Q

Previsão do tempo

20° C
  • Friday 28° C
  • Saturday 26° C
  • Sunday 22° C
21° C
  • Friday 29° C
  • Saturday 27° C
  • Sunday 23° C
22° C
  • Friday 32° C
  • Saturday 29° C
  • Sunday 25° C
Histórias do Termalismo

4. Águas da Serra do Bouro

Jorge Mangorrinha

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
As águas minerais naturais e de nascente são recursos do domínio público do Estado. O seu engarrafamento faz-se na proximidade dos aquíferos, com a preservação das características originais da água.

A propósito, no início do século XX, distando sete quilómetros das Caldas da Rainha, a freguesia da Serra do Bouro possuía potencial paisagístico e estava dotada de equipamentos comerciais e de alojamento, segundo as memórias descritivas da época, esperando-se pela conclusão da estrada de ligação à estação ferroviária de Bouro, que se situa a três quilómetros.

Nos anos de 1914 e 1915, três interessados requereram, sucessivamente, licença para exploração das três nascentes da Serra do Bouro, nos limites do lugar denominado de Zambujeiro: José da Costa, João Manuel Camelo e Delfim de Almeida. Duas das nascentes brotavam em terrenos de vinha pertencentes, respetivamente, a José da Costa e a António Pedrosa, no lugar do Bacalhau, nos limites de Zambujeiro. A terceira nascente brotava também em Zambujeiro, em terreno pertencente a José Antunes.

O primeiro requerente pediu a concessão para a exploração das nascentes situadas no seu terreno e outras que com ele confinam. Os segundo e terceiro requerentes pediram a concessão da exploração das três nascentes. As propostas são instruídas com a análise às águas, efetuada em 1914 pelo químico Carlos von Bonhorst, e um projeto de abrigo de planta circular e de cobertura abobadada, de desenho cuidado, pouco comum para este tipo de equipamento. Em conformidade com um parecer da Procuradoria Geral da República, o Conselho Superior de Minas, em 1916, deu o seu parecer favorável à concessão de licença para exploração das nascentes a favor de José da Costa. Os outros interessados levaram recurso deste alvará para o Supremo Administrativo, em 1920, mas nenhum dos três requerentes se encontrava dentro dos termos legais exigidos. Em 1923, ainda são indeferidos requerimentos de João Camelo e Delfim de Almeida, que não tiveram aceitação por parte das autoridades (Diário do Governo n.º 53, II série, de 6 de março de 1923).

Em 1924, o químico francês Charles Lepierre fez a única análise completa destas águas. Na época, os terrenos em redor da Serra do Bouro eram providos de muitas nascentes, que revelavam a existência de grandes massas de água acima dos pontos onde afloravam e que, geologicamente, davam a garantia da permanência das nascentes. Porém, esta concessão seria declarada abandonada, em 1937, por Despacho Ministerial de 20 de março, apesar de continuarem a ser usadas pela população residente, em ingestão, podendo com ela fazer-se clisteres, já que era vendida em garrafões nas farmácias das Caldas da Rainha, designadamente nas de Custódio Maldonado Freitas.

Estas águas eram recomendadas para obstipações intestinais, litíase renal e dermatoses.

No local, ainda até há pouco tempo, viam-se os restos de uma construção: o espaço interior dividia-se em três planos; na parte mais alta, encontrava-se o “poço” (um grande depósito de água onde deveriam convergir as três nascentes); uma escada conduzia a um plano intermédio onde, a ladear todo o espaço, existia uma bancada em pedra; daqui descia-se às bicas de engarrafamento, por uma escada de três degraus.

Mas quase tudo se perdeu, talvez a água ainda por lá corra e motive a atual geração de caldenses a retomar o seu estudo e uma eventual utilização. A ver vamos!

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

As festas das aldeias e suas tradições

Com a chegada do verão começa a altura dos arraiais, das festas das aldeias, onde reina o tradicional bailarico e de seguida o dj a fazer o resto da magia.

Novo recorde de maior onda surfada na Praia do Norte

Há um novo recorde mundial de maior onda já surfada na Praia do Norte, na Nazaré, que foi alcançado pelo alemão Sebastian Steudtner, que em 29 de outubro de 2020 atingiu os 26,21 metros, segundo foi anunciado nesta terça-feira pela World Surf League (WSL), organizadora dos Red Bull Big Wave Awards.

onda