Q

Previsão do tempo

15° C
  • Friday 22° C
  • Saturday 23° C
  • Sunday 25° C
16° C
  • Friday 22° C
  • Saturday 24° C
  • Sunday 26° C
16° C
  • Friday 24° C
  • Saturday 26° C
  • Sunday 28° C

Acumulações de algas nas praias a norte do Baleal

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
As acumulações de algas verificadas neste verão nas praias a norte do Baleal, designadamente entre o Lagido e a Almagreira, no concelho de Peniche, são um “fenómeno cíclico e natural que não põe em causa a qualidade da água balnear e a saúde pública”, assegurou a Agência Portuguesa do Ambiente (APA).

As acumulações de algas verificadas neste verão nas praias a norte do Baleal, designadamente entre o Lagido e a Almagreira, no concelho de Peniche, são um “fenómeno cíclico e natural que não põe em causa a qualidade da água balnear e a saúde pública”, assegurou a Agência Portuguesa do Ambiente (APA).

“Estas ocorrências são acompanhadas e monitorizadas de perto pelas autoridades competentes”, garantiu, adiantando que “este fenómeno tem sido frequente ao longo da época balnear de 2021, registando-se ocorrências em vários pontos da costa portuguesa como resultado de condições meteorológicas e oceanográficas favoráveis ao desenvolvimento e movimentação das massas de algas”.

As macroalgas que se acumularam ao longo do troço costeiro entre a praia do Lagido e Almagreira são espécies que “tendem a multiplicar-se sobretudo em sistemas estuarinos e lagunares, sob condições ideais de temperatura, luz e disponibilidade de nutrientes, sendo posteriormente exportadas pelas barras de maré e acabando por ser depositadas na linha de costa de acordo com o sentido das correntes”.

De acordo com a APA, “são algas indígenas da costa portuguesa, não constituindo por si só um fator de degradação ambiental e desempenhando até um papel importante na deposição de matéria orgânica nas praias suportadas por sistemas dunares”.

Segundo o instituto público, sob tutela do Ministério do Ambiente e da Ação Climática, “apesar da acumulação de algas poder parecer excessiva em determinados locais”, as espécies em causa “tendem a secar rapidamente com a exposição ao sol e ao ar, não produzindo, normalmente, grandes massas de material em decomposição com maus cheiros associados”.

A APA relata que já em junho e julho do corrente ano tinham sido observadas ocorrências de algas semelhantes às verificadas em agosto, admitindo uma relação com a Lagoa de Óbidos, onde se observou proliferação de algas verdes nas últimas semanas. Estas algas terão sido exportadas para o mar através da barra, pela ação das marés (durante a vazante), sendo posteriormente transportadas para sul pela ação conjugada das ondas e correntes costeiras.

Contudo, a APA rejeita haver uma associação entre a ocorrência recente de acumulação de algas e o teste de dragagem na Lagoa de Óbidos realizado no dia 20 de agosto, vincando que “não foram detetados, por observação visual no local de repulsão, quaisquer vestígios de algas”.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Marcha do Orgulho com mais de 300 participantes

Realizou-se nas Caldas da Rainha, no passado domingo, uma marcha em defesa da comunidade lésbica, gay, bissexual, transgénero e outras orientações de género, com mais de três centenas de manifestantes a rejeitarem serem discriminados e a reclamarem por condições que permitam assumir as suas escolhas perante a sociedade.

marcha1

Arrancaram obras na linha férrea entre Caldas e Torres

A Infraestruturas de Portugal deu início nesta terça-feira à empreitada de modernização do troço da Linha do Oeste entre Torres Vedras e Caldas da Rainha, após a assinatura do auto de consignação ter tido lugar na estação ferroviária de Caldas da Rainha, com a presença do ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos.

ferrovia

Patos desapareceram em A-dos-Francos

A Junta de Freguesia de A-dos-Francos colocou cinco patos no Rio Arnóia na passada segunda-feira, com o objetivo de ter “um local mais aprazível e bonito, que permita disfrutar da presença destes animais”, mas foi surpreendida no dia seguinte porque três desapareceram.

patos