Q

Previsão do tempo

16° C
  • Monday 24° C
  • Tuesday 32° C
  • Wednesday 27° C
16° C
  • Monday 25° C
  • Tuesday 34° C
  • Wednesday 29° C
16° C
  • Monday 28° C
  • Tuesday 38° C
  • Wednesday 33° C

JSD conversa sobre o território de Óbidos

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
A JSD de Óbidos iniciou no passado dia 19 o roteiro “O´bidos Presente”, iniciativa coordenada pelo gabinete de estudos da estrutura concelhia, que pretende, com recurso a um ciclo de conversas informais, dar a conhecer as diferentes realidades associativas e empresariais permitindo assim aos jovens sociais-democratas traçarem uma caraterização do concelho.
Videoconferência através da plataforma Zoom

Para Ricardo Duque, presidente da Comissão Política da JSD de Óbidos, “é extremamente importante que os jovens que compõem a estrutura conheçam a realidade do concelho”, uma vez que “para defender ideias e construir propostas políticas estruturadas e sustentadas e´ imperativo conhecer a realidade local, assim como o trabalho desenvolvido pelos diferentes agentes ativos do nosso território”.

A primeira reunião, com instituições de âmbito social, humanitário e comunitário, decorreu por videoconferência, através da plataforma Zoom, e contou com a presença da Associação de Desenvolvimento Social da Freguesia de A-dos-Negros (Paulo Capinha – vice-presidente), Associação “O Socorro Gaeirense” (Luís Coito Ribeiro – presidente), Casa do Povo de Óbidos (Sara Conceição – diretora técnica), Associação Humanitária Bombeiros Voluntários de Óbidos (Mário Minez – presidente), Associação Social Cultural e Recreativa de Amoreira (Joaquim Graça – presidente) e Associação Minha Casa (Abraham Tello e Patrícia Frazão – psicólogos da instituição).

A reunião dividiu-se em três momentos, o primeiro onde os diversos dirigentes tiveram oportunidade de dar a conhecer o trabalho desenvolvido por cada uma das associações, nomeadamente as suas valências, o número de beneficiários, orçamento anual, número de colaboradores e número de associados. No segundo momento falou-se das principais dificuldades destas instituições no período pré-Covid e que foram agravadas agora, assim como os apoios que têm tido pelas diferentes entidades. Numa terceira ronda houve um ciclo de perguntas e respostas e até algumas sugestões de temáticas a desenvolver futuramente.

Segundo Ricardo Duque, concluiu-se que “colaboradores e voluntários destas instituições são diretamente afetados, expostos ao cansaço físico e emocional, muitas vezes até sendo vítimas desta nova doença”.

“Apesar de por vezes se sentirem confusas com a constante evolução das regras e diretrizes e com pouco apoio da Segurança Social e do Estado Central, que segundo os intervenientes não olham para estas instituições, utentes e colaboradores como merecem, todas elas reagiram celeremente, substituindo-se ao Estado, adaptando-se”, relatou.

No entanto, vincou que “não deixaram de notar algumas preocupações, em particular, as grandes responsabilidades que estão subjacentes a estas direções que de forma voluntária gerem orçamentos muito significativos (mas apertados), e um elevado corpo técnico que acarreta um conjunto de preocupações e responsabilidades”

“Para agravar ainda mais estas condições, o impacto de verem algumas das suas respostas sociais fechadas (creches, jardins de infância, centros de dia, serviços de apoio domicilário, entre outros) e de não terem a receita extra dos eventos organizados pela autarquia ou promovidos pelas próprias instituições, ou até mesmo a inexistência das receitas dos parques de estacionamento que se enchiam por ocasião dos eventos e do elevado número de turistas (como é o caso dos Bombeiros Voluntários de Óbidos), rapidamente se transformou numa ameaça à sua própria sustentabilidade financeira e organizacional”, alertou Ricardo Duque.

“O grande apoio da autarquia, o inexcedível acompanhamento da autoridade de saúde e a cooperação entre diferentes instituições foi alvo de reconhecimento”, indicou.

“A excelente articulação entre associações, proteção civil, autoridade de saúde e autarquia tem sido determinante”, comentou Paulo Capinha.

“O Estado não olha para estas instituições como verdadeiramente merecem”, sustentou Joaquim Graça.

Sara Conceição defendeu que “os colaboradores dos serviços de apoio domiciliário já deveriam estar vacinados”.

Luís do Coito referiu que “a testagem que tem vindo a ser promovida pela autarquia foi e é fundamental para proteger os nossos colaboradores e consequentemente os nossos utentes”.

“Estamos a fazer de tudo para salvaguardar os nossos utentes”, garantiu Abraham Tello.

“Vamos ter um ano muito complicado. Alguém vai ter de segurar as cordas e nós vamos cá estar”, sublinhou Mário Minez.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Distribuição de kits de primeiros socorros reforça segurança

O município de Óbidos concretizou a aquisição de 50 kits de primeiros socorros como parte de uma estratégia para melhorar a segurança de utentes e profissionais em espaços municipais. Os equipamentos serão distribuídos por escolas, jardins de infância, atividades de tempos livres (ATL) e outros serviços, visando aumentar a capacidade de resposta a emergências.

kits

“Semana Sénior” com passeios

O Serviço de Ação Social do Município do Cadaval voltou a promover a “Semana Sénior”, que decorreu de 1 a 5 de julho e contou com mais de 250 participantes. Castelo de Vide, Coruche, Lisboa, Nisa e Porto de Mós foram as localidades visitadas nesta edição.

semana

Viola amarantina chega ao CCC

O músico e compositor natural de Vila Real, Rui Fernandes, continua a sua digressão pelo país a apresentar a sua mestria na viola amarantina, instrumento tradicional de cinco ordens de cordas duplas, originário da região de Amarante. No dia 26 de julho, às 21h30, atua em quarteto, no Centro Cultural e de Congressos das Caldas da Rainha.

viola