Q

Previsão do tempo

10° C
  • Tuesday 15° C
  • Wednesday 14° C
  • Thursday 14° C
11° C
  • Tuesday 15° C
  • Wednesday 14° C
  • Thursday 14° C
11° C
  • Tuesday 15° C
  • Wednesday 15° C
  • Thursday 14° C

Vítor Marques: “A falta de ambição do atual executivo resultou num claro retrocesso de Caldas no panorama da região”

Marlene Sousa

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Vítor Marques, presidente da União de Freguesias de Nossa Senhora do Pópulo, Coto e São Gregório, é o candidato à Câmara das Caldas nas próximas eleições autárquicas, encabeçando um movimento independente. Está convicto de que tem uma “visão inovadora para a gestão autárquica” e pensa que conseguiu “reunir um conjunto de pessoas sem ligações à vida política, mas com provas dadas na vida profissional, que me dão a confiança de ter um projeto sólido”. As áreas que consideramos prioritárias são “o desenvolvimento sustentado da economia, através do apoio a empresários e empreendedores dos setores com maior relevância, como seja o turismo, mas também o comércio, a indústria e o setor criativo, que vem ganhando importância na região”.
Vítor Marques diz que a consistente adesão da população, leva-nos a ter uma forte expectativa de que venceremos

JORNAL DAS CALDAS – Porque decidiu avançar com uma candidatura à Câmara das Caldas?

Vítor Marques: Quando nos entregamos a um projeto, como fiz, ao longo dos últimos 8 anos, numa Junta de Freguesia com a dimensão e a relevância de N.S. Pópulo, Coto e S. Gregório, não podemos deixar de analisar criticamente o modo como a gestão autárquica é feita. Quando digo criticamente, quero dizer, valorizando o que corre bem e aspirando a melhorar o que, do nosso ponto de vista, corre menos bem.

Foi isto que ocorreu. Estou convicto de que tenho uma visão inovadora para a gestão autárquica e penso que consegui reunir um conjunto de pessoas sem ligações à vida política, mas com provas dadas na vida profissional, que me dão a confiança de ter um projeto sólido.

A estes dois fatores (ambição e equipa) juntou-se um forte e espontâneo apoio por parte dos caldenses, pelo que considerei estarem reunidas as condições para avançar.

J.C. – O que acha que o executivo da Câmara (PSD) deixou por fazer nestes oito anos à frente do município das Caldas? Quais as propostas mais relevantes que pretende fazer nos próximos quatro?

V.M.: Sobretudo, penso que o atual executivo perdeu ímpeto renovador e reformador. Além da gestão corrente, não houve uma visão estratégica sólida para o desenvolvimento sustentável do concelho e da cidade. Esta falta de ambição resultou num claro retrocesso de Caldas no panorama da região. O pouco empenhamento que houve na promoção de um novo hospital, na manutenção de um tribunal de comarca e na resolução do problema da linha do Oeste foram os aspetos mais prejudiciais ao desenvolvimento local.

As áreas que consideramos prioritárias são a governança da autarquia, para melhor servir os munícipes, e o desenvolvimento sustentado da economia, através do apoio a empresários e empreendedores dos setores com maior relevância, como seja o turismo, mas também o comércio, a indústria e o setor criativo, que vem ganhando importância na região. No plano das infraestruturas, urge melhorar a ligação viária entre S. Catarina e a sede do concelho, concluir a via circular de Caldas, desenvolver um projeto exequível para a Lagoa de Óbidos e criar uma rede de ciclovias que facilite a acessibilidade nas áreas urbanas. Embora não seja uma atribuição dos órgãos autárquicos, diligenciaremos junto do poder central pela construção do novo hospital adequado às necessidades da região e para que a linha do Oeste constitua uma alternativa moderna, eficaz e sustentável ao transporte rodoviário.

J.C. – O que pretende fazer para fixar a população no concelho das Caldas e captar mais empresas e indústria? E para valorizar o Comércio Tradicional das Caldas?

V.M.: Não existe uma solução única para a fixação de população no concelho, mas tudo o que se fizer no plano do urbanismo, da mobilidade, da saúde, da qualidade do ensino, e do desenvolvimento da economia, resultarão em condições de atratividade para manter os jovens e alcançar novos residentes. A proximidade a Lisboa e o facto de Caldas não ter características suburbanas pode ser um fator de atração, mas, o acesso a Lisboa para trabalhadores pendulares terá de ser melhorado, nomeadamente através do serviço de comboio, que pode ser revitalizado se houver uma ação concertada dos concelhos servidos pela linha do Oeste.

A atração de mais indústria não pode dissociar-se da recuperação das valências do tribunal que se perderam nos últimos anos, da criação de um parque empresarial e do apoio aos empresários e empreendedores, para os quais foi estabelecemos o compromissa da criação de um Gabinete de Apoio.

O Comércio tradicional continua a ser um dos pilares do tecido empresarial da cidade e será prioritário, por exemplo através do apoio a um polo de ateliers de criadores locais, mas também pela criação de um projeto de marketing territorial de Caldas da Rainha.

J.C. – Estamos ainda a viver uma pandemia. Avizinha-se tempos muitos difíceis, com uma crise económica. O que pretende fazer na área social no Concelho para ajudar as pessoas e empresas?

V.M.: Daremos prioridade ao apoio social aos grupos mais vulneráveis, através da criação de um gabinete de apoio às IPSS, criando um programa de habitação condigna para famílias especialmente vulneráveis e um Centro Local de Apoio aos Migrantes, para a plena integração. No plano da educação, reforçaremos o apoio social aos alunos de todos os níveis de escolaridade. A população tem de sentir de forma clara que, embora a autarquia não possa resolver todos os problemas sociais, tem, ainda assim, um plano para atenuar situações de grave carência e exclusão. O apoio psicológico que, na Junta de Freguesia do Pópulo, já se vem disponibilizando à população, será alargado a todo o concelho, para reduzir o impacto negativo da pandemia na saúde mental.

J.C. – O que propõe para melhorar a saúde no concelho nos próximos anos? O que vai fazer em relação ao Hospital Termal e ao relançamento do termalismo nas Caldas?

V.M.: A melhoria da saúde no concelho deve assentar na complementaridade entre os setores público e privado, desde logo tirando partido das condições do Montepio Rainha D. Leonor que acompanharemos em proximidade, e na requalificação dos centros de saúde e fixação de médicos de família, transversalmente a todo o concelho. Também as obras de requalificação do atual hospital de Caldas da Rainha são absolutamente prioritárias, sem prejuízo de se desenvolverem esforços imediatos junto do poder central para que se inicie a construção de um novo hospital no concelho, que representa uma das principais preocupações e exigências da população.

O Hospital Termal e o relançamento do termalismo são um assunto complexo que tem resistido às soluções implementadas. Problemas complexos raramente se resolvem com uma única solução. Do ponto de vista infraestrutural, é necessário criar as condições para os tratamentos musculosqueléticos e lançar a construção de um novo balneário que integre cuidados de saúde e tratamentos de bem-estar. Do ponto de vista funcional, pugnaremos para que o SNS coparticipe no custo dos tratamentos termais e sensibilizaremos a população da região para o valor curativo e preventivo das nossas águas termais.

Para impulsionar o termalismo, potenciando o seu valor no desenvolvimento social e económico da região, terá de haver uma estratégia transversal a diversas áreas, incluindo o planeamento das áreas adjacentes aos balneários, o apoio a atividades culturais e recreativas, e o envolvimento dos agentes económicos locais para que disponibilizem produtos compatíveis com o termalismo, como seja a disponibilização de ementas vocacionadas por parte da restauração local.

J.C. – Nunca houve tantos candidatos à Câmara das Caldas. Quais as expetativas em relação ao seu resultado. O que é para si um resultado razoável ou o ideal?

V.M. – O surgimento de novas candidaturas é prova de vitalidade do exercício de cidadania, seja pela criação de novos partidos, seja pelo aparecimento de grupos de cidadãos independentes que procuram alterar a forma e o conteúdo da ação política, mas é também prova de que os eleitores consideram insuficientes os resultados de quem antes se apresentou a votos. Quando há descontentamento nas sociedades democráticas é inevitável que surjam novas vias e novas propostas.

Penso que é claro para todos os eleitores que o Vamos Mudar é a força política que mais está a marcar o calendário da pré-campanha. A rápida e consistente adesão da população, leva-nos a ter uma forte expectativa de que venceremos nos órgãos a que nos candidatamos.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Associação comercial reduz pegada ecológica

A ACCCRO – Associação Empresarial das Caldas da Rainha e Oeste vai realizar no dia 3 de dezembro uma ação de sensibilização e de distribuição de árvores, para que estas sejam plantadas em locais a selecionar pelas juntas de freguesia.

dsc 0488

Almoço pedagógico

O polo de Peniche da Escola Profissional Alda Brandão de Vasconcelos realizou um almoço pedagógico no Restaurante BrisaMar, no Hotel PinhalMar Peniche, confecionado e servido pelos alunos do Curso Profissional Técnico de Cozinha/Pastelaria.

solidario

Professor caldense concorre às eleições legislativas

Carlos Ubaldo, de 57 anos, professor na Escola Secundária Rafael Bordalo Pinheiro, em Caldas da Rainha, é o nº 3 na lista do Bloco de Esquerda no distrito de Leiria nas próximas eleições legislativas, depois de ter sido o candidato à Câmara Municipal das Caldas da Rainha nas últimas eleições autárquicas.