Q

Previsão do tempo

14° C
  • Sunday 13° C
  • Monday 13° C
  • Tuesday 13° C
14° C
  • Sunday 13° C
  • Monday 13° C
  • Tuesday 13° C
14° C
  • Sunday 13° C
  • Monday 14° C
  • Tuesday 13° C
Lista B de Francisco Rita vence eleições do Montepio Rainha D. Leonor

“Agora é preciso tranquilizar o ambiente, tanto a nível interno, como externo”

Marlene Sousa

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
O Montepio Rainha D. Leonor tem uma nova direção, liderada pelo médico Francisco Rita. Ganhou com 58%, 140 votos a mais do que o advogado Marques Pereira, da lista A. Francisco Rita diz que agora “é preciso tranquilizar o ambiente, tanto a nível interno, como externo”. “Os sócios que apoiaram a posição da lista A anteveem que seja uma mudança radical, mas não há nada a temer”, assegurou.
O Montepio Rainha D. Leonor tem nova direção

A lista B, de Francisco Rita, foi a vencedora das eleições para os órgãos sociais do Montepio Rainha D. Leonor, nas Caldas da Rainha, realizadas na passada sexta-feira na Expoeste.

Apresentaram-se a escrutínio duas listas. O advogado Marques Pereira, da lista A, e o médico Francisco Rita, da lista B, encabeçaram os projetos concorrentes, apresentando diferentes visões, numa discussão que ao longo de vários meses foi polémica.

Os vencedores recolheram 501 votos e os derrotados 361 votos. Registaram-se 3 votos nulos e 8 brancos, num total de 873 associados votantes.

As eleições da associação mutualista fundada em 1860 deram muito que falar. Há décadas que não havia duas listas a concorrer e estas eleições foram as mais concorridas de sempre na instituição.

Pela lista vencedora foram eleitos João Nogueira como presidente da mesa da assembleia geral e Sabrina Ribeiro como presidente do conselho fiscal.

Os resultados da votação saíram já passava da meia-noite. Quando o presidente da mesa da assembleia geral, Carlos Aurélio Santos, anunciou a lista vencedora, ouviram-se aplausos e houve várias pessoas que se levantaram para dar um abraço e os parabéns a Francisco Rita.

O novo responsável pelo Montepio disse à imprensa que era desejo da sua candidatura ter uma margem significativa. “Felizmente conseguimos, é sinal que as pessoas confiam em nós e agora temos que responder da mesma forma”, comentou.

No entanto, salientou que o facto de terem uma margem tão significativa também “coloca mais pressão e exigência, o que é um ónus bom”, acrescentou.

O que também deixou Francisco Rita satisfeito foi a afluência às urnas. “Em toda a série de assembleias do Montepio nunca houve uma votação tão elevada, também duas listas a concorrer nos últimos 30 anos não houve”, recordou, afirmando que “é muito difícil entrar uma lista nova numa instituição deste género devido aos próprios estatutos”.

“Colocar os sócios e a cidade a falar, pensar e a defender a instituição é a nossa maior vitória”, afirmou, referindo que normalmente votavam cerca de 50 a 60 pessoas e nestas eleições houve a participação de perto de 75% dos sócios.

O novo presidente da direção disse que tem agora duas prioridades bem definidas. “Conhecer os pormenores à casa” é uma delas.

Espera que daqui a três meses tenha os elementos todos reunidos para realizar a assembleia geral onde vai ser discutido o futuro do Montepio Rainha D. Leonor com os sócios, tal como prometido na campanha eleitoral. “Vai ser um trabalho complexo, mas vamos meter mãos à obra e inteirar-nos para saber a situação efetiva da instituição e esperamos no início de setembro reunir com os associados para poder informar”, contou.

Francisco Rita salientou que “estamos no escuro”, uma vez que a última informação financeira que têm “é de 2019”. “Naturalmente estamos preocupados e é a prioridade número um que temos que reunir com os auditores para saber qual a situação financeira do Montepio”, indicou.

“O que pretendemos fazer é apresentar aos sócios do Montepio duas propostas, para que os associados possam ter uma opção de escolha. Não é a administração que vai decidir passar a área clínica para um parceiro. Nós não aceitamos isso, os sócios é que são os donos da instituição”, salientou.

Garantiu que em setembro apresentarão aos sócios um caderno de encargos “para que que seja discutido o desenvolvimento da nova unidade” e ao mesmo tempo apresentarão também para decisão “possíveis acordos com outras entidades como a CUF ou outro grupo de prestígio”.

O médico referiu ainda que nunca soube trabalhar sem ser em “clínicas de primeira” e quando não as tinha “fazia-as”. “Foi o que aconteceu no Montepio quando criei a Cedima, Caldas da Rainha começou a ter ecografia, TAC e ressonância”, contou.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Médicos de família em Santa Catarina e A-dos-Francos

A Junta de Freguesia de Santa Catarina, nas Caldas da Rainha, informou que o Centro de Saúde daquela localidade (pólo da Unidade de Cuidados de Saúde Personalizados (UCSP) das Caldas da Rainha) vai voltar a ter médico de família. “A confirmação feita pela diretora...

medico 2

Reabilitação urbana em A-dos-Francos

Uma sessão de esclarecimento sobre o levantamento das áreas de reabilitação urbana em A-dos-Francos, nas Caldas da Rainha, vai ser realizada no dia 26 de janeiro, pelas 21h, na sede na Junta de Freguesia.

rea

Dois médicos vão reforçar Unidade de Saúde Familiar

Foi concedido um regime de exceção para a Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT) contratar mais dois médicos avençados para ajudar a resolver a atual fraca resposta da Unidade de Saúde Familiar do Bombarral.

usf