Q

Previsão do tempo

14° C
  • Sunday 13° C
  • Monday 13° C
  • Tuesday 13° C
14° C
  • Sunday 13° C
  • Monday 13° C
  • Tuesday 13° C
14° C
  • Sunday 13° C
  • Monday 14° C
  • Tuesday 13° C
Escaparate

O Santuário do Jesus da Pedra

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Esta semana, devido às minhas continuadas investigações acerca da vila de Óbidos, senti uma necessidade curiosa de adentrar a porta principal do Santuário do Jesus da Pedra.
Rui Calisto

Este magnífico espécimen arquitetónico e religioso, originário do século XVIII, é um monumento notável. A sua inauguração remete-nos para o distante ano, de 1747, estava D. João V “O Magnânimo” (1689-1750) sentado no trono português (casado com Dona Maria Anna Josefa, arquiduquesa de Áustria (1683-1754). Este monarca possuía indubitavelmente uma grande visão cultural, basta, para o comprovar, ver os imensos vestígios do seu tempo de reinado: O Palácio Nacional de Mafra, a maior parte da coleção do Museu Nacional dos Coches, o Aqueduto das Águas Livres de Lisboa, a Biblioteca Joanina da Universidade de Coimbra, a Academia Real da História Portuguesa, a criação do Patriarcado de Lisboa, e o Tratado de Madrid de 1750. O risco da obra do Santuário do Jesus da Pedra é de autoria do arquiteto capitão Rodrigo Franco (1709?-1763), “e tem a particularidade de articular um volume cilíndrico (exterior) com um polígono hexagonal (interior), em planta centrada à qual se anexam três corpos (dois correspondentes às torres e outro que corresponde à sacristia). No seu programa de simetrias destaca-se o jogo de janelas invertidas. O seu interior apresenta três capelas: a capela-mor dedicada ao calvário, com uma tela de André Gonçalves, e as capelas laterais dedicadas a Nossa Senhora da Conceição e à Morte de São José, com telas de José da Costa Negreiros. A “estranha” imagem de pedra de Cristo Crucificado, em maquineta própria no Altar-Mor, esteve até à inauguração do Santuário recolhida numa pequena ermida junto à estrada para Caldas da Rainha onde era objecto de grande devoção, nomeadamente do Rei D. João V.”. O Santuário do Jesus da Pedra deve a sua nomenclatura a uma provecta cruz de pedra, cinzelada com uma efígie antropomórfica, em que se admitia existir um condão espiritual muito intenso. Conta a lenda que essa imagem do Senhor da Pedra foi encontrada, entre 1734 e 1735, por um agricultor – enquanto caminhava junto a um silvado – que rogava a Deus para que protegesse as suas searas. Existem outras lendas, mas essa é aquela em que acredito, pois foi-me passada pelo meu avô Manuel Calisto (nascido e criado dentro das muralhas, na vila de Óbidos) que a ouvira de seus antepassados. Refiro que, os meus sétimo-avós, do ramo paterno, no ano de 1734, residiam dentro das muralhas da vila de Óbidos, ali nascidos, segundo pesquisa cruzada, entre 1705 e 1709. Depois do aparecimento da Cruz do Senhor Jesus da Pedra, a devoção religiosa dos moradores da região levou-os a dar-lhe uma guarida. Fora, então, construída, no ano de 1739, uma modesta capela de madeira, que, durante oito anos, a protegeu, até que, em 1747, foi inaugurado o magnífico Santuário. Faço notar, também, que os meus sexto-avós, do ramo paterno, no ano de 1747, residiam dentro das muralhas da vila de Óbidos, ainda não casados, nascidos, segundo os mesmos moldes de prospeção, entre 1730 e 1734. Ainda segundo o meu avô Manuel, no ano de 1919 – estava ele com 10 anos de idade – pode ouvir o Oratório de Natal, de J. S. Bach (1685-1750) no interior daquele templo. Um acontecimento que, infelizmente, não ecoa nos dias atuais. Bendito instante em que adentrei as portas do Santuário do Jesus da Pedra, pois fez-me recordar de uma Óbidos cuja memória me fora sendo transmitida de um modo característico, muito peculiar, em tom de reminiscência, como só o meu avô Manuel sabia fazer.

Rui Calisto

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

O Trump francês

Éric Zemmour é filho de judeus franceses argelinos, designa-se judeu berbere, tem um nome afrancesado — azemmur significa azeitona em cabila, a língua berbere da Argélia — e defende que os imigrantes devem afrancesar os nomes dos filhos. Acha inconcebível que um neto de imigrantes continue a chamar-se Mohammed. Diplomado pelo Instituto de Estudos Políticos de Paris (vulgo Sciences Po), jornalista, político, escritor, ensaísta, polemista, cronista…

Dois médicos vão reforçar Unidade de Saúde Familiar

Foi concedido um regime de exceção para a Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT) contratar mais dois médicos avençados para ajudar a resolver a atual fraca resposta da Unidade de Saúde Familiar do Bombarral.

usf

Morreu na cama

Os bombeiros das Caldas da Rainha tiveram na manhã da passada sexta-feira de forçar a entrada numa habitação na aldeia do Chão da Parada para tentar socorrer uma mulher de 55 anos que vieram a encontrar deitada na cama em paragem cardiorrespiratória, na sequência de doença súbita.