafra com Rua 15 de Agosto).

Para além disso, verifica-se o mesmo atentado urbano, social e ambiental em outras ruas deste bairro. 

Veja-se, por exemplo, no cruzamento da Rua José Fuller com a Rua Augusto José Batista e no cruzamento da Rua Augusto José Batista com a Rua Costa Mota. No cruzamento de todas estas ruas surge a mesma configuração: largos estéreis que em nada apelam à qualidade de vida urbana.

Por isso, venho apelar ao bom senso de replantar as árvores que foram desaparecendo ao longo dos últimos anos.

Não será também por demais solicitar ainda a colocação de mobiliário urbano, como foi feito no Bairro dos Arneiros, no topo da Rua Visconde Vila Matos com a Rua Cardeal Alpedrinha. Esta sugestão ganha força com o argumento da população neste bairro estar muito envelhecida e que necessita de vida social e comunitária, pelo que uns bancos nestes topos de rua seriam de saudar. Pede-se, por isso, que seja revisto o aspeto destes largos uniformes.

Bem sabemos que agora é o momento temporal para repensar estas opções urbanísticas, que irão esculpir e marcar o território das gerações que crescem e vivem neste bairro nas próximas décadas. Penso que estamos todos de acordo nisso: queremos deixar o melhor exemplo e as melhores práticas possíveis de promoção da qualidade de vida das gerações vindouras.

Estamos todos conscientes dos transtornos e despesa que deve causar a manutenção (rega, desbaste, controlo fitossanitário, etc.) mas isso não se compara com os benefícios sociais e ambientais que são inerentes às árvores na cidade.

Proporcionam sombra e protegem da radiação ultravioleta; Contribuem para a humidade do ar e reduzem as emissões de carbono (a Rua Manuel Mafra é uma das principais artérias da cidade). Por cada aumento de 10% de copas de árvore existe uma diminuição de 7% de ozono; Regulam a temperatura do ar; Promovem a biodiversidade urbana; Contribuem para a valorização económica e para o aumento do valor da propriedade; Ajudam na diminuição/absorção do ruído; Reduzem a ação do vento (Rua Manuel Mafra tem uma extensão de cerca de 3,6 km em linha reta, e na cruzamento com a Rua José Fuller tem cerca de 2,6 km em linha reta, o que torna este cruzamento muito ventoso em períodos invernosos); Favorecem a infiltração de águas pluviais; Melhoram a estética da cidade com luminosidade e cor; Estimulam a vida comunitária e social, prevenindo a solidão, o stress e ansiedade.

Face ao exposto, resta apenas pergunta em jeito de conclusão: Imagina uma cidade sem árvores?! Eu não!

Célia Bento

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Novo recorde de maior onda surfada na Praia do Norte

Há um novo recorde mundial de maior onda já surfada na Praia do Norte, na Nazaré, que foi alcançado pelo alemão Sebastian Steudtner, que em 29 de outubro de 2020 atingiu os 26,21 metros, segundo foi anunciado nesta terça-feira pela World Surf League (WSL), organizadora dos Red Bull Big Wave Awards.

onda

Câmara frigorífica convertida em galeria de arte

O Cadaval vai ser palco do inédito evento “Arte no Frio”, iniciativa de Jaime Rodrigues com a colaboração do Município do Cadaval, que consiste num ciclo de exposições de artesanato inusitadamente montadas no interior de uma câmara frigorífica.

frigorifica