Q

Previsão do tempo

9° C
  • Friday 13° C
  • Saturday 12° C
  • Sunday 12° C
9° C
  • Friday 13° C
  • Saturday 12° C
  • Sunday 13° C
9° C
  • Friday 13° C
  • Saturday 11° C
  • Sunday 13° C

Bloco de Esquerda recomenda requalificação integral da Linha do Oeste

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
O Bloco de Esquerda entregou no Parlamento um Projeto de Resolução que recomenda o Governo a tomar medidas que garantam a requalificação e a capacitação integral da Linha do Oeste. “A última década foi especialmente dramática para a sustentabilidade dos serviços de transporte prestados pela Linha do Oeste”, considera o BE num documento enviado ao JORNAL DAS CALDAS em que recomenda medidas para a linha centenária que liga Lisboa à Figueira da Foz e que atravessa a nossa região. Apesar de ter sido, “ao longo da sua história, uma alavanca essencial de desenvolvimento” da zona Oeste e do centro do país, a linha tem sido alvo “da redução continuada da qualidade do serviço e da falta de material circulante”, questões, segundo do BE, “ignoradas por sucessivos governos”.
O BE considera que a captação de passageiros dependerá, do preço dos bilhetes e da comodidade das carruagens

Depois de vários anos sem investimento, a 6 de novembro foi, celebrado o contrato de consignação das obras de requalificação da linha do Oeste, entre Sintra e Torres Vedras. Na previsão avançada pela Infraestruturas de Portugal, prevê-se que as obras se “prolonguem durante os próximos dois anos, com um orçamento de 61,7 milhões de euros”. “Estas contemplam a eletrificação do troço (43km) e a beneficiação de cinco estações e seis apeadeiros, com criação e melhoria dos acessos às plataformas de passageiros para pessoas com mobilidade condicionada”.

No passado mês de outubro, a IP lançou um novo concurso para prolongar a requalificação da linha de Torres Vedras até Caldas da Rainha, através de um investimento no valor de 40 milhões de euros.

Apesar do permanente alerta do Bloco de Esquerda e das várias recomendações apresentadas ao Governo, “prevê-se que as empreitadas em curso tenham um alcance limitado, dado que se continua a prever um tempo de viagem mais longo para a ferrovia requalificada do que para as atuais alternativas rodoviárias de ligação a Lisboa”.

Desta forma, consideram os bloquistas que “a capacidade de captação de passageiros dependerá, essencialmente, do preço dos bilhetes e da comodidade e funcionalidade das carruagens”.

Assim, o BE recomenda ao Governo que tome medidas para “assegurar que os bilhetes dos passageiros que circulam na Linha do Oeste sejam substancialmente mais baratos do que as alternativas rodoviárias e que os passes sociais abrangidos pelo PART (Programa de Apoio à Redução Tarifária) incluam a CP nas deslocações intrarregionais”.

O partido defende ainda que a Linha do Oeste seja equipada com carruagens “multifuncionais, que possibilitem aos passageiros o trabalho à distância com acesso à internet, assegurem a existência de áreas dedicadas a crianças, a possibilidade de transporte de bicicletas e incluam livre acesso e lugares reservados a pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida”.

Deve ainda promover-se o “planeamento e a operacionalização da intermodalidade em transportes públicos junto das estações ferroviárias das Comunidades Intermunicipais e dos Municípios servidos pela Linha do Oeste tendo em vista a que, na sua proximidade, funcionem interfaces rodo-ferroviários nos horários de chegada/partida de composições ferroviárias”, lê-se no documento.

“O BE recomenda igualmente que o Governo estabeleça ou reformule conceções de transporte público rodoviário entre algumas estações e apeadeiros e sedes de concelho próximas da Linha (Lourinhã-Bombarral, Peniche-Dagorda, Ericeira-Mafra, Cadaval-Bombarral) de modo a possibilitar um maior uso do transporte ferroviário nos concelhos próximos da Linha do Oeste”.

Por estabelecer, diz o comunicado estão “ainda as condições em que vai decorrer a requalificação da linha entre as Caldas da Rainha e o Louriçal”.

Estando a iniciar os trabalhos de requalificação do primeiro troço, o BE relembrou que, em maio de 2018, a Assembleia da República aprovou a proposta do Bloco de Esquerda, onde se recomenda ao Governo que “aprove todos os procedimentos administrativos necessários para que, logo que as obras da presente fase de modernização da Linha entre Meleças-Caldas se iniciarem, mandate “ imediatamente a Infraestruturas de Portugal para desencadear os estudos técnicos para a preparação da requalificação do troço Caldas da Rainha – Louriçal até final de 2021”. O BE defende que os trabalhos de requalificação decorram de forma “contínua até a requalificação integral da linha possa ocorrer até final de 2023”.

Defendem ainda que tomem “medidas de forma a garantir que o transporte ferroviário na linha do Oeste ofereça tempos de deslocação mais curtos que as alternativas rodoviárias”.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Icónico edifício da Secla vai ser reabilitado

Depois de vários anos ao abandono e já em estado de degradação, o edifício icónico sede da Secla, nas Caldas da Rainha, vai finalmente ser totalmente reabilitado e valorizado.

secla

Candidato do BE luta “por uma linha do Oeste que responda aos desafios atuais”

O candidato do Bloco de Esquerda pelo distrito de Leiria às próximas eleições legislativas, Ricardo Vicente, viajou no passado dia 12 de comboio na Linha do Oeste, de Leiria para Caldas da Rainha, para assinalar a necessidade de requalificar da linha integralmente, e de garantir velocidades de deslocação competitivas com o transporte rodoviário, contrariamente aos resultados previstos pelo Governo para a requalificação no troço de Meleças até Caldas da Rainha.

bloco