Q

Previsão do tempo

22° C
  • Friday 28° C
  • Saturday 26° C
  • Sunday 22° C
25° C
  • Friday 29° C
  • Saturday 27° C
  • Sunday 23° C
23° C
  • Friday 32° C
  • Saturday 29° C
  • Sunday 24° C
Paulo Pessoa de Carvalho

“O concelho precisa de uma mudança e de um estímulo novo”

Marlene Sousa

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Continua o programa “Especial Autárquicas 2021” da Rádio Mais Oeste e JORNAL DAS CALDAS. Paulo Pessoa de Carvalho, candidato à Câmara Municipal das Caldas da Rainha pela Coligação “Caldas Mais Rainha”, foi o entrevistado no passado dia 22. A coligação é liderada pelo CDS-PP e congrega o Partido da Terra (MPT), o Partido Popular Monárquico (PPM) e o Nós, Cidadãos (NC), que segundo Paulo Pessoa de Carvalho, “poderão oferecer às Caldas da Rainha um caminho de futuro”.
O empresário acha que “Caldas não se projeta para fora”

JORNAL DAS CALDAS: Porquê esta coligação na sua candidatura?

Paulo Pessoa de Carvalho: Refleti muito sobre a forma como me deveria candidatar à Câmara das Caldas. Pensei fazê-lo sempre com o apoio do CDS-PP, que é o meu partido e aquele que defende os valores que eu mais acredito e transmito aos meus filhos e netos. Com o MPT as questões ambientais estão muito presentes como também estão no PPM. São partidos que têm uma abertura a um tipo de pessoas que não querem estar agarradas a uma ideologia política, mas têm ideias válidas. O objetivo foi claramente alargar o espectro, procurando pessoas capazes de ter um sentido crítico e apresentar soluções em prol do concelho.

J.C. – Disse na apresentação da sua candidatura que quer um patamar de excelência para as Caldas do qual nunca devíamos ter saído. Quando é que tivemos esse patamar e quando é que o perdemos?

P.P.C: Tivemos esse patamar antes e no pós 25 de Abril até a década de 80. Daí para a frente Caldas da Rainha começou a perder a sua excelência. Houve uma altura que disputávamos com Leiria, que nos ultrapassou. Depois começámos a disputar com Torres Vedras, que também agora é mais importante que Caldas.

Fomos de facto uma referência em termos nacionais. Era o local onde as pessoas vinham fazer férias e onde vinham às compras porque tínhamos marcas de referência. Caldas tinha um comércio com poder e riqueza e vinham imensas pessoas de Lisboa fazer as suas compras.

Nós também tivemos uma indústria riquíssima onde a cerâmica se afirmou com a Secla e Rafael Bordalo Pinheiro. Sei que o mercado mudou, nomeadamente devido ao mercado asiático, mas de facto houve uma despreocupação com aquilo que é o motor de uma cidade.

J,C.- Continuamos no meio de uma pandemia. Ninguém esperava e deitou abaixo a economia. Tem algum plano para a inversão e para cativar mais pessoas às Caldas da Rainha?

P.P.C: A Covid-19 não travou a nossa estratégia para o concelho e é isso que pretendemos seguir. Em primeiro lugar as Caldas tem que ser comunicada para dentro e para fora. Caldas não se vende e projeta para fora. Com base numa comunicação diferente podemos chamar mais empresas para investir e criar um atrativo turístico que seja diferenciador. Comunicar muito bem para dentro e para fora é o nosso principal objetivo. Temos que criar impactos positivos com tudo o que fazemos.

Temos a Foz do Arelho que é única, uma vida rural em nosso torno fantástica e freguesias que oferecem qualidade de vida. Existe a Praça da Fruta que podia ser mais atrativa e convidativa.

Vamos ter também muitas novidades no setor agrícola.

J.C. – Uma forte machadada foi a anulação de muitos eventos nas Caldas da Rainha devido à pandemia…

P.P.C.: É verdade. Estávamos já com alguma dinâmica de eventos quando aconteceu a interrupção do mês de março.

No entanto se eu tivesse na Câmara havia mais dinâmica, eventos, atividades, investidores e negócios.

J.C. – Vai organizar nas Caldas um evento em agosto?

P.P.C.: Eu estive muitos anos ligado a eventos e continuo. Trabalhei com a Câmara das Caldas, fez-se o Verão da Foz. Estudo a vida dos diferentes concelhos do país e vejo o que posso fazer e proponho eventos. Naturalmente com a Covid-19 muitas coisas foram canceladas e deixámos de fazer espectáculos, entre outras iniciativas.

Agora acho que já estão reunidas as condições para voltar e vou levar a cabo a 20 de agosto um concerto na Expoeste com o cantor José Cid. Não é uma iniciativa de campanha política, mas acho que as atividades têm que retomar a favor da cultura e economia, adaptando-se às novas realidades. Estou em conversa com a Direção Geral de Saúde para perceber o processo e as regras para que o espetáculo decorra com segurança. É um desafio e uma prova que a vida tem que continuar. Os tempos mudaram e temos que viver de forma diferente e responsável.

J.C. – O Paulo Pessoa de Carvalho é empresário e é oriundo de uma família de empresários que deixaram história em Caldas da Rainha com a Secla. Como é que se pode ajudar a revitalizar o comércio tradicional das Caldas?

P.P.C.: Os tempos mudaram e há muitas compras online e as pessoas gostam de ir passear para os centros comerciais. Acho que a autarquia tem que criar condições atrativas. Vender uma imagem global da cidade não é o comerciante que o faz. Tem que haver uma comunicação certa para o exterior que passe a mensagem de Caldas como uma cidade de qualidade e isso não está a acontecer. Primeiro criava mais atração na cidade para captar mais visitantes e isso dinamizava mais o comércio.

Não posso deixar de falar da Secla e do meu avô porque é uma espinha brutal. Se um dia ganhar o Euromilhões uma coisa que fazia era criar novamente a Secla, que marcou esta cidade.

J.C. – O que defende para as Caldas: a requalificação do Hospital das Caldas ou um novo Hospital do Oeste, mesmo que saia do concelho?

P.P.C.: Não podemos olhar só para o nosso umbigo, não somos os donos do Oeste. Defendo a parceria com concelhos vizinhos em diversas áreas em prol da região. Acho fundamental lutar pelo novo Hospital do Oeste e claro que fique nas Caldas ou junto a um concelho que faça fronteira com o nosso. Hoje se uma pessoa parte um braço vai à unidade das Caldas e é transferido para Torres Vedras. Temos que lutar com todas as nossas forças para que seja possível nascer o novo Hospital do Oeste.

A linha do Oeste é outra luta. Apesar de já haver avanços, há pequenos pormenores que têm de ser melhorados.

J.C. – Sempre vai concorrer a todas as freguesias do concelho das Caldas? Quem são os candidatos à Câmara?

P.P.C.: Na apresentação da minha candidatura apresentei a cabeça de lista à Assembleia Municipal, a caldense e deputada municipal do CDS-PP, Sofia Cardoso. Apresentei ainda o candidato à União de Freguesias de Nossa Senhora do Pópulo, Coto e São Gregório, Rui Vieira, e o candidato a presidente da União de Freguesias de Santo Onofre e Serra do Bouro, Carlos Elias.

Reconheço-me como um guerreiro que vai à luta. Mas lamento dizer que não vou concorrer a todas as freguesias. Falei com dezenas de pessoas e de facto gente competente, mas que tem um receio enorme do poder instalado. A força do PSD aqui é brutal e as pessoas têm medo de ir contra este partido porque trabalham na coletividade ou porque pertencem ao clube ou àquela escola. O que aconteceu foi uma preparação em todas as freguesias onde ficou uma semente, com representantes nas assembleias. Nós vamos concorrer à presidência de sete juntas de freguesia. Além das que já referi vamos candidatar-nos à União de Freguesias de Tornada e Salir do Porto, Foz do Arelho, Santa Catarina, Salir de Matos e A-dos-Francos.

A equipa à Câmara Municipal, para além de mim, é composta por Ágata Ferreira (médica), Luís Branco (economista), Clara Roque (solicitadora), Francisco Toscano (empresário), Filipa Martino (empresária), Pedro Félix (engenheiro civil), Susete Santos (empresária) e Manuel Isaac (ex-autarca e ligado ao setor agrícola).

É uma equipa com uma experiência de vida que pode fazer a diferença pelas Caldas.

J.C. – Na apresentação da sua candidatura o presidente do CDS-PP, Francisco Rodrigues dos Santos, falou dos políticos presos e que a corrupção continua a ser um dos principais problemas em Portugal. Defende que haja uma verdadeira mobilização da classe política contra a corrupção?

P.P.C.: De facto alguns mereciam estar presos e não estão. Acontece de uma forma descarada e inadmissível e é preciso travar estes comportamentos execráveis das pessoas que têm cargos públicos de grande responsabilidade. Há uma grande falta de respeito e acho que ninguém espera políticos fantásticos, mas sim honestos.

J.C. – Qual a mensagem que quer deixar aos caldenses que vão votar a 26 de setembro?

P.P.C: Estejam atentos ao nosso programa em concreto que vai ser divulgado brevemente. Acreditem que eu estou nisto de coração e cheio de vontade de dar o melhor pela minha cidade. Queremos uma cidade mais “rainha” e voltar a ter a excelência que já teve. O concelho precisa de uma mudança e de um estímulo novo.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

João Almeida com Covid-19 desiste do Giro d’Italia

A 18ª etapa do Giro d’Italia, nesta quinta-feira, fica marcada pela ausência do ciclista caldense João Almeida, que acusou positivo à Covid-19, sendo assim forçado a abandonar a prova, quando ocupava o quarto lugar, a 1 minuto e 54 segundos do líder e a 49 segundos do pódio.

almeida 3

Aluna caldense “Embaixadora UC à Frente” 

A caldense Beatriz Lopes, estudante do Mestrado Integrado em Ciências Farmacêuticas na Universidade de Coimbra, recebeu o prémio “UC à Frente”, atribuído pela Reitoria da Universidade de Coimbra (UC).

premio 1

Vigília com “abraço” ao hospital das Caldas da Rainha

Uma vigília que terminou com um cordão humano em frente à urgência do hospital das Caldas da Rainha foi a forma encontrada pela população para exigir medidas do Governo para melhorar as condições em que trabalham os profissionais de saúde. O alerta foi feito na noite da passada sexta-feira.

vigilia2