Q

Previsão do tempo

22° C
  • Friday 28° C
  • Saturday 26° C
  • Sunday 22° C
25° C
  • Friday 29° C
  • Saturday 27° C
  • Sunday 23° C
23° C
  • Friday 32° C
  • Saturday 29° C
  • Sunday 24° C
Escaparate

Feiras no Parque Dom Carlos I

Rui Calisto

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
A pandemia que vem assolando o nosso belo planeta trouxe alegria ao Parque Dom Carlos I. Que ironia, não é verdade?
Rui Calisto

Foi graças à calamidade, que a natureza conseguiu robustecer-se, revigorar-se, permitindo a renovação da sua vida biológica. O que nos leva a chegar a uma conclusão: As Feiras (Cavalo e Frutos) não devem ocorrer ali. Esses dois certames são muito prejudiciais à fauna e à flora do nosso Parque.

Devemos aproximá-lo, sim, de um Jardim Botânico, e não transformá-lo num recinto de “chavascadas”, onde existe um profundo desrespeito pela natureza e, por conseguinte, pela própria saúde da população caldense, especialmente a saúde mental, pois, aquele local é uma espécie de santuário, onde vamos mitigar as tensões do nosso dia-a-dia.

Caldas da Rainha tem capacidade financeira para construir um recinto apropriado para abrigar aquelas Feiras. E se, por mero acaso, alguém disser que não, irei mais longe, anunciando que existem programas específicos na União Europeia que podem financiar a construção, ou adaptação, de uma área suficientemente grande e guarnecida com todas as especificações necessárias para termos as melhores Feiras do Cavalo e dos Frutos, em toda a nossa história.

Em maio de 2019, publiquei um artigo (Caldas da Rainha e a Biodiversidade) onde explanei sobre a necessidade urgente de se proteger a fauna e a flora do Parque Dom Carlos I, deixando ali de realizar-se aquelas Feiras. Com esse texto, conquistei um enorme número de apoiantes, o que me faz acreditar que existem pessoas – mesmo – muito preocupadas com a herança – no que trata ao ecossistema – que vamos deixar às gerações futuras.

Porém, politicamente, um ano volvido sobre a referida publicação, nada mudou, faltando, ainda, nas Caldas da Rainha, a definição dos contornos da Estrutura Ecológica Municipal, dentro de um Plano de Ordenamento do Território.

Não muito longe deste concelho há quatro Jardins Botânicos, cujos técnicos poderiam ensinar-nos muito, principalmente acerca da importância de possuirmos dois pulmões (Parque D. Carlos I e Mata Rainha D. Leonor) tão relevantes para a nossa região (e não só). Deveríamos, portanto, estreitar laços, e formalizar protocolos, com uma destas instituições: Jardim Botânico da Ajuda, Jardim Botânico de Lisboa, Jardim Botânico Tropical e Jardim Botânico da Universidade de Coimbra.

As Feiras do Cavalo e dos Frutos podem expandir-se e crescer, sem necessitarem do Parque Dom Carlos I – repito, essencial para a fauna e a flora locais, e para a saúde dos caldenses – para isso, os seus organizadores devem fazer um importante exercício de humildade, aceitando que há valores maiores a proteger e preservar.

Somos inteiramente dependentes da natureza! Sem ela, o ser humano, obviamente, deixa de existir.

Desde o século XIX que se estuda nos Estados Unidos da América o preservacionismo e o conservacionismo na questão ambiental, ambos, obviamente, a se contraporem à ganância económica a qualquer custo e à exploração predatória da natureza. E, não devemos esquecer que esse é um país completamente capitalista (foi graças a esses tipos de abordagem que se pôde criar verdadeiros pulmões em regiões importantes, surpreendentes relicários ecológicos como o Parque Nacional de Yellowstone, o mais antigo parque nacional do nosso planeta, inaugurado no dia 1 de março de 1872).

Com certeza, proteger o Parque Dom Carlos I, respeitando a sua biodiversidade e considerando os seus aspetos sócio ambientais, é garantir uma estratégia fundamental para a manutenção do nosso perfil enquanto cidade. Sem contar que, estaremos, também, a colaborar com a valorização do nosso querido Museu José Malhôa.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

As festas das aldeias e suas tradições

Com a chegada do verão começa a altura dos arraiais, das festas das aldeias, onde reina o tradicional bailarico e de seguida o dj a fazer o resto da magia.

Novo recorde de maior onda surfada na Praia do Norte

Há um novo recorde mundial de maior onda já surfada na Praia do Norte, na Nazaré, que foi alcançado pelo alemão Sebastian Steudtner, que em 29 de outubro de 2020 atingiu os 26,21 metros, segundo foi anunciado nesta terça-feira pela World Surf League (WSL), organizadora dos Red Bull Big Wave Awards.

onda