Q

Previsão do tempo

21° C
  • Monday 25° C
  • Tuesday 25° C
  • Wednesday 21° C
21° C
  • Monday 25° C
  • Tuesday 25° C
  • Wednesday 21° C
21° C
  • Monday 27° C
  • Tuesday 27° C
  • Wednesday 22° C

Regina Guimarães no Teatro da Rainha

Valentim Nataniel
19 de Junho, 2020
Realizou-se no passado dia 16, na sala-estúdio do Teatro da Rainha, nas Caldas da Rainha, mais uma sessão de Diga 33, ciclo de encontros com escritores, editores e ensaístas em estreita relação com o universo poético português.
A escritora Regina Guimarães (foto Margarida Araújo)

Desta feita, Henrique Fialho, responsável pelo programa, esteve à conversa com a escritora Regina Guimarães numa sala reorganizada de acordo com as regras da Direção-Geral da Saúde e com os lugares totalmente preenchidos.

Natural do Porto, criadora multifacetada e politicamente activa, Regina Guimarães talvez seja mais reconhecida como parte integrante da banda Três Tristes Tigres. Entre as diversas curiosidades reveladas pela autora ao longo da sessão, destaca-se a de um trabalho de tradução mantido em tempos com o Teatro da Rainha que terá estado na origem do seu interesse pela escrita de canções.

Nesta sessão deu-se a conhecer um vastíssimo trabalho poético, cuja estreia em livro, no ano de 1979, marcou o início da Hélastre, editora fundada com o cineasta Saguenail. Segundo a autora, a Hélastre é hoje mais do que uma editora, é um espaço onde são disponibilizados online todos os livros e filmes, assim como textos dramáticos e catálogos para exposições, surgidos de uma colaboração marginal aos circuitos oficiais. “Não acredito em direitos de autor”, respondeu Regina Guimarães quando interrogada sobre a razão de ser deste acto de partilha.

Da poesia à actualidade política, foram abordadas diversas questões em conversa aberta ao público, intercalada pela leitura de poemas. Sobre o seu mais recente livro, Regina Guimarães afirmou tratar-se de um volume diferente por ter obedecido, pela primeira vez, a um método de escrita. De traduções sobrepostas, em diversas línguas, de um mesmo poema original, surgiram os versos de “traumatório” (Douda Correria, Março de 2020).

Desafiada a ler um dos seus poemas de cor, Regina Guimarães respondeu afirmativamente com um poema escrito nos idos de 1990. Os aplausos não afetaram a discrição, desculpando-se a autora pela “má memória”, que não se notou. No final, foram vários os presentes que se dirigiram ao palco solicitando que autografasse alguns dos seus livros disponibilizados no local.

Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Presidente da Câmara dá pelouros ao PS para garantir governação

Decorreu na passada sexta-feira a cerimónia de tomada de posse dos novos órgãos municipais em Peniche. Um acordo entre o presidente da Câmara e o PS foi a forma encontrada para garantir uma governação estável, por existirem quatro forças diferentes eleitas para a autarquia.

peni

Hospital retoma curso de preparação para futuras mamãs

O Serviço de Obstetrícia do Centro Hospitalar do Oeste (CHO) retomou na semana passada as sessões presenciais do curso de preparação para o parto e parentalidade, suspensas desde abril de 2020 no âmbito das medidas de combate à pandemia de Covid-19.

parto1

Eleitos do Município do Cadaval tomaram posse

Realizou-se no passado dia 11 a cerimónia de instalação dos órgãos municipais do Cadaval para o mandato 2021-2025. Para além da tomada de posse, teve lugar a eleição da mesa da Assembleia.

cada