Q

Previsão do tempo

23° C
  • Thursday 23° C
  • Friday 26° C
  • Saturday 27° C
23° C
  • Thursday 23° C
  • Friday 26° C
  • Saturday 28° C
23° C
  • Thursday 23° C
  • Friday 29° C
  • Saturday 30° C

Caldas nice Jazz volta ao CCC

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
O grande auditório do Centro Cultural e de Congressos das Caldas da Rainha (CCC) volta a receber o JAZZ de 29 de outubro a 06 de novembro.
Carlos Mota, diretor Artístico do Festival Caldas nice Jazz

Fundado em 2012, o Caldas nice Jazz é, segundo Carlos Mota, diretor Artístico do Festival, provavelmente um dos “festivais contemporâneos que contribuiu para influenciar a nova vaga de festivais do género em Portugal”.

Na verdade, não se comparam aos de grande referência nacional como são os casos do Cascais Jazz, Guimarães Jazz e do Jazz em Agosto, na Fundação Gulbenkian ou mesmo a Festa do Jazz em Lisboa, entre outros.

O objetivo foi, desde o início, apresentar músicos/projetos para conhecedores, mas também para novos públicos, que não estavam familiarizados com estas sonoridades. Na realidade, do Jazz “aprende-se a gostar ouvindo e descobrindo sonoridades extraordinárias e temas verdadeiramente revolucionários”, disse, Carlos Mota.

Segundo este responsável, o Caldas nice Jazz não é uma opção comercial nem popular. É “um projeto que consagra a diversidade cultural, técnica e instrumental, proporcionando uma verdadeira oferta singular no panorama regional, a par de muito poucos que já fazem parte do panorama do “jazz” nacional”.

Este festival tem de acordo com o diretor artístico, procurado desde o início, proporcionar uma ideia de “globalização”, ou seja, possibilitar que uma comunidade como Caldas da Rainha (e região Oeste) pudesse usufruir, mesmo contra as lógicas pseudo-culturais “regionalistas/populistas”, de uma diversidade extraordinária de sonoridades. “Este é um processo em construção, que faz história e que não está vinculado a nada que não seja à comunidade e a uma nova geração de músicos fantásticos”, adiantou.

Já vai para uma década a “impressão” de uma referência de abertura nas opções musicais que o CCC apresentou (o histórico está registado em edições discográficas que são um marco importante para a cultura local), apesar de “sermos ainda mal interpretados pelas opções que propomos”.

“Alguns não acreditaram neste caminho, dizendo que não éramos capazes de impor a marca “Caldas nice Jazz” e proporcionar uma abertura ímpar na fruição cultural da região”, referiu.

Recordou Jorge Lima Barreto que no seu livro “Revolução do Jazz” dizia a propósito…“A nota musical, no Jazz, é mais que um signo servindo um conceito, ela é evocativa dum complexo indefinido de imagens. O seu antiformalismo retém a energia imperativa do ato, exprime um pensamento mais próximo da realidade concreta.”

Carlos Mota não quer que compararem o Festival Internacional Caldas nice Jazz a qualquer outro. “Nenhum é melhor ou pior, possuem realmente características diferenciadoras que merecem, de públicos cada vez mais conhecedores e cosmopolitas, a atenção porque os seguem nacional e internacionalmente”, afirmou.

Disse que também proporcionam a “transversalidade da fruição deste género musical levando-o a diversos espaços pela cidade, desde museus, escolas, cafés, terminais rodoviários, nunca esquecendo que o Jazz estabelece o princípio de uma linguagem partilhada com muitas outras formas artísticas e sonoras”. Importante, também, é segundo o responsável “a formação e conhecimento, que propomos todos os anos de forma a construir uma comunidade conhecedora e cada vez mais interessada, nunca nos afastando das práticas artísticas e partindo da noção da integralidade daquilo a que podemos estabelecer entre cultura, cidadania e desenvolvimento”.

Noção que se afirma no programa JazzOut e no projeto “Filarmónicas também tocam Jazz”, bem como no ciclo de conferências alusivas, porque acredita que a “escola do 2Jazz está na comunicação direta e na convivência gerada com essa partilha”.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Exposição Álefe em Ferrel

Na galeria da Associação Cultural Rabeca, no Largo Dr. Manuel Pedrosa, em Ferrel, no concelho de Peniche, vai ser inaugurada a exposição Álefe, com pinturas e aguarelas de António Teodoro.

alefe

Freguesias levam cultura ao Folio

No âmbito do Folio - Festival Literário Internacional de Óbidos as sete freguesias do concelho de Óbidos fazem-se representar com iniciativas, como lançamento de livros, música, poesia, tertúlias, exposições, instalações, teatro, entre outras. Eventos inseridos no "Dia da Freguesia" - Folio Educa.

folio