Q

Previsão do tempo

16° C
  • Saturday 23° C
  • Sunday 24° C
  • Monday 25° C
17° C
  • Saturday 24° C
  • Sunday 25° C
  • Monday 26° C
17° C
  • Saturday 26° C
  • Sunday 27° C
  • Monday 28° C

Fez 12600 quilómetros de mota entre a Mongólia e Peniche

Francisco Gomes (texto) | Carlos Tiago (fotos)

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Carlos Ávila, de 59 anos, percorreu 12600 quilómetros em 29 dias para fazer a ligação de mota entre a Mongólia e a cidade de Peniche. À chegada à terra de onde é natural, no passado sábado, foi recebido por um grupo de motociclistas e pela Câmara.
Receção em Peniche pela associação de motociclismo

O motard trabalha para o Governo de Macau, território onde se encontra há 29 anos. Aproveitando as férias, no ano passado fez a ligação dali até à Mongólia. 3730 quilómetros em oito dias. Deixou lá a mota e regressou este ano para completar o resto do percurso desde Ulan Bator (Mongólia) até Portugal, passando, entre 20 de julho e 17 de agosto, por onze países, ao longo de 12600 quilómetros em 29 dias.

“Gosto de fazer viagens de longa duração, mas é a viagem de uma vida”, manifestou.

Pelo meio tem várias histórias. Ainda na Mongólia caiu duas vezes na lama da estrada de terra batida e ficou debilitado fisicamente e devido ao peso que levava danificou a suspensão traseira do veículo, na Sibéria apanhou temperaturas muito baixas e andou dezenas de quilómetros entre floresta onde não se viam casas ou pessoas, e na Rússia a gasolina de fraca qualidade avariou a mota. A passagem pela fronteira da Letónia foi complicada.

“Estive cinco horas à espera para entrar. Havia muita burocracia, muita inspeção de bagagens e de documentos”, relatou Carlos Ávila.

Na Alemanha foi recebido pelo embaixador português em Berlim, João Mira Gomes, e nos restantes países não encontrou dificuldades. Antes de entrar em Portugal, sabendo da crise energética, abasteceu o depósito.

“Abasteci em Espanha com medo de não conseguir arranjar gasolina. Havia uma fila longa de carros mas esperei. Já em Portugal abasteci a caminho de Peniche sem qualquer restrição”, contou.

Na terra de onde é natural foi recebido pela associação de motociclismo e pela Câmara de Peniche, com chegada simbólica ao Cabo Carvoeiro.

A mota vai ficar no país, enquanto Carlos Ávila regressa de avião para Macau para voltar ao trabalho, depois de ter cumprido o seu sonho nestas férias.

“Estou muito satisfeito. Quero agradecer a receção”, declarou.

Com uma média de 600 a 700 quilómetros por dia, havendo dias em que descansou, pernoitou em hotéis, tendo esta maratona representado um investimento de cerca de dez mil euros.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Problemas da saúde transmitidos em audiência com secretária de estado  

A secretária de estado da saúde, Maria de Fátima Fonseca, transmitiu nesta sexta-feira ao presidente da Câmara Municipal das Caldas da Rainha, Vitor Marques, que estão a ser tomadas várias medidas para reforçar a capacidade de recrutamento de médicos, um dos principais problemas que afetam o setor da saúde na região e no país.

secretaria

Marcha do Orgulho com mais de 300 participantes

Realizou-se nas Caldas da Rainha, no passado domingo, uma marcha em defesa da comunidade lésbica, gay, bissexual, transgénero e outras orientações de género, com mais de três centenas de manifestantes a rejeitarem serem discriminados e a reclamarem por condições que permitam assumir as suas escolhas perante a sociedade.

marcha1

Open Days do Emprego revela que “faltam pessoas para trabalhar”

Célia Roque, diretora do Centro de Emprego de Oeste Norte (que abrange sete concelhos), considerou no Open Days do Emprego, que decorreu na Expoeste, nas Caldas da Rainha, que um dos fatores mais críticos da região é a “falta de pessoas para trabalhar”.

emprego 1