Q

Previsão do tempo

9° C
  • Tuesday 13° C
  • Wednesday 13° C
  • Thursday 13° C
9° C
  • Tuesday 13° C
  • Wednesday 13° C
  • Thursday 13° C
9° C
  • Tuesday 13° C
  • Wednesday 13° C
  • Thursday 13° C

João Almeida recebido com fogo de artifício em A-dos-Francos

Francisco Gomes

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Foi com fogo de artifício que o herói da bicicleta foi recebido na sua terra, A-dos-Francos, no passado dia 27. João Almeida agradeceu o apoio da população, que reconheceu ter sido importante para a sua prestação na Volta a Itália, onde durante quinze dias vestiu a camisola da liderança, terminando em quarto lugar.
João Almeida emocionado com a receção

Em A-dos-Francos, sua terra-natal, até houve fogo de artifício antes da junta de freguesia também agradecer o feito do ciclista na Volta a Itália em bicicleta. Mas a primeira homenagem aconteceu no salão nobre dos Paços do Concelho, onde João Almeida foi homenageado pela Câmara das Caldas da Rainha, numa sessão onde estiveram o secretário de Estado da Juventude e Desporto, João Paulo Rebelo, e o presidente da Federação Portuguesa de Ciclismo, Delmino Pereira.

O secretário de Estado elogiou “o feito extraordinário”, não apenas na classificação obtida, mas “no exemplo” e na “inspiração” que “dia após dia o João Almeida deu ao país”.

Já Delmino Pereira destacou “um sonho cor-de-rosa” protagonizado pelo atleta, que “manteve sempre uma postura de lutar para defender a camisola” e que ao longo da volta fez “os portugueses apaixonarem-se por esta história”.

Recebendo do presidente da Câmara, Tinta Ferreira, uma jarra cerâmica com o brasão da cidade, o atleta, de 22 anos, num momento de grande euforia, mostrou-se comovido. Seguiu depois para a sua terra natal, A-dos-Francos, onde a população o aguardava numa receção organizada pela junta de freguesia.

Ali, em conversa com o JORNAL DAS CALDAS, contou que ficou impressionado quando chegou a A-dos-Francos e viu tudo cor de rosa, todo o apoio e os cartazes a dizer “Vai João”. “Estou estupefacto e estou muito agradecido. Sem dúvida que é uma responsabilidade para obter resultados, mas também me vai dar muita confiança para o futuro”, manifestou.

“Quando vesti a camisola pensei que iria apenas poderia manter a camisola uns dois ou três dias no máximo. Até que os dias foram passando e passei a ser mais respeitado. Foi a minha primeira grande volta e estou muito surpreendido, porque tudo podia acontecer. É indescritível. É muito positivo reconhecerem o meu trabalho e o resultado que tive”, declarou.

João Almeida admitiu que “era muito complicado manter a camisola rosa quando tinha apenas quinze segundos de vantagem e duas semanas nas pernas”. Aproveitou para “agradecer à minha equipa por tudo aquilo que fizeram por mim. Foram todos impecáveis e profissionais”.

Entre as emoções vividas, recordou a altura em que chorou ao ouvir a voz dos seus pais, numa das etapas. “Na altura não vi a pintura que fizeram com o meu nome na estrada, mas vi e ouvi os meus pais e a bandeira de Portugal. Até chorei. Caíram-me as lágrimas com a emoção e estou muito agradecido a eles. Naturalmente que fez diferença na corrida mentalmente ter aquele apoio psicológico e ter algo por que sofrer”, confessou.

“Ia com o objetivo de dar o meu melhor. Para se ganhar uma prova de três semanas não diria que é preciso ser super-homem, mas sim ser muito forte. É fácil deitar a toalha ao chão. O meu objetivo principal era aprender e crescer. Foi mais do que muito positivo”, adiantou.

“Vou continuar a trabalhar arduamente e vamos ver o que o futuro nos traz. Gostaria de participar nas três grandes provas [Grand Tour – Tour de France, Giro d’Italia e Vuelta a España]. Espero um dia fazer as três. O Tour tem mais prestígio mas a que gosto mais é o Giro d’Italia. É uma corrida linda, desde sempre que é a minha preferida”, declarou o ciclista.

O jovem caldense revelou que “no futuro vou focar-me nas grandes voltas. Acho que ainda posso melhorar um pouco no contrarrelógio e especialmente na montanha, onde se fazem as maiores diferenças e se vê a real capacidade”.

Recusando comparações com Joaquim Agostinho, por ainda estar no início da carreira, o atleta disse esperar “dar mais alegrias a todos os portugueses”.

Instado a comentar os sacrifícios a que está obrigado, falou de “novos métodos de treino”. “Antigamente tinha-se uma mentalidade diferente, levava-se as coisas com mais calma. Agora jovens como eu e mais novos já começamos a trabalhar muito profissionalmente desde muito cedo. Por exemplo, eu já estou na seleção nacional desde os meus quinze anos. A internacionalização do nosso ciclismo também ajuda para obter experiência e evoluir a capacidade física e psicológica”, referiu.

Por outro lado, “o bom profissional aceita o sacrifício como parte da vida, para colher frutos. São as regras de alimentação, o descanso, o treino à chuva, ao frio ou ao calor. Acho que sou bastante regular e tenho um bom psicológico, que ganhei ao longo dos anos pelas equipas que passei. A mentalidade é forte”.

Medalha de mérito municipal em 2017

João Almeida nasceu a 5 de agosto de 1998, em A-dos-Francos, nas Caldas da Rainha, e iniciou-se no ciclismo na Escola de Ciclismo Ecosprint, naquela cidade.

Em 2014 foi campeão de Portugal em estrada, do contrarrelógio e de corrida por pontos em cadetes. Em 2016 obteve o título nacional em estrada e contrarrelógio na categoria de juniores.

Em 2017 entrou na Unieuro (Bulgária) e no Dia da Cidade das Caldas da Rainha recebeu a Medalha Municipal de Mérito Desportivo atribuída pela Câmara Municipal. Passou em 2018 para a Axeon (Estados Unidos), sendo 2º no Giro d’Italia na categoria de esperanças e campeão de Portugal do scratch. No ano passado sagrou-se campeão de Portugal em estrada e contrarrelógio em esperanças.

Tornou-se profissional este ano na Deceuninck-Quick Step (Bélgica) e foi 2º no Giro dell’Emilia e 3º na Vuelta a Burgos.

Comandou o Giro d’Italia durante quinze das vinte e uma etapas e alcançou o quarto geral final, melhor posição de sempre de um português nesta prova do Grand Tour.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Museu Nacional Resistência e Liberdade arranca em fevereiro

Tem início em fevereiro a empreitada com vista à instalação do Museu Nacional Resistência e Liberdade na Fortaleza de Peniche, devendo a mesma estar concluída no primeiro trimestre de 2023, de modo a que possa ser inaugurado a 25 de abril de 2023, um ano antes das comemorações do 50º aniversário da Revolução dos Cravos.

museu

Fraude de vinte milhões de euros com IVA de venda de carros

Um esquema fraudulento relacionado com o comércio de automóveis que visava contornar a legislação europeia e nacional de forma a não entregar, aos Estados respetivos, o IVA que devia ser arrecadado com essas transações, foi desmantelado pela Polícia Judiciária, que deteve dois suspeitos, na sequência de mandados de detenção emitidos pela Secção de Caldas da Rainha do Departamento de Investigação e Ação Penal de Leiria.

carros

Cercina reforça respostas sociais

A Cercina – Cooperativa de Ensino, Reabilitação, Capacitação e Inclusão da Nazaré, reunida em assembleia geral no dia 29 de dezembro, aprovou por unanimidade o Plano de Atividades e Orçamento para 2022.