Q

Previsão do tempo

18° C
  • Thursday 20° C
  • Friday 21° C
  • Saturday 19° C
18° C
  • Thursday 20° C
  • Friday 22° C
  • Saturday 19° C
19° C
  • Thursday 22° C
  • Friday 23° C
  • Saturday 20° C

A CPLP

Francisco Martins da Silva

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Comunidade dos Países de Língua Portuguesa. O Reino Unido, após a aventura colonial, também criou, em 1931, uma espécie de CPLP com os países que fizeram parte do antigo império britânico, mais Moçambique e Ruanda, mas em vez de lhe dar a designação redundante de “Comunidade dos Países de Língua Inglesa”, chamou-lhe Commonwealth — qualquer coisa como a aglutinação de “riqueza comum”.
Francisco Martins da Silva

Os nomes, nestes casos, enunciam as intenções. Uma comunidade de países que tem como ponto de partida a ideia de riqueza comum, une os membros na optimização de sinergias e na consecução realista de objectivos concretos que beneficiem todos. Já uma comunidade centrada na circunstância dos seus países terem a mesma língua oficial, com a excepção a todos os títulos aberrante da Guiné Equatorial, que objectivos pode ter, além do tragicómico Acordo Ortográfico e de organizar rotativamente uns beberetes?

O problema da CPLP está na segunda metade da sigla, LP, que faz ecoar no subconsciente algo como comunidade-dos-países-que-falam-a-língua-do-ex-colonizador. CPLP é um mau enunciado. Arranje-se outra designação.

A CPLP nasceu em Lisboa a 17 de Julho de 1996, sob a égide do Presidente Jorge Sampaio e do primeiro-ministro António Guterres. Desde então, mudaram-se tempos e presidências, mas as vontades têm-se sempre diluído em declarações políticas vazias, até à presidência de Cabo Verde, em 2019. Apesar dos engulhos que a sigla pode provocar, ao cabo de 25 anos, o Presidente cabo-verdiano Jorge Fonseca conseguiu finalmente algo importante, o Acordo de Mobilidade, assinado na última cimeira da CPLP em Luanda, em Julho (na passagem da presidência de Cabo Verde para Angola), que visa a abolição de vistos e a facilidade de circulação na Comunidade.

É certo que a concretização deste acordo depende da aprovação e regulamentação na ordem jurídica de cada país. Mas a actual presidência angolana parece apostada em dar continuidade ao meritório esforço de Jorge Fonseca, para se atingir a plena cidadania lusófona, acentuar a dimensão económica e imprimir, pelo menos, o pragmatismo das congéneres Commonwealth e Francofonia, que dão grande importância a questões práticas como segurança, educação, investigação científica e atribuição de bolsas.

Sonhando alto, a seguir a este Acordo de Mobilidade, que se traduzirá num passaporte lusófono, futuras presidências da CPLP poderão criar o Parlamento Lusófono, que concertará estratégias nacionais de desenvolvimento sustentável num quadro de parceria lusófona, para, por exemplo, fomentar o ensino básico universal e a igualdade de género; criar um Banco Lusófono de Desenvolvimento que financiará empresas no espaço da CPLP (as linhas de crédito existentes de Portugal e Brasil só têm servido os interesses dos empresários destes países e raras vezes geram valor acrescentado às economias dos outros membros da Comunidade); criar uma companhia aérea e outra de marinha mercante lusófonas; criar uma força de segurança que previna situações como a de Cabo Delgado; criar um Comité do Desporto Lusófono que organizará os Jogos da Lusofonia, et cetera. “Na Lusofonia não somos periferia”, pode ser o lema desta revigorada Comunidade Lusófona (CL — designação menos melindrosa que CPLP).

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Innovation Makers finalista dos Prémios Heróis Pme

A Yunit Consulting, consultora portuguesa que tem como missão “fazer grandes as PME”, divulgou as empresas finalistas da 6ª edição dos Prémios Heróis PME, eleitas por votação do público.

Janela Digital distinguida

Pelo segundo ano consecutivo, a empresa Janela Digital, sediada no Parque Tecnológico de Óbidos e dedicada a soluções tecnológicas para o mercado imobiliário, foi distinguida na categoria de comunicação com o Estatuto Inovadora COTEC 2024.

Evento solidário com o Brasil

O evento solidário Arraiá Brasil, em prol das vítimas de inundações de Rio Grande do Sul, vai ter lugar no dia 6 de julho, às 18h00, na associação Areco, no Coto.

arraial