Q

Previsão do tempo

20° C
  • Wednesday 27° C
  • Thursday 25° C
  • Friday 25° C
20° C
  • Wednesday 27° C
  • Thursday 25° C
  • Friday 26° C
21° C
  • Wednesday 29° C
  • Thursday 27° C
  • Friday 28° C
Rede de Cidades Criativas da Unesco

Câmara vai investir 1,8 milhões de euros em programação e edifícios de apoio

Mariana Martinho

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
A integração das Caldas da Rainha na rede de Cidades Criativas da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco), que foi “merecida e responsabilizante”, prevê um investimento por parte da Câmara Municipal das Caldas da Rainha, no valor de 1,8 milhões de euros, em programação e edifícios, que servirão de apoio à mesma. Esta candidatura, que foi “vitoriosa, assumindo-se como um desafio exigente e por isso também exaltante”, foi assinalada no passado dia 28, com uma cerimónia no Centro de Artes.
Cerimónia no Centro de Artes das Caldas da Rainha

A distinção para as Caldas da Rainha, que foi aprovada a 30 de outubro, teve início em 2015 com apresentação da candidatura, que “obteve o justo reconhecimento em menos tempo do que o inicialmente previsto”. Liderada por João Serra, a equipa que preparou a candidatura recorda que o projeto apontava para a apresentação da mesma apenas em 2020, mas, “antecipámos um ano este processo”, o que também fez com que o programa delineado inicialmente “não fosse integralmente cumprido, certamente por deficiência nossa e talvez excesso de ambição”. Apesar disso permitiu “estabelecermos parcerias e linhas de atuação que, se forem prosseguidas, consolidarão a médio prazo o objetivo de consagrar Caldas da Rainha como cidade cerâmica sustentável”. O historiador aproveitou a ocasião para anunciar que “estes quatro anos de exercício agora, por vontade própria, chegam ao fim”, no entanto relembrou algumas responsabilidades que decorrem para a autarquia e para os seus parceiros. Nesse sentido, a política pública municipal deverá prosseguir e reforçar as parcerias com as escolas, os centros de formação cerâmica e as associações culturais, que inscrevem o estudo e a promoção a atividade cerâmica nas suas atividades. Igualmente reforçar o apoio à investigação em relação com os objetivos da política municipal para o setor, elaborar um programa de ações de estímulo à internacionalização do setor cerâmico artesanal, definir um plano de incentivos à fixação de novas unidades de pequena produção autoral e de apoios ao desenvolvimento do próprio negócio, e defender um plano de salvaguarda e proteção do património cerâmico público urbano, designadamente o património azulejar e artístico, que “vem sendo destruído a um ritmo intenso”. João Serra também sugeriu a adoção de um plano de médio prazo de musealização da Cidade Cerâmica, “contratualizado com outras entidades públicas e privadas, pondo de pé os instrumentos de gestão e de financiamento ajustados”, e lançar um “grande evento bienal de âmbito multidisciplinar”, no qual se possam materializar os objetivos e instrumentos da política pública para o setor, como por exemplo a recuperação da designação Molda. Além disso propôs a inscrição deste conjunto de ações no programa regional de cultura que sustentará a candidatura de Leiria a Capital Europeia da Cultura em 2027, e ainda arranjar forma de “garantir um modelo adequado de gestão e de financiamento da Cidade Criativa, interlocutor da rede Unesco”. Por fim referiu que “a expetativa é elevada mas a cidade dispõe hoje de interlocutores e de colaboradores em quantidade e qualificação, para garantir a ambição deste projeto”.

Candidatura baseia-se “em três linhas mestras”

Luísa Arroz, docente que liderou a elaboração do dossiê da candidatura, afirmou que “estabelecemos algumas prioridades, entre as quais três, que no fundo são as linhas mestras da candidatura”. A primeira, segundo a docente, vai procurar “materializar aquilo que já vemos na cidade, que é um ponto de encontro para a cerâmica onde muitos dos ceramistas que aqui trabalham e outros que não trabalham no concelho sentem necessidade de vir às Caldas para ver o que está acontecer ou trocar ideias com outros ceramistas”. Nesse sentido, “vamos querer dar materialidade a esse cluster que se forma na cidade”, mas “uma gestão mais profissional pode maximizar a visibilidade daquilo que é produzido na cerâmica”. Igualmente pretendem dar maior visibilidade à cerâmica artesanal através do digital e criar um catálogo de boas práticas, um centro de conhecimento na área da sustentabilidade, e um observatório para avaliar as práticas de sustentabilidade. A este observatório também vai estar associada a criação de um ecoponto para a recolha dos resíduos cerâmicos. Presente na ocasião também esteve o presidente da Câmara Municipal, Tinta Ferreira, que referiu que “esta distinção coloca a cidade num patamar que vai para além das suas fronteiras”, apesar de ter sido “uma aposta de risco”. No entanto, “felizmente munimo-nos das condições adequadas e agentes mais capazes, que nos permitiram fazer o processo e valorizar o que Caldas tem para oferecer”. Neste momento “estamos perante um conjunto de dez compromissos”, o qual implica também a qualificação e ampliação do Museu de Cerâmica, que “queremos que este seja um museu nacional verdadeiro”, e de outros dois edifícios. Um deles é a oficina dos artistas, que “pretendemos instalar no edifício junto à parada”, um espaço de venda e de produção por parte de artesãos e de ceramistas, e o outro o Pátio dos Burros, situado no centro da cidade. Este último, que já está adjudicado no valor de 442 mil euros, prevê a requalificação para ser transformado num espaço de trabalho e venda de produção de artesanato no centro da cidade. Além destes também o edifico junto ao Posto de Turismo será transformado em novos espaços de exposição. No total em programação e no edificado, a autarquia vai investir 1,8 milhões de euros, com intuito de “alavancar a ideia de criar um corredor criativo, que ligue a ESAD.CR até ao CCC”.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Despiste de mota mortal

Um homem de 44 anos morreu na tarde do passado domingo no Cadaval, na sequência do despiste da mota que conduzia.

Brass Dass animou ruas da cidade

No âmbito do programa de Animação de Verão 2022, promovido pela Câmara Municipal de Caldas da Rainha, em parceria com o Centro Cultural e de Congressos de Caldas da Rainha, decorreu no passado sábado mais uma arruada pela cidade.

anima