Q

Previsão do tempo

19° C
  • Saturday 26° C
  • Sunday 23° C
  • Monday 23° C
19° C
  • Saturday 27° C
  • Sunday 23° C
  • Monday 23° C
19° C
  • Saturday 29° C
  • Sunday 25° C
  • Monday 25° C
Histórias do Termalismo

1.Águas Santas

Jorge Mangorrinha, professor universitário

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
A exploração das Águas Santas, na periferia da cidade das Caldas da Rainha, deu-se desde 1853, com uma história de mais de um século.
Jorge Mangorrinha

E a 13 de Setembro de 2004, eu, como vereador, propus por escrito, registado em Acta das Sessões de Câmara, que, com base no valor patrimonial deste antigo balneário e no parecer da Junta da Freguesia de Santo Onofre, se deveria fazer o seguinte:

– Elaboração de uma análise química sumária e uma análise bacteriológica no valor total de 812,00 euros mais encargos com a deslocação, de acordo com proposta do Instituto Superior Técnico.

– Recuperação da envolvente paisagística do antigo balneário.

– Preservação das banheiras de pedra, com a sua remoção destas do exterior para lugar onde pudessem ser acondicionadas até à sua colocação em exposição como enquadramento à história do edifício.

– Criação de um Centro de Interpretação no próprio edifício onde se expusesse a importante história deste balneário, do ponto de vista da prática termal. O programa seria desenvolvido por especialistas sob coordenação do Gabinete do Vereador do Património Histórico-Cultural. A criação deste Centro de Interpretação deveria ser articulada com o Grupo de Escuteiros, que se encarregariam de dinamizar a componente educativa e lúdica para os visitantes. Com a criação do Centro de Interpretação das Águas Santas procurar-se-ia responder a duas questões estruturais:

– Assumir, frontalmente, a ausência de uma colecção museológica, composta por peças originais, que se perderam;

– Assumir, também, que a sua implantação no local onde existiu uma actividade termal de efeitos curativos evidentes é a sua mais-valia.

Este projecto teria evidentes benefícios:

– Em termos históricos e patrimoniais, porque finalmente se conferirá maior dignidade ao local do antigo balneário;

– Em termos culturais, porque permitirá um reforço da identidade histórica das Caldas da Rainha ligada ao poder curativo das suas águas;

– Para a própria população residente próxima, quanto à valorização da envolvente.

Como se sabe, o mandato autárquico terminou no ano seguinte (Outubro de 2005), a decisão colegial foi enlaçada e, nos mandatos seguintes nada foi feito neste sentido. Vamos, então, sentir o que nos diz história.

A Câmara das Caldas explorou as Águas Santas desde 1853, em terrenos da sua propriedade, junto à Ribeira dos Moinhos. Havendo, inicialmente, um barracão em madeira contendo 8 tinas, a frequência justificaria, porém, no ano seguinte, a eleição de uma Comissão de Angariação de Fundos, destinados estes à construção de um albergue através de subscrição pública. A reunião de preparação desta subscrição realizou-se a 17 de Novembro de 1853, no Clube de Recreio da então vila, seguindo-se a realização de um bazar e de um baile, ambos concorridos.

As obras decorreram durante o ano de 1855. Neste ano, António Macedo, do Governo Civil de Leiria, escrevia: “quando o tempo operar os seus efeitos, levantar-se-á também outro hospital naqueles sítios. Serão dois marcos a abranger uma grande povoação, que os nossos descendentes verão brilhar com o nome de uma formosa cidade”.

Esse sonho não teve concretização. Mais tarde, já em 1895, foi requerida pela Câmara a continuação da exploração “dentro dos limites dos seus orçamentos anuais”, bem como a conservação das nascentes “frequentadas por aquistas nacionais e estrangeiros”, apresentando-se, para tal, um levantamento das instalações com um projecto de ampliação, por forma a criar-se um pequeno hospital para leprosos. A reabertura solene da actividade fez-se em Maio de 1897.

Em 1920, o estabelecimento seria adjudicado à exploração privada que, contudo, não cumpriu com o contrato de arrendamento, o que obrigou à rescisão do mesmo em 1926. Em sessão de Câmara de 30 de Janeiro, o município aceitou a rescisão de harmonia com a pretensão do concessionário, solicitando à Inspecção de Águas a competente autorização para abrir um novo concurso de adjudicação. Nesses seis anos, o estabelecimento recebeu melhoramentos gerais, que lhe permitiram aumentar as suas condições higiénicas. Porém, faltou o alargamento das instalações com a construção de um hotel.

Mantendo-se sob gestão camarária – que, logo em 1926, desafectaria o edifício dos leprosos –, a actividade termal continuou normalmente até aos anos 60. Mas, em 1967, o presidente Botelho Moniz dirigiu-se à Direcção-Geral de Minas e Serviços Geológicos (DGMSG), a propósito do estado de abandono do balneário, solicitando apoios do Governo para a sua recuperação. A Direcção-Geral informou que “outras Câmaras Municipais, também concessionárias de nascentes mineromedicinais, estão, precisamente, nesta altura a procurar desenvolver as suas explorações termais com a construção de novos balneários os quais pediram ou vão pedir a comparticipação do Estado, ou então a melhorar as instalações existentes, caso de Vila da Feira, ou ainda a adquirirem concessões como o caso de Amarante”. Propôs a mesma DGMSG que houvesse cedência simples de concessão, mas, caso houvesse interesse em haver melhoramentos, a Direcção não poderia ir além da assistência técnica e a remodelação das captações teria que ser feita segundo um plano aprovado superiormente e elaborado por técnico idóneo.

À entrada da década de 70, com a concessão “sem actividade produtiva”, o presidente Paiva e Sousa reafirmou os propósitos da Câmara em revitalizar o estabelecimento, para o que foi nomeada uma comissão de estudo para realizar, no prazo de seis meses, um plano de pesquisas e captação. A realização deste plano fez-se em 1971 e 1972, após o qual a Câmara abriu concurso público para a exploração do balneário. Mas antes procedeu a uma diligência junto da Comissão Instaladora do Centro Hospitalar das Caldas da Rainha, no sentido de esta tomar a seu cargo a dita exploração. À resposta negativa da Comissão, a Câmara realizou o concurso público que não trouxe efeitos práticos, perdendo-se a possibilidade de revitalização destas águas.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

As festas das aldeias e suas tradições

Com a chegada do verão começa a altura dos arraiais, das festas das aldeias, onde reina o tradicional bailarico e de seguida o dj a fazer o resto da magia.

Novo recorde de maior onda surfada na Praia do Norte

Há um novo recorde mundial de maior onda já surfada na Praia do Norte, na Nazaré, que foi alcançado pelo alemão Sebastian Steudtner, que em 29 de outubro de 2020 atingiu os 26,21 metros, segundo foi anunciado nesta terça-feira pela World Surf League (WSL), organizadora dos Red Bull Big Wave Awards.

onda