Q

Previsão do tempo

9° C
  • Friday 13° C
  • Saturday 12° C
  • Sunday 12° C
9° C
  • Friday 13° C
  • Saturday 12° C
  • Sunday 13° C
8° C
  • Friday 13° C
  • Saturday 11° C
  • Sunday 13° C

Adjudicada obra de alargamento de avenida incompleta há mais 12 anos

Francisco Gomes

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Após anos a fio a aguardar uma resolução, finalmente foi adjudicada a empreitada de alargamento da Avenida João Fragoso, na circular rodoviária da cidade das Caldas da Rainha, onde já se verificaram alguns acidentes e cujo afunilamento da via causa constrangimentos aos condutores.
Na Avenida João Fragoso, a via fica mais estreita e até existem lombas e um contentor na estrada

A obra foi entregue à empresa Cimalha – Construções da Batalha, S.A., pelo valor total de 219.058,15 euros, a acrescer do IVA.

Os vereadores do Partido Socialista, Luís Patacho e Jaime Neto, exprimiram regozijo pela deliberação camarária, apontando que “esta situação urbanística muito caricata e potencialmente geradora de acidentes rodoviários encontra-se incompleta há mais de doze anos”.

“A maioria PSD instalada em sucessivos mandatos autárquicos revelou sempre uma inércia política incompreensível e uma falta de vontade e empenho na resolução atempada desta situação urbanística absolutamente anómala, completamente desajustada da realidade da vida económica e social, afetando negativamente a fluidez de pessoas, bens e serviços”, comentaram os autarcas.

Para os socialistas, “o estrangulamento incompreensível e inaceitável da largura da via rodoviária” teve até outro episódio bizarro, que foi “só anos depois de ter estado ali instalada uma placa com a designação identificativa de Avenida Mestre António Duarte é que a referida avenida mudou de nome para Avenida João Fragoso”.

Tendo em conta a localização naquela zona da futura Unidade de Saúde Familiar de Santo Onofre, com saída rodoviária direta para este troço da Avenida João Fragoso, “sem metade da largura da via e sem pavimento asfáltico construído”, os vereadores do PS vinham insistindo para a “necessidade imperiosa de resolução deste problema”.

A regularização do troço com cerca de cem metros entre a rotunda junto ao Mini-Preço e a rotunda no cruzamento para o Bairro das Morenas, cuja via está encurtada, passando de repente de um perfil de quatro vias na faixa de rodagem para duas (uma para cada lado), teve como obstáculo a posse dos terrenos para a execução da obra, o que está ultrapassado.

Ainda por cima numa das faixas o afunilamento súbito da via encontra lombas como obstáculos, o que tem provocado sustos a alguns condutores surpreendidos e até acidentes. A autarquia chegou a ter de pagar uma indemnização de 1500 euros a um munícipe que teve um acidente de mota naquela avenida por causa das lombas, por na ocasião não haver sinalização apropriada e as lombas não terem as medidas regulamentares.

A Câmara chegou a equacionar a retirada das lombas, a colocar pinturas de sinais na via e a pavimentação das bermas, o que não se veio a verificar. Atualmente apenas existe um sinal de perigo e outro indicando passagem estreita. Um contentor do lixo encontra-se na estrada, antes das lombas.

Os vereadores do PS entendem também que “é fundamental começar desde já a planear, através de estudos técnicos detalhados e opções políticas de financiamento, a futura construção do troço incompleto da circular externa das Caldas da Rainha”, considerando que esta é “uma obra estruturante do sistema da mobilidade e acessibilidade das Caldas da Rainha”, e que na sua opinião pode também influenciar “a competitividade territorial da nossa cidade na implantação do futuro Hospital do Oeste”.

Acalmia do trânsito na Avenida Paiva e Sousa

Os vereadores do PS questionaram o executivo municipal relativamente ao ponto de situação da proposta que apresentaram há quase três anos, após a ocorrência de um trágico acidente mortal, relativa às medidas preconizadas de acalmia do trânsito na Avenida Paiva e Sousa (entre a rotunda da Fonte Luminosa e a rotunda junto ao Cencal).

Os autarcas defenderam a instalação de semáforos de controlo de velocidade, radares fixos de velocidade, faixas sonoras de controlo de velocidade e melhoria da sinalização rodoviária horizontal

Solicitaram ainda a atenção do executivo camarário para a necessidade de eventuais ações para o correto escoamento das águas pluviais naquela via, nomeadamente no sentido descendente e depois da curva, atendendo que se criam “zonas de acumulação de águas pluviais com o consequente deterioramento do pavimento asfáltico, susceptível de pôr em risco a desejável segurança rodoviária”.

Falta de informação sobre obras no espaço público

Luís Patacho e Jaime Neto consideram existir um grande défice de informação na divulgação das obras de reabilitação urbana a realizar no espaço público, nomeadamente as que estão a decorrer na Rua Manuel Mafra.

No seu entender, “estas obras deveriam ter sido devidamente comunicadas através da colocação de um cartaz informativo com a data de início e fim das obras e restante informação alusiva à mesma, nomeadamente um desenho do projecto e/ou fotomontagem, assim como o custo total da obra e a percentagem de financiamento europeu”.

Recordaram que já têm sublinhado esta necessidade de comunicar muito mais e melhor os projetos aos Caldenses nas suas intervenções nas reuniões camarárias.

A vice-presidente da Câmara informou que houve uma comunicação direta aos munícipes através da distribuição de um informativo nas caixas do correio e respetiva publicação em jornal local.

Recolha de papelão porta a porta

Luís Patacho solicitou que seja dada uma resposta cabal e definitiva quanto à implementação do projeto de recolha porta a porta do papelão proveniente dos vendedores da Praça da Fruta e dos diversos espaços comerciais da cidade, atendendo a que “continua a ser visível em várias ruas a existência de papelão de forma dispersa e desarrumada”.

A vice-presidente da Câmara, Maria João Domingos, argumentou que “a situação melhorou com a intervenção ao nível dos contentores subterrâneos na cidade”, assegurando que irá avaliar em reunião do conselho de administração dos Serviços Municipalizados o ponto de situação.

Gratuitidade no TOMA por aplicar

Os autarcas socialistas solicitaram informações e questionaram o executivo municipal relativamente ao motivo de ainda não ter sido implementada a proposta aprovada a 24 de agosto, relativamente à gratuitidade no transporte do TOMA para os utentes com idade até aos 14 anos, inclusive, e para as pessoas com mobilidade reduzida, bem como a respectiva emissão dos cartões pela Rodoviária do Oeste.

A vice-presidente da Câmara informou que ainda não foi possível à Rodoviária do Oeste operacionalizar com a empresa de bilhética a emissão dos respetivos títulos.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Icónico edifício da Secla vai ser reabilitado

Depois de vários anos ao abandono e já em estado de degradação, o edifício icónico sede da Secla, nas Caldas da Rainha, vai finalmente ser totalmente reabilitado e valorizado.

secla

Candidato do BE luta “por uma linha do Oeste que responda aos desafios atuais”

O candidato do Bloco de Esquerda pelo distrito de Leiria às próximas eleições legislativas, Ricardo Vicente, viajou no passado dia 12 de comboio na Linha do Oeste, de Leiria para Caldas da Rainha, para assinalar a necessidade de requalificar da linha integralmente, e de garantir velocidades de deslocação competitivas com o transporte rodoviário, contrariamente aos resultados previstos pelo Governo para a requalificação no troço de Meleças até Caldas da Rainha.

bloco