Q

Previsão do tempo

15° C
  • Monday 13° C
  • Tuesday 13° C
  • Wednesday 13° C
15° C
  • Monday 13° C
  • Tuesday 13° C
  • Wednesday 13° C
15° C
  • Monday 13° C
  • Tuesday 13° C
  • Wednesday 13° C

Supremo Tribunal de Justiça reduz pena a homem que matou ex-sogro

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
O Supremo Tribunal de Justiça (STJ) reduziu em dois anos a pena de prisão aplicada ao homem que em 2018 matou o ex-sogro numa escola da Nazaré.

De acordo com a Lusa, o STJ deu provimento parcial ao recurso interposto pelo arguido, quer quanto à pena pelo crime de homicídio simples com arma de fogo – que reduziu para 15 anos de prisão -, quer quanto à pena aplicada em cúmulo, que reduziu para 16 anos de prisão.

Em abril de 2019, o Tribunal de Leiria condenou o arguido a 17 anos de prisão pelo crime de homicídio simples, a nove meses pelo crime de ofensas à integridade física e a dois anos pela acusação de detenção de arma proibida. Em cúmulo jurídico, o coletivo de juízes entendeu aplicar-lhe a pena única de 18 anos de prisão. O arguido foi ainda condenado a pagar as custas ao hospital e uma indemnização à mulher e às filhas da vítima, no valor total de cerca de 150 mil euros.

Inconformado com a decisão, o arguido recorreu para o Tribunal da Relação de Coimbra, que confirmou a decisão proferida em primeira instância, e depois para o STJ, que, em 19 de fevereiro, julgou parcialmente procedente o recurso.

O arguido defendia que o tribunal o deveria ter declarado inimputável, face ao seu estado emocional, já que “vivia permanentemente com o desgosto de não poder ver o filho e com o receio do que o sogro lhe pudesse fazer, caso tentasse vê-lo, tendo sido abordado por este, em tom ameaçador”, descreve o acórdão.

Invocou ainda que o crime imputado não deveria ser o de homicídio simples, mas o de homicídio privilegiado, devendo ser-lhe aplicada em cúmulo jurídico uma pena não superior a cinco anos de prisão, suspensa na sua execução.

O crime ocorreu no dia 29 janeiro de 2018, no átrio da Escola Básica e Secundária Amadeu Gaudêncio, onde estuda o filho menor do arguido.

Segundo os factos dados como provados, o homem deparou-se com a ex-companheira e o ex-sogro, tendo-se gerado uma discussão entre os dois homens que acabou em confronto físico.

Nessa ocasião, o arguido retirou uma navalha que trazia no bolso e desferiu um golpe na face esquerda da mãe do seu filho e outro que atingiu o abdómen do ex-sogro.

De seguida, empunhou um revólver e efetuou quatro disparos contra o ex-sogro. Quando o ofendido estava já caído no chão, e não obstante as súplicas da ex-companheira, aproximou-se do mesmo e efetuou mais dois disparos a cerca de meio metro, que o atingiram na zona da cabeça.

A vítima foi assistida no local e foi transportada para o hospital de Santo André, em Leiria, onde acabou por morrer no mesmo dia.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Arneirense com várias medalhas em pista coberta

A equipa feminina do Arneirense é campeã distrital e a masculina é vice-campeã distrital em sub18 pista coberta, após a última jornada do campeonato, que decorreu na passada quarta-feira e na qual a Escola de Atletismo do clube das Caldas da Rainha esteve presente com dez atletas.

arneirense

Indiciado de violência sobre a esposa permanece em liberdade

Um homem de 58 anos, do Bombarral, que está indiciado da prática do crime de violência doméstica agravado sobre a sua esposa, ficou em liberdade a aguardar o desenvolvimento do processo judicial, depois de no passado dia 14 ter sido presente a um juiz de instrução criminal.

violencia

Suspeitos de fraude com comércio de automóveis em prisão preventiva

O Ministério Público da 1ª Secção das Caldas da Rainha do Departamento de Investigação e Ação Penal da Comarca de Leiria apresentou a primeiro interrogatório judicial, no dia 13 de janeiro, o gerente e o contabilista de várias sociedades comerciais que foram detidos no âmbito de um esquema fraudulento relacionado com o comércio de automóveis, ficando a aguardar o desenrolar do processo sujeitos à medida de coação de prisão preventiva.

fraude