Q

Previsão do tempo

16° C
  • Thursday 17° C
  • Friday 20° C
  • Saturday 21° C
17° C
  • Thursday 17° C
  • Friday 20° C
  • Saturday 21° C
17° C
  • Thursday 18° C
  • Friday 21° C
  • Saturday 22° C

O que é mais urgente reabrir?

Patricia Domingos
16 de Março, 2021
O confinamento está a gradualmente a ser diminuído e Portugal está a desconfinar lentamente. O que lhe estava ou ainda está a fazer mais falta que abra?
Joana Domingos, 23 anos, desempregada, Pó (Bombarral)

Joana Domingos, 23 anos, desempregada, Pó (Bombarral)

O que faz mais falta na minha opinião são as lojas de vestuário e calçado, porque são bens necessários.

São entendidos como bens não essenciais mas são, porque precisamos deles todos os dias. Graças a Deus continuamos a ter comida, continuamos a ter medicamentos e auxílio na saúde, mas ninguém pode ir roto e descalço para a rua.

Ivan Marcos, 21 anos, auxiliar de cozinha, Campo (Caldas da Rainha)

Necessito mesmo que abram as lojas de roupa e ainda bem que os barbeiros já podem trabalhar. Acho que ninguém consegue suportar se tiver roupas rotas e o barbeiro/cabeleireiro faz parte da higiene pessoal de todos.

São medidas necessárias, mesmo que medicamentos e alimentos sejam a prioridade clara.

Gabriel Jesus, 19 anos, empregado de balcão, Óbidos

Como trabalho num café está-me a fazer imensa falta abrir os cafés, para poder trabalhar, poder sustentar a casa e ajudar a minha família acima de tudo, porquea vida não está fácil nestes últimos tempos.

Felizmente comecei a trabalhar nesta segunda-feira ao postigo, quando começou o desconfinamento. A pandemia da Covid-19 atrapalha vários empregos, mas felizmente vamos voltando ao normal a pouco e pouco.

Ruben Venceslau, 21 anos, estudante, Painho (Cadaval)

Como artista musical, os bares são certamente os setores cujo encerramento têm tido mais impacto na minha vida, por isso é a abertura que me faz mais falta. É muito difícil ter rendimento da música numa altura em que não existem lugares para atuar e ao público faz falta aquelas noites de música ao vivo e convívio com os amigos.

Olga Parente, 46 anos, taróloga, Painho (Cadaval)

O que me faz mais falta que abra são as lojas de roupa e calçado, porque eu não confio nas lojas online. Hoje em dia a sociedade tem medo de ir ao hospital porque se nós não temos a Covid-19, começam a suspeitar de que temos o vírus, e se não for algo tão importante como a Covid-19 não nos dão prioridade devida, e há muita gente com doenças graves que está a ficar para trás. Acho que devíamos voltar às consultas e atendimentos sem serem relacionados com a pandemia.

Miguel Pinto, 48 anos, taxista, Foz do Arelho (Caldas da Rainha)

Fazem-me falta os restaurantes. Como sou taxista às vezes não tenho tempo para ir a casa almoçar, devido a fazer a rota até Lisboa e sítios longe da minha casa. Antes da pandemia os restaurantes abertos faziam imenso jeito porque não tinha que esperar uma a duas horas para almoçar.

Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Atribuição de 75 bolsas de estudo nas Caldas

Decorre até 12 de novembro o prazo para apresentação das candidaturas para atribuição de 75 bolsas de estudo, no valor unitário de 800 euros, relativas ao ano letivo 2021/2022, destinadas a alunos oriundos de agregados familiares carenciados que pretendam prosseguir estudos em estabelecimentos de ensino superior sediados fora do concelho das Caldas da Rainha.

pexels stanley morales 3186386

Clube de Leitura presencial

A Biblioteca Municipal das Caldas da Rainha acolhe a realização do Clube de Leitura em formato presencial, organizado pelas leitoras Marta Ambrósio e Elisa Santos, no dia 30 de outubro, pelas 15h00.