Q

Previsão do tempo

18° C
  • Monday 20° C
  • Tuesday 25° C
  • Wednesday 27° C
18° C
  • Monday 20° C
  • Tuesday 26° C
  • Wednesday 27° C
18° C
  • Monday 21° C
  • Tuesday 28° C
  • Wednesday 30° C
Indignação com a Federação

Caldas Sport Clube foi a jogo com 14 atletas em isolamento

Francisco Gomes

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
O Caldas Sport Clube (CSC) está revoltado com a Federação Portuguesa de Futebol (FPF) por não ter sido adiado o jogo do passado domingo de manhã com o Torreense, para o Campeonato de Portugal, na sequência de dois casos positivos de Covid-19 no plantel caldense, a quem se juntam outros doze atletas em isolamento profilático.
União dos jogadores do Caldas (foto Caldas Sport Clube)

Segundo a direção do CSC, no dia 30 de dezembro foram detetados dois casos positivos de infeção no plantel sénior. “Como medida, contactámos o delegado de saúde local que, imediatamente, decretou o isolamento profilático de mais doze atletas, num plantel constituído por 26 jogadores”, relatou o clube.

“Tendo em conta e considerando que mais de 50% da nossa equipa sénior estava em isolamento e incapacitada para ir a jogo, foram estabelecidos também contactos com a FPF com vista ao adiamento do jogo de domingo frente ao Torreense”, adiantou.

Contudo, no dia 1 de janeiro, “após muitas diligências, a FPF entendeu que o jogo se deverá realizar na data prevista, já que o CSC tem, além da equipa sénior, uma equipa B e de sub-21 – que nesta quadra natalícia se encontram com as suas competições suspensas devido às restrições impostas pelo atual estado de emergência”.

Perante esta decisão da FPF, o clube caldense ponderou “não ir a jogo, com derrota por falta de comparência e assumindo todas as consequências de tal decisão, ou utilizar atletas que não treinam há cerca de duas semanas e que nunca treinaram com a equipa sénior”.

O CSC viu-se “obrigado” a ir a jogo, mas não deixou de sublinhar que essa situação “fere o artigo 12 da FPF sobre a ética e verdade desportiva”.

“Além dos catorze atletas em isolamento, o restante plantel aguarda pela realização de testes impostos e obrigatórios por parte da Direção-Geral da Saúde, o que acontecerá na próxima semana, correndo o risco de existirem mais casos entre os atletas que irão a jogo”, alertou o presidente do CSC, Jorge Reis.

A direção do clube lamentou esta circunstância, considerando que “estão completamente desvirtuados todos os princípios com os quais se deve reger uma competição desportiva”.

“Durante todo o processo, foi dado conhecimento à equipa adversária – o Torreense, que não se mostrou disponível para o adiamento do jogo, remetendo a decisão sempre para a responsabilidade da FPF”, acrescentou o CSC em comunicado. O Torreense apenas comentou que a competência é da FPF.

Caldas 1 – Torreense 3

Árbitro: João Santos, de Coimbra

Caldas: Rui Oliveira, Juvenal, Yordi, Gaio, Passuco, Leandro Borges, Mauro Estáquio, Simões, Marcel, Gaspar e Santos

Suplentes utilizados: Júlio Sousa (45’, saiu Passuco), Pedro Sousa (64’, saiu Marcel), Gonças (64’, saiu Gaspar), David (83’, saiu Simões) e Martins (87’, saiu Santos)

Treinador: José Vala

Cartões amarelos: Gaio (78’) e David (85’)

Golo: Mauro Eustáquio (70’)

Torreense: Marcelo Valverde, Fred Martins, Mamadou Touré, Benny, Weliton, Zezinho, Aílson, Ragner, Ricardinho, Filipe Andrade e Silas

Suplentes utilizados: Tiago (56’, saiu Aílson), Tocantins (66’, saiu Filipe Andrade), Jorginho (83’, saiu Ricardinho) e Wilson Santos (83’, saiu Silas)

Treinador: Filipe Moreira

Golos: Weliton (12’), Passuco (autogolo, 26’) e Zezinho (56’)

O jogo acabou mesmo por ser realizado e o Caldas perdeu por três bolas a uma. A pressão inicial dos adversários deu frutos, com os caldenses a sofrerem os dois primeiros golos de forma estranha.

Primeiro, na sequência de um canto, Welinton rematou, com a bola a bater no poste e no meio da confusão de jogadores a passar a linha de golo. Depois, foi Passuco quem enviou a bola para a própria baliza ao tentar desviar o cruzamento de um jogador torreense.

Na segunda parte, um canto direto de Zezinho fez ampliar a vantagem.

Mauro Estáquio reduziu para o Caldas e ainda podia ter feito o 2-3 num remate à barra.

No final, o Torreense garantia a liderança isolada da Série F do Campeonato de Portugal mas os alvinegros estavam de cabeça erguida. O técnico José Vala desabafou que “fomos a jogo com muita dignidade”, evidenciando que era exigir muito conseguir o entrosamento necessário entre alguns atletas que não costumam jogar juntos.

E apesar de também se sentir indignado com a situação imposta ao Caldas, preferiu não se alongar em comentários.

Já Filipe Moreira, treinador do Torreense, considerou “justa a vitória da melhor equipa”. “Entrámos muito bem, fizemos dois golos e podíamos ter feito nesse período mais um. Na segunda parte acabámos também por fazer um golo no período inicial. O Caldas lutou sempre bastante, com grande dignidade, e cumprimento os jogadores do Caldas pela grande postura que evidenciaram. Acabaram por fazer golo com grande justiça e podiam ter feito no lance seguinte o 2-3”, manifestou.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Problemas da saúde transmitidos em audiência com secretária de estado  

A secretária de estado da saúde, Maria de Fátima Fonseca, transmitiu nesta sexta-feira ao presidente da Câmara Municipal das Caldas da Rainha, Vitor Marques, que estão a ser tomadas várias medidas para reforçar a capacidade de recrutamento de médicos, um dos principais problemas que afetam o setor da saúde na região e no país.

secretaria

Marcha do Orgulho com mais de 300 participantes

Realizou-se nas Caldas da Rainha, no passado domingo, uma marcha em defesa da comunidade lésbica, gay, bissexual, transgénero e outras orientações de género, com mais de três centenas de manifestantes a rejeitarem serem discriminados e a reclamarem por condições que permitam assumir as suas escolhas perante a sociedade.

marcha1

Open Days do Emprego revela que “faltam pessoas para trabalhar”

Célia Roque, diretora do Centro de Emprego de Oeste Norte (que abrange sete concelhos), considerou no Open Days do Emprego, que decorreu na Expoeste, nas Caldas da Rainha, que um dos fatores mais críticos da região é a “falta de pessoas para trabalhar”.

emprego 1