Q

Previsão do tempo

7° C
  • Saturday 12° C
  • Sunday 13° C
  • Monday 13° C
8° C
  • Saturday 12° C
  • Sunday 13° C
  • Monday 13° C
7° C
  • Saturday 12° C
  • Sunday 13° C
  • Monday 13° C

Ruiu monumento ao homem do mar em Peniche

Francisco Gomes

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Parte da escultura de homenagem ao homem do mar, à entrada da ribeira velha, em Peniche, ruiu na noite desta segunda-feira. Devido ao perigo de queda, a Câmara decidiu remover toda a obra que restava.
Estátua ruiu e acabou por ser demolida

A situação mereceu críticas do vereador do PSD, Filipe Sales, que manifestou estar “triste por esta incapacidade de preservar o nosso património”, ao mesmo tempo que sentia “alguma revolta também”.

Trata-se de uma estátua criada com o intuito de homenagear os penichenses que dedicaram a sua vida ao mar.

O monumento, inaugurado a 3 de agosto de 1992, encontrava-se em estado de degradação.

O atual executivo camarário anunciou em fevereiro de 2018 que uma intervenção de restauro nesta escultura de grandes dimensões estava em curso, o que não impediu este desfecho.

A ideia de se erguer um monumento ao homem do mar surgiu através de um artigo no jornal “A Voz do Mar” no dia 25 de março de 1957, com o título “A nossa homenagem ao Homem do Mar”, escrito por António Alves Seara, que, como referiu Mariano Calado na cerimónia de inauguração do monumento, “lançou para o futuro o alerta para que a gratidão ao homem do mar fosse uma realidade feita monumento”.

Durante os 35 anos seguintes, foram realizadas algumas iniciativas tendentes a materializar esta ideia, embora sem consequência.

Durante o mandato autárquico de 1990/1993, por iniciativa de Mariano Calado, enquanto deputado municipal, foi lançada a ideia da construção do monumento ao homem do mar à Assembleia Municipal, que, unanimemente, foi aceite e desde logo nomeada uma comissão para o efeito. A Câmara Municipal, presidida por João Augusto Barradas, de imediato assumiu a responsabilidade da sua construção.

O monumento ao homem do mar tornou-se assim uma realidade e foi de autoria do escultor e professor da Escola Superior de Belas Artes, João Duarte.

Na inauguração simbolicamente foi descerrada uma placa por dois pescadores, um da nova geração e o outro da mais antiga, Artur Santos Henriques, então com 50 anos de atividade como pescador.

Nesta cerimónia, integrada no programa de Festas de Nossa Senhora da Boa Viagem, foi efetuada a bênção do monumento pelo monsenhor José Bastos.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Morreu na cama

Os bombeiros das Caldas da Rainha tiveram na manhã da passada sexta-feira de forçar a entrada numa habitação na aldeia do Chão da Parada para tentar socorrer uma mulher de 55 anos que vieram a encontrar deitada na cama em paragem cardiorrespiratória, na sequência de doença súbita.

Mural homenageia a mulher da Nazaré

Está a nascer um novo mural dedicado à mulher nazarena e ao seu papel em diferentes áreas na sociedade local ao longo de décadas.

mural