Q

Previsão do tempo

24° C
  • Friday 22° C
  • Saturday 22° C
  • Sunday 21° C
24° C
  • Friday 22° C
  • Saturday 22° C
  • Sunday 21° C
24° C
  • Friday 23° C
  • Saturday 23° C
  • Sunday 22° C

Acumulações de algas nas praias a norte do Baleal

11 de Setembro, 2021
As acumulações de algas verificadas neste verão nas praias a norte do Baleal, designadamente entre o Lagido e a Almagreira, no concelho de Peniche, são um “fenómeno cíclico e natural que não põe em causa a qualidade da água balnear e a saúde pública”, assegurou a Agência Portuguesa do Ambiente (APA).

As acumulações de algas verificadas neste verão nas praias a norte do Baleal, designadamente entre o Lagido e a Almagreira, no concelho de Peniche, são um “fenómeno cíclico e natural que não põe em causa a qualidade da água balnear e a saúde pública”, assegurou a Agência Portuguesa do Ambiente (APA).

“Estas ocorrências são acompanhadas e monitorizadas de perto pelas autoridades competentes”, garantiu, adiantando que “este fenómeno tem sido frequente ao longo da época balnear de 2021, registando-se ocorrências em vários pontos da costa portuguesa como resultado de condições meteorológicas e oceanográficas favoráveis ao desenvolvimento e movimentação das massas de algas”.

As macroalgas que se acumularam ao longo do troço costeiro entre a praia do Lagido e Almagreira são espécies que “tendem a multiplicar-se sobretudo em sistemas estuarinos e lagunares, sob condições ideais de temperatura, luz e disponibilidade de nutrientes, sendo posteriormente exportadas pelas barras de maré e acabando por ser depositadas na linha de costa de acordo com o sentido das correntes”.

De acordo com a APA, “são algas indígenas da costa portuguesa, não constituindo por si só um fator de degradação ambiental e desempenhando até um papel importante na deposição de matéria orgânica nas praias suportadas por sistemas dunares”.

Segundo o instituto público, sob tutela do Ministério do Ambiente e da Ação Climática, “apesar da acumulação de algas poder parecer excessiva em determinados locais”, as espécies em causa “tendem a secar rapidamente com a exposição ao sol e ao ar, não produzindo, normalmente, grandes massas de material em decomposição com maus cheiros associados”.

A APA relata que já em junho e julho do corrente ano tinham sido observadas ocorrências de algas semelhantes às verificadas em agosto, admitindo uma relação com a Lagoa de Óbidos, onde se observou proliferação de algas verdes nas últimas semanas. Estas algas terão sido exportadas para o mar através da barra, pela ação das marés (durante a vazante), sendo posteriormente transportadas para sul pela ação conjugada das ondas e correntes costeiras.

Contudo, a APA rejeita haver uma associação entre a ocorrência recente de acumulação de algas e o teste de dragagem na Lagoa de Óbidos realizado no dia 20 de agosto, vincando que “não foram detetados, por observação visual no local de repulsão, quaisquer vestígios de algas”.

Comentários
.

0 Comentários

Submit a Comment

Artigos Relacionados

Jovens entre 12 e 15 anos encaram vacinação como importante

O Centro de Vacinação das Caldas da Rainha acolheu no passado fim de semana os jovens da faixa etária entre os 12 e os 15 anos para a segunda dose da vacina contra a Covid-19. Os adolescentes e pais disseram estar mais tranquilos com o ciclo completo, numa altura de arranque das aulas.

vacinacao

Caldense foi finalista da Miss Portuguesa 2021

Realizou-se no dia 11 de setembro, no Casino Estoril, a Gala Miss Portuguesa 2021, onde concorria a caldense Érica Moreira, após ter sido eleita Miss Portuguesa Reino Unido, mas desta vez não conseguindo nenhum título.

miss