Q

Previsão do tempo

8° C
  • Tuesday 13° C
  • Wednesday 13° C
  • Thursday 13° C
9° C
  • Tuesday 13° C
  • Wednesday 13° C
  • Thursday 13° C
8° C
  • Tuesday 13° C
  • Wednesday 13° C
  • Thursday 13° C
Comissão Para a Defesa da Linha do Oeste alerta

“Discrepância significativa” nos descontos dos passes para Lisboa

Mariana Martinho

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
A Comissão Para a Defesa da Linha do Oeste promoveu passada sexta-feira uma conferência de imprensa junto à Comunidade Intermunicipal do Oeste (CIMOeste), nas Caldas da Rainha, onde alertou para a “discrepância significativa nos descontos” que os utentes deste serviço ferroviário estão a ter no Programa de Apoio à Redução Tarifária nos Transportes Públicos (PART), por continuarem a pagar passes desta região para Lisboa superiores aos da rodovia, estando “claramente a serem prejudicados”.
Foi realizada uma conferência de imprensa junto à Comunidade Intermunicipal do Oeste

Na iniciativa, Rui Raposo, porta-voz da comissão, sublinhou que “este é um dos assuntos que tem estado no nosso dossiê, para além da questão das obras de modernização e eletrificação da Linha do Oeste”, e que ”já se arrasta desde há dois anos”, que é a aplicação do PART na Linha do Oeste, cujos critérios, por ausência de acordo entre as entidades envolvidas, estão “claramente a prejudicar os utentes do transporte ferroviário”.

De acordo com o porta-voz, “logo que o programa começou a ser aplicado aqui na região verificámos que havia uma discrepância entre a rodovia e a ferrovia, para além de ter havido uma aplicação mais célere nos transportes rodoviários de passageiros logo em 2019, com descontos a serem aplicados em abril, e só quatro meses mais tarde na ferrovia”.

Igualmente alertou que nos descontos nas assinaturas dos utentes havia também uma “discrepância significativa”, existindo as “chamadas zonas de ninguém onde o programa não é aplicado nas assinaturas”.

Nuno Clímaco, membro da comissão, afirmou que “o PART não foi aplicado a 100% na Linha do Oeste, porque nas ligações à Área Metropolitana de Lisboa só existe um desconto de 30% nos passes e não foi aplicado o equivalente ao do autocarro”.

Apesar do passe dentro dos concelhos da região Oeste ser mais baixo na ferrovia do que na rodovia para incentivar o uso do transporte ferroviário, o mesmo não se verificou nos passes dos utentes que se deslocam desta região para os concelhos de Lisboa através da Linha do Oeste. No transporte rodoviário, o passe inter-regional varia entre os 70 ou 80 euros, conforme o concelho de origem, e no ferroviário o valor aumenta.

Segundo a comissão, “um utente de Caldas da Rainha que tire passe para Lisboa paga 80 euros no autocarro e 150 euros no comboio”.

Os passes entre a região Oeste e Lisboa, na Linha do Oeste, têm apenas em vigor um desconto de 30%, baixando de 214,25 euros para 150 euros o passe a partir das Caldas da Rainha.

Esta questão, segundo a comissão, tem sido debatida com a CIMOeste, onde se verificou que há contradições de informação, “entre aquilo que nos é dito pelo CIMOeste e aquilo que é dito pelo Ministério das Infraestruturas na Assembleia da Republica, os deputados e pela CP- Comboios de Portugal”, estando neste momento a aguardar por uma reunião com o responsável pela CP.

Nesse sentido, “queremos que a CIMOeste insista numa negociação justa e concretize a promessa feita há um ano, de modo a que os custos com aplicação do PART não sejam tão elevados e tragam mais vantagens para os passageiros”.

Caso isso não aconteça, a comissão teme que as negociações para o PART de 2021 sejam condicionadas para este desconto.

Questionado sobre o assunto, Paulo Simões, primeiro secretário da CIMOeste, referiu que “como em janeiro de 2020 o Orçamento do Estado para este ano ainda não estava em vigor e a CP, sendo uma empresa pública, depende dele, não foi possível uniformizar o valor dos passes na ferrovia”. Acrescentou ainda que a “CP está a cobrar à CIMOeste montantes cinco vezes superiores aos negociados para a compensação tarifária, ao faturar toda a linha, sem ter em conta o destino dos passageiros, dentro da Área Metropolitana de Lisboa, motivo pelo qual não chegámos a acordo”.

O responsável esclareceu que “ainda este ano, CP e CIMOeste vão reunir-se para avaliar os custos e negociar passes iguais aos da rodovia para 2021”.

A comissão prevê no início do próximo ano realizar uma iniciativa idêntica a esta junto à CP em Lisboa, caso o “presidente da CP não marque a reunião que pretendemos”.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Vamos Mudar critica utilização da ampliação da Urgência do Hospital

O movimento cívico independente Vamos Mudar (VM), que lidera a Câmara Municipal das Caldas da Rainha, lamenta e desconhece as razões pelas quais as obras de ampliação do Serviço de Urgência do Hospital das Caldas “não estão a ser ainda amplamente aproveitadas”. O VM questiona se é por “falta de acabamentos, de equipamentos ou de recursos humanos”.

vm 2

Mercado de Santana foi palco do início de campanha do CDS com o líder

A campanha para as eleições legislativas começou para o CDS no concelho das Caldas da Rainha, mais propriamente no Mercado de Santana, em Alvorninha, no passado domingo, com a presença do líder do partido, Francisco Rodrigues dos Santos, acompanhado dos cabeças de lista por Leiria e Santarém, António Galvão Lucas e Pedro Melo, respetivamente, para além de outras figuras, como o candidato em nº4 por Leiria, Paulo Pessoa de Carvalho, que nas últimas autárquicas liderou a coligação na qual constava o CDS, que concorreu à Câmara das Caldas.

cds

Homenagem a Luís “Bicau”

A Oeste Rescue, associação de nadadores salvadores, prestou na tarde do passado sábado homenagem ao Luís Alberto, conhecido por “Bicau”, de 44 anos, que há dias foi encontrado morto nas imediações da Lagoa de Óbidos.

bicau