Q

Previsão do tempo

13° C
  • Thursday 16° C
  • Friday 19° C
  • Saturday 18° C
13° C
  • Thursday 16° C
  • Friday 19° C
  • Saturday 18° C
14° C
  • Thursday 16° C
  • Friday 20° C
  • Saturday 18° C
“Tourada é tortura. Não é arte, nem cultura!"

Protesto contra a Tradicional Corrida de Toiros nas Caldas da Rainha

Marlene Sousa
23 de Agosto, 2018
No dia 15 de agosto, teve lugar um protesto contra a Tradicional Corrida de Toiros nas Caldas da Rainha, levado a cabo por um movimento organizado por um grupo de cidadãos das Caldas através das redes sociais.
No dia 15 de agosto, teve lugar um protesto contra a Tradicional Corrida de Toiros nas Caldas

Na ação foram gritadas palavras de ordem como “Tourada é tortura, não é arte, nem cultura” e “nas Caldas nós sabemos que touradas não queremos”. “O que é que nós queremos? abolição já!!!!! as touradas vão acabar, esta praça vai fechar”.

Segundo o caldense, Filipe Maia, um dos elementos do protesto foi uma ação “pacífica e com a autorização da PSP”, “assente na imposição do sofrimento e humilhação à qual o animal é exposto, com sacrifício da sua vida, para gaudio de um público de uma corrente ideológica maioritariamente ligada ao conservadorismo e absolutismo, presos a um passado remoto, parecendo desconhecer que o progressivo abandono de tradições retrógradas e sangrentas é o que caracteriza a evolução de uma sociedade”.

“Não há desculpas para dizer, em 2018, que os animais não sentem dor”, sublinhou, o ativista, reclamando a abolição das touradas. Segundo, Filipe Maia é “importante assinalar como fator motivacional do movimento anti tourada o facto da ciência reconhecer inquestionavelmente a maioria dos animais, incluindo touros, como seres dotados de sensibilidade, sendo-lhes assim possível experienciar dor, medo, angústia, stress e ansiedade”. Salientou o militante da causa a favor da defesa dos animais, a exposição “dos nossos jovens e crianças a espetáculos sádicos e sangrentos, sustentados pela tentativa de perpetuar uma tradição espanhola é igualmente preocupante”.

Lembrou também que recentemente a ONU recomendou a “Portugal a tomada de medidas para restringir o acesso de menores às touradas”.

Para o ativista, é “necessária a sensibilização de rua, por parte de ativistas e voluntários de forma a alertar o cidadão para a realidade à qual o animal é sujeito, pois o sofrimento não começa apenas no início do “espetáculo” ao contrário do que se pensa”. “A barbárie começa antes e termina depois, já longe do olhar do público”, alertou.

À semelhança da tourada, o movimento anti tourada lamenta qualquer outro ato de vandalismo. “Da mesma forma que nos opomos a quem vandaliza o direito à dignidade de um animal, também nos opomos ao vandalismo das arenas, ou outro espaço similar, bem como a qualquer forma de hostilidade dirigido a qualquer aficionado”, afirmou, Filipe Maia.

O manifestante revelou ainda é “crescente o número de vozes que se junta a este protesto, com a cara descoberta ou anonimamente. Cada geração encontra os ideais pelos quais vale a pena sair à rua, e o fim da tauromaquia reúne cada vez, mais defensores”.

Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Pizza Hut abre na entrada sul da cidade

Abriu nesta terça-feira o 99º Pizza Hut em Portugal e o primeiro nas Caldas da Rainha, criando 25 postos de trabalho neste restaurante especializado em pizzas e massas cujo estabelecimento original surgiu nos Estados Unidos da América.

pizza hut1

Caldas venceu dérbi do Oeste

À sexta jornada, o Caldas Sport Clube impôs a primeira derrota ao Torreense, líder da Série B da Liga 3, com 13 pontos, vencendo no passado domingo, por 2-0. Somou o seu terceiro triunfo na competição, registando agora 10 pontos.

caldas1 1