Q

Previsão do tempo

27° C
  • Saturday 26° C
  • Sunday 23° C
  • Monday 21° C
28° C
  • Saturday 26° C
  • Sunday 23° C
  • Monday 21° C
29° C
  • Saturday 29° C
  • Sunday 25° C
  • Monday 22° C
Ler livros da Biblioteca Municipal das Caldas

Serviço de “take away” e de entrega ao domicílio com grande procura

Mariana Martinho

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Em tempos de pandemia e de portas encerradas muitas bibliotecas municipais decidiram virar a página e implementar uma nova tendência, o serviço take-away de livros e de entregas ao domicílio, e nas Caldas da Rainha não é exceção. A funcionar desde o primeiro confinamento, “o sistema de entrega de livros em casa tem sido um sucesso”, pois além de ser um caminho para levar os 318 livros a quem os quer ler, também permitiu o interesse de 25 novos utentes, que encontraram nas leituras uma nova forma de combater o isolamento, a exclusão e a desinformação, e que é para manter para lá do confinamento.
As entregas são realizadas à porta da biblioteca

Apanhadas de surpresa pelo primeiro estado de emergência, as bibliotecas municipais tiveram de “se reinventar, e pensar em novas estratégias para conseguir manter a proximidade com o público”, explicou a diretora da Biblioteca Municipal das Caldas da Rainha, Aida Reis, adiantando que foi nessa altura que os serviços online, take-away e entrega ao domicílio de livros começaram a ganhar terreno pelo país e a serem implementados em mais de metade da Rede Nacional de Bibliotecas Públicas (RNBP).

Face a isso, a biblioteca caldense decidiu replicar este tipo de serviço de empréstimo de livros em regime de ‘take-away’ e entregas ao domicílio aos seus leitores, que permanecem ativos neste momento de confinamento, para combater o isolamento, a exclusão e a desinformação.

“As bibliotecas são serviços públicos que devem de ter sempre um elo de ligação com o seu público”, sublinhou a diretora da biblioteca, apontando que “a pandemia veio ajudar a acelerar os serviços cada vez mais digitais, tornando assim as bibliotecas um pouco híbridas”.

O serviço de take away ou de empréstimo ao domicílio de livros, que está disponível desde o ano passado para “apenas para leitores inscritos na biblioteca”, é feito pelos técnicos da biblioteca, que cumprem todas as regras de segurança e higiene recomendadas pela Organização Mundial de Saúde.

Os livros, cuja disponibilidade pode ser consultada no catálogo bibliográfico online da biblioteca (bibliotecas.mcr.pt), podem ser recebidos diretamente no domicílio para quem tem maior dificuldade de mobilidade ou pertença a grupos de risco, mas também na porta da biblioteca municipal, após uma marcação. No que diz respeito às devoluções, podem ser feitas a qualquer hora e dia numa caixa à entrada da biblioteca, ou então no próprio dia de entrega ao domicílio. Foram alargadas de quinze para trinta dias e cada munícipe tem direito a requisitar até três livros.

Os pedidos de empréstimo podem ser feitos através do telefone 262 841 728 ou pelo e-mail biblioteca.municipal@cm-caldas-rainha.pt, de segunda a sexta-feira, entre as 10h00 e as 17h00. “Preparamos a encomenda e embalamos os livros, que entregamos na porta da biblioteca”, descreveu Aida Reis, adiantando que “os livros quando voltam são todos desinfetados e colocados num período de quarentena durante três dias. E só depois deste período é que são novamente emprestados”.

Para a responsável, “o take away de livros é um bom serviço à comunidade, pois além de ser prático e de ser um serviço que veio para ficar, também acabou por se tornou num sucesso, com muitos pedidos”. Entre o dia 15 de janeiro e o dia 3 de março deste ano, a biblioteca recebeu 181 pedidos para emprestar 316 livros, e efetuou 10 entregas ao domicílio.

Houve também 25 novos leitores.

“Este é um serviço que vai permanecer após a pandemia”

Os pedidos são muitas vezes uma solução para combater a solidão do isolamento, bem como uma distração, sobretudo para “os mais velhos, que nos telefonam a pedir para ler nesta fase, pois precisam de se distrair”. A diretora da biblioteca afirmou que “este é um serviço que vai permanecer após a pandemia, pois o feedback tem sido muito positivo”.

Para além deste serviço e mesmo de portas fechadas, a biblioteca continua a “manter o contacto com os leitores e serviços à comunidade”, seja com oferta de atividades e serviços online, como a hora do conto, em que “já gravámos 28 horas de vídeo publicado nas redes sociais”, as sessões de leitura, os clubes de leitura, o serviço de referência e informação à comunidade, a consulta de catálogo, as exposições virtuais, como a que inaugurou no mês de fevereiro, “Exposição Multilingue As Aventuras do Pinóquio”, em parceria com a Europe Direct Oeste e Lezíria do Tejo, o lançamento de vídeos no âmbito do projeto Memórias das Caldas da Rainha, as sessões da C.O.L.O. – Comunidade Online de Leitores do Oeste, organizadas pela Rede Intermunicipal de Bibliotecas do Oeste (RIBO), e ainda a plataforma PressReader, onde a biblioteca disponibiliza mais de 7000 jornais e revistas.

“As bibliotecas têm essa função de promover a leitura, a informação e o conhecimento, e tudo isso vem nessa linha de ação”, sublinhou a responsável, adiantando que “a RIBO conseguiu ter uma plataforma gratuita, a PressReader, que tem sido uma valia para os nossos leitores assíduos dos periódicos“, e também tem desencadeado muitos novos pedidos de acesso.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

João Almeida com Covid-19 desiste do Giro d’Italia

A 18ª etapa do Giro d’Italia, nesta quinta-feira, fica marcada pela ausência do ciclista caldense João Almeida, que acusou positivo à Covid-19, sendo assim forçado a abandonar a prova, quando ocupava o quarto lugar, a 1 minuto e 54 segundos do líder e a 49 segundos do pódio.

almeida 3

Aluna caldense “Embaixadora UC à Frente” 

A caldense Beatriz Lopes, estudante do Mestrado Integrado em Ciências Farmacêuticas na Universidade de Coimbra, recebeu o prémio “UC à Frente”, atribuído pela Reitoria da Universidade de Coimbra (UC).

premio 1

Vigília com “abraço” ao hospital das Caldas da Rainha

Uma vigília que terminou com um cordão humano em frente à urgência do hospital das Caldas da Rainha foi a forma encontrada pela população para exigir medidas do Governo para melhorar as condições em que trabalham os profissionais de saúde. O alerta foi feito na noite da passada sexta-feira.

vigilia2