Q

Previsão do tempo

20° C
  • Friday 26° C
  • Saturday 25° C
  • Sunday 23° C
16° C
  • Friday 25° C
  • Saturday 26° C
  • Sunday 23° C
16° C
  • Friday 27° C
  • Saturday 28° C
  • Sunday 25° C

Empresas da região Oeste revelam agravamento da situação económica

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
O V Barómetro Empresarial da Região Oeste demonstra um agravamento da situação económica da empresas, estando a Associação Empresarial da Região Oeste (AIRO) a preparar um pedido do reforço de medidas a aplicar, com base nos contributos das empresas.
52

Segundo a AIRO, perante a situação pandémica grande parte das empresas desenvolve atividade normalmente com aplicação do plano de contingência (30%), seguindo-se o lay-off total (10%) e regime misto (9%). “O cenário piorou bastante, devido ao prolongamento da pandemia e também ao novo confinamento geral que vivenciamos, face ao último inquérito realizado no qual as empresas em funcionamento apenas com o plano de contingência correspondiam a 64% dos inquiridos, sendo que neste momento essa percentagem desceu para cerca de metade, para 30%”, revela a AIRO.

Em setembro passado apenas 1% das empresas estava em lay-off total, sendo que esse valor aumentou para 10% no atual questionário.

Por um lado, 50% das empresas que neste momento se encontram com atividade suspensa ou em lay-off pretendem retomar atividade até ao verão. Por outro lado, os empresários quando questionados se futuramente seria necessário recorrer a lay-off, 52% afirmam esta necessidade.

“Assistimos a um aumento do número de empresas a necessitar recorrer a lay-off que passou de 16% em setembro para 52% atualmente. Esta situação evidencia o aumento das consequências negativas da atual crise que vivemos”, indica a AIRO.

Ao longo do último trimestre de 2020 a maioria das empresas teve atividade aberta de forma regular, sendo que as empresas que se viram obrigadas a suspender atividade fizeram-no de forma mais incidente nos meses de novembro e dezembro.

Maioria das empresas pretende manter colaboradores

Durante o período de análise, a maioria das empresas (69%) afirma ter mantido constante o número de trabalhadores, o que vai de encontro à tendência dos resultados do último inquérito, sendo este um indicador positivo.

A maioria das empresas (82%) afirma a sua intenção de manter o número de colaboradores durante o primeiro trimestre do presente ano, o que mais uma vez se revela um indicador bastante positivo, considera a AIRO.

5% dos empresários pretendem aumentar os colaboradores da sua atividade, enquanto 8% afirma ter intenções de reduzir o seu número de colaboradores e 5% já reduziram.

“Face à crise pandémica provocada pela Covid-19 e ao primeiro confinamento geral de 2020 é notório o cenário negativo pelo qual a maioria das empresas tem passado. No período de outubro a inícios de janeiro, a grande maioria das empresas registou grandes decréscimos da sua atividade e respetivo volume de negócio. Mais de metade dos empresários, nomeadamente 59%, não conseguiu ainda recuperar o seu volume de negócios, o que evidencia o quanto as empresas têm sido e continuam a ser afetadas. Os restantes 41% dos empresários conseguiram recuperar volume de vendas, mas ainda em valores baixos”, descreve a AIRO.

Na situação que vivemos com o novo confinamento geral (janeiro 2021), grande parte das empresas estima que irá perder uma parte significativa de volume de negócios. 36% dos inquiridos estima que irá perder volume de negócios na ordem dos 80% a 100%, podendo essas empresas ficar em risco de sustentabilidade e viabilidade. 14% dos inquiridos estimam uma perda entre os 60% a 80%.

Face ao cenário atual, grande parte dos inquiridos aponta para que a sua atividade empresarial volte à normalidade num período dentro de 12 a 24 meses com cerca de 48% das empresas a partilhar desta opinião, mantendo-se a tendência face ao último inquérito, no qual 50% das empresas indicava este período de recuperação.

Na sua grande maioria, 95% das empresas questionadas percecionam a pandemia enquanto risco elevado para a economia nacional. Apenas 3% da amostra aponta o risco como moderado e 2% como risco baixo.

Janeiro foi o mês mais fraco em vendas

Desde setembro (último trimestre de 2020) até ao presente, o mês com pico de vendas mais baixo revela-se ser o mês de janeiro (2021), sendo o mês mais vezes apontado, isto por cerca de 40% dos inquiridos. A base desta tendência está diretamente ligada ao facto de ser o mês em que entrou em vigor o novo confinamento geral, condicionando bastante a atividade empresarial.

A maioria das empresas afirma estar pouco confiante em relação às medidas de apoio do Governo, representando 58% dos inquiridos. Apenas 23% das empresas responderam estar confiantes enquanto que 19% afirmam não estar nada confiantes.

As medidas de apoio mais requisitadas ao longo do último trimestre de 2020 foram: Apoair.pt; Apoios da segurança social; Moratórias de crédito; e Apoio à retoma progressiva. 33% dos empresários consideram o processo de acesso às medidas um processo de acesso fácil enquanto que 31% dos inquiridos considera este um processo de acesso difícil.

82% dos empresários que no passado não recorreram a qualquer tipo de medida de apoio afirmam pretender concorrer a medidas de apoio.

Neste momento a opinião dos empresários encontra-se dividida quanto ao receio de uma possível interrupção no fornecimento de matérias-primas necessárias às suas atividades realçando 25% dos empresários ter receio e 21% ter pouco receio.

Quanto à interrupção de matérias-primas, a maioria das empresas não registou interrupção no fornecimento das mesmas. Apenas 22% registaram uma interrupção nos seus fornecimentos de matérias-primas essenciais às suas atividades e que condiciona o desempenho destas empresas.

Para a maior parte das empresas inquiridas, as datas comemorativas durante o período em análise não foram uma oportunidade de aumento do volume de negócio, sendo que apenas 17% registaram um aumento de faturação da empresa. Face ao inquérito de setembro, 31% das empresas perspetivavam

aumentar a sua faturação nestas datas especiais, contudo, o número de empresas nas quais tal se verificou caiu para cerca de metade.

Perante a necessidade de desenvolver soluções alternativas e estratégicas por parte das empresas com intuito de, nos últimos meses, assegurar a viabilidade do negócio, as três alternativas estratégicas mais vezes apontadas pelos inquiridos incidiram sobre: redes sociais; seguidamente, negócio digital (e-commerce); e novos produtos/serviço adaptado.

53% das empresas inquiridas sem liquidez sustentável

53% das empresas inquiridas afirmaram que a sua atual liquidez não permite a empresa manter-se sustentável nos próximos meses. Comparativamente às respostas obtidas em setembro, existe um aumento de respostas de empresas que afirmam não possuírem liquidez sustentável face ao futuro incerto.

Apenas 34% dos inquiridos consideram que os apoios atuais serão suficientes perante o caso da situação pandémica se prolongar ou piorar.

Em alternativas caso o volume de faturação não seja sustentável, as empresas consideram algumas alternativas, tais como, procurar novos canais de vendas, reduzir custos internos e reduzir número de colaboradores.

No que respeita o negócio online, a maioria das empresas, 74% dos inquiridos, afirma que não registou um crescimento online da sua atividade, enquanto que 26% relata que a sua atividade cresceu nos canais digitais, o que poderá ter sido uma oportunidade/solução face ao combate à pandemia.

dos empresários inquiridos admitem vir recorrer ao lay-off

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Novo recorde de maior onda surfada na Praia do Norte

Há um novo recorde mundial de maior onda já surfada na Praia do Norte, na Nazaré, que foi alcançado pelo alemão Sebastian Steudtner, que em 29 de outubro de 2020 atingiu os 26,21 metros, segundo foi anunciado nesta terça-feira pela World Surf League (WSL), organizadora dos Red Bull Big Wave Awards.

onda