Q

Previsão do tempo

21° C
  • Saturday 22° C
  • Sunday 21° C
  • Monday 28° C
21° C
  • Saturday 22° C
  • Sunday 22° C
  • Monday 30° C
22° C
  • Saturday 23° C
  • Sunday 23° C
  • Monday 34° C
Escaparate

Um projeto arrojado para o Caldas S. C.

Rui Calisto

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Recentemente voltei a dedicar alguma atenção a um projeto, de autoria dos arquitetos Hugo Feliciano, Marco Godinho, Nuno Gonçalves e Vasco Antunes (contando com a colaboração do engenheiro Eduardo Freitas), que pode colocar o Caldas Sport Clube (fundado a 15 de maio de 1916) num patamar de excelência, em âmbito desportivo.
Rui Calisto

Esse emblema usufrui, desde 1934, de um recinto para a prática do futebol, conhecido nacionalmente por “Campo da Mata”, com uma lotação que pode chegar às 13.000 pessoas. Porém, as condições gerais desse local, bem como o conforto dos seus atletas, adeptos e simpatizantes, foram sempre colocadas em segundo plano, devido, naturalmente, à escassez de verbas que um clube desta dimensão possui.

Entretanto, também há poucos dias, soube que o Caldas S. C. (agora com alguma verba disponível) iniciou um somatório de ações para a requalificação do seu santuário desportivo. No entanto, pelo que consta, o projeto citado acima não foi o beneficiado. O que me entristece, devido à sua consistência e qualidade.

Elaborada, no ano de 2011, essa valiosa planta arquitetónica poderia ter sido, através de um conjunto de esforços, executada nestes nove anos. Entre estes, provavelmente, o do Financiamento Sustentável do Desporto, que permite “…explorar plenamente as possibilidades de apoio do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional a favor das infraestruturas desportivas…”.

Sem dúvida, o Caldas S. C. deve ultimar uma completa reformulação do seu espaço desportivo, se quiser, realmente, agigantar-se, pois, é inadmissível que um clube, que completou recentemente 104 anos de existência, não possua uma sede digna do seu quadro associativo e dos seus simpatizantes, uma sala apropriada para a exibição de todos os seus troféus e galardões, e um local onde a memória escrita, falada, videográfica e fotográfica seja guardada e exibida às futuras gerações. O projeto em questão possui todas as mais-valias para, finalmente, os pelicanos se orgulharem das suas instalações.

O Caldas S. C. não precisa estar na caríssima Primeira Liga, necessita, isso sim, de ser um orgulho desportivo para os caldenses, e, com um estádio como o proposto pelo projeto daqueles quatro arquitetos, pode, sem dúvida, consegui-lo.

Com a magnificência da estrutura sugerida, o novo estádio seria o local ideal para jogos-treino das seleções portuguesas, nos seus mais diversos escalões, bem como das congéneres europeias, aquando da realização dos seus estágios internacionais. Nada impediria, também, e por exemplo, que grandes clubes europeus viessem a Caldas da Rainha, aquando das suas excursões de pré-epoca, para jogos com equipas nacionais, ou mesmo para protagonizar um torneio anual (organizado pelo Caldas S.C.) com formações do grande escalão do futebol português.

O Caldas S. C. anuncia que “um novo projeto está em fase de elaboração”, o que não me parece correto, pois reflete-se em tempo e esforço despendidos.

O que foi apresentado, no ano de 2011, pelos arquitetos Hugo Feliciano, Marco Godinho, Nuno Gonçalves e Vasco Antunes, em minha modesta opinião, encerraria o assunto, pois concentra todas as mais-valias necessárias à organização desportiva de uma coletividade da dimensão do Caldas S. C.

Será que os sócios e simpatizantes já pararam para pensar que, para o crescimento do Caldas S. C., talvez seja necessário buscar um investidor internacional? Alguém disposto a tornar o clube numa marca de sucesso, que possua uma visão alargada do que o futuro nos reservará no campo desportivo. Este é o momento de se colocar em prática um excelente projeto, que já existe, e que pode ser a menina dos olhos das estruturas desportivas portuguesas do segundo escalão.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Pimpões com três títulos nos Nacionais de Verão

Entre os dias 12 e 14 de julho, o Complexo de Piscinas do Jamor acolheu o Campeonato Nacional de Piscina Longa para os escalões de Juvenis, Juniores, Seniores e Open de Portugal, contando com a presença de 809 atletas, representando 110 equipas. Os Pimpões levaram uma comitiva de 10 nadadores.

nacional

António Moura no Triatlo Starman Portugal

O caldense António Moura, em representação do clube Vitória de Janes, participou na terceira edição do Triatlo Starman Portugal, na distância de half-ironman, ficando em 11º lugar da geral e em 1º lugar no escalão 60-64 anos.

moura

“O Mar no Museu José Malhoa” é tema de visita com Dóris Santos

As férias no Museu José Malhoa e no Museu da Cerâmica continuam esta semana. Desta vez, as atividades chegam ao público adulto, com a visita temática “Depois, Malhoa”. A iniciativa busca, afirma Nicole Costa, diretora dos Museus José Malhoa, da Cerâmica e Dr. Joaquim Manso, na Nazaré, “proporcionar momentos de conhecimento sobre os nossos acervos, através do olhar de especialistas convidados – porém, por meio de um percurso pelas obras em exposição, de modo a tornar os saberes sobre arte mais acessíveis e próximos das pessoas”.

mar