Q

Previsão do tempo

13° C
  • Friday 17° C
  • Saturday 13° C
  • Sunday 16° C
13° C
  • Friday 17° C
  • Saturday 14° C
  • Sunday 16° C
13° C
  • Friday 17° C
  • Saturday 14° C
  • Sunday 17° C
Escaparate

Criação e Fundação do Museu do Azulejo

Rui Calisto

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Diversas são as fachadas de edifícios em Caldas da Rainha que transformaram esta cidade num exemplo arquitetónico.

Desde meados do século XIX que inúmeras fábricas locais começaram a produzir azulejos de alta qualidade e estes a serem aplicados nas frontarias de diversas edificações na região central da cidade.

Mesmo após o descalabro arquitetural, que violentou o centro histórico a partir dos anos 80 do século XX, Caldas da Rainha ainda possui diversos espécimes valiosos, daquelas “Casas de Loiça” que tanto encantaram os turistas em remotos períodos balneares.

O que é necessário para salvar todo o património que ainda resiste ao tempo e à sanha descabida da construção desordenada é, apenas e só classificar todas as construções que possuem fachadas azulejadas, impedir que se façam alterações no traço, cuidar da sua recuperação e efetuar uma regular manutenção.

O que podemos fazer para salvaguardar aquela herança passa por tratar da Criação e Fundação do Museu do Azulejo. Ideia que poderá ter duas vertentes: A da proteção afetiva daquele património e o incentivo para o ressurgimento de um grande polo industrial relacionado com a arte da azulejaria.

Como a maioria dos caldenses deve saber, nem todos os azulejos de Caldas da Rainha são de autoria de Rafael Bordalo Pinheiro, mas, mesmo assim, é urgente que se classifiquem os existentes, para não cometermos o risco de autenticar património de modo erróneo.

O nome e o produto “azulejo” vem do árabe, e ganhou tradição em Portugal há mais de quinhentos anos. É encontrado em casas comuns, casas senhoriais, igrejas, palácios, conventos, jardins e estações de caminho de ferro, e, naturalmente, foi renovando o panorama citadino. Os primitivos modelos e padrões (os “hispano mouriscos”) trazidos para o país, chegaram de Sevilha, ao encerrar do século XV, e foram diretamente para as paredes de inúmeras igrejas e palácios. Em solo lusitano sofreram de uma benéfica inspiração por parte dos artesãos e suas artes decorativas, que enxamearam-nos de padrões têxteis, de gravuras, de imagens relativas às viagens dos portugueses ao Oriente, e ainda da rendilhada filigrana ornamental da ourivesaria. Como resultado, temos inúmeros painéis que preenchem as mais diversas paredes, cada um com a sua marca cenográfica, característica furtada do Barroco, com diversos fundamentos geométricos, perfeitas temáticas alegóricas e manifestações riquíssimas de uma flora e fauna, que raiam o exótico.

Em Caldas da Rainha, ainda temos tempo de salvaguardar toda a riqueza azulejar existente, por isso, a criação e fundação de um organismo – em moldes similares ao de Lisboa – é essencial. Esse instituto de preservação da memória do azulejo teria por missão classificar, conservar, divulgar, documentar, estudar, inventariar, investigar, recolher e restaurar os exemplares representativos da sua expansão no concelho, permitindo, inclusive, que se venha a trabalhar a mentalidade popular, no sentido de incentivar o surgimento de novos edifícios, com características arquitetónicas e históricas que não nos envergonhem, e que possuam o azulejo como principal atrativo turístico, firmando, em definitivo, o nome de Caldas da Rainha no rol das localidades mais importantes do planeta, no que trata à preservação de tão esplêndido, estético e distinto componente.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Festival das Sopas ajuda jovens

O I Festival das Sopas vai realizar-se no Centro Paroquial de Salir de Matos, nas Caldas da Rainha, no dia 18 de dezembro,pelas 13h. O evento contará com sopa da pedra, sopa de peixe, sopa de legumes e canja. Também haverá petiscos, filhós, café da avó...

Idosos com festa de natal no Nadadouro

Os utentes do cartão municipal do idoso nas Caldas da Rainha têm uma festa de natal no dia 15 de dezembro, pelas 12h, naAssociação Cultural e Recreativa do Nadadouro. As inscrições são obrigatórias até dia 12, na junta de freguesia da área de residência ou ao...

Natal Solidário do Sport Clube do Bairro

No dia 4 de dezembro realizou-se o Natal Solidário do Sport Clube do Bairro, coletividade do Bairro Senhora da Luz, emÓbidos, que conseguiu atingir os principais objetivos, que era juntar as crianças da comunidade e proporcionar uma série deatividades em que elas...

ramalho