Q

Previsão do tempo

15° C
  • Monday 16° C
  • Tuesday 14° C
  • Wednesday 17° C
15° C
  • Monday 16° C
  • Tuesday 14° C
  • Wednesday 17° C
15° C
  • Monday 16° C
  • Tuesday 15° C
  • Wednesday 17° C
Especialista mundial em criatividade faz visita

“Caldas da Rainha é uma cidade a descobrir”

Marlene Sousa

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
“Há muito mais do que se pensa das Caldas da Rainha. É preciso andar e passear na cidade para a descobrir”, disse Charles Landry, um dos maiores especialistas mundiais em criatividade urbana, depois de ter visitado as Caldas na passada segunda-feira. O britânico, guiado pelo presidente da Câmara das Caldas e por Nicola Henriques, do projeto Contentor Criativo, saiu dos Silos, onde deu uma palestra e foi a caminhar até ao Hospital Termal. No caminho teve a oportunidade de conhecer melhor a cidade, reconhecendo que “houve algumas surpresas como a Rota Bordaliana, e a Exit, a exposição de cerâmica de ex-alunos da ESAD.CR nas vitrinas das lojas da cidade, o que significa que “a cerâmica faz parte da vida diária das Caldas da Rainha”. O criativo destacou ainda a potencialidade da Praça da Fruta e do Hospital Termal.
Charles Landry com Nicola Henriques a conhecer a Praça da Fruta

O britânico, que desde a década de 80 tem desenvolvido o conceito de Cidade Criativa, foi o convidado do projeto Silos – Contentor Criativo, instalado na antiga fábrica de moagem Ceres, onde antes da visita à cidade deu uma palestra sobre o papel da criatividade “no sucesso das cidades” e na resolução dos problemas atuais.

No final e questionado pela imprensa sobre o que acha das Caldas da Rainha, Charles Landry disse que “não é a cidade mais bonita do mundo, mas isso dá-lhe potencial criativo para se tornar mais interessante”.

O especialista em criatividade urbana, que esteve em Óbidos no domingo onde participou no Folio, deu o exemplo daquela vila, que “é muito atrativa e perfeita e um local que as pessoas não querem mudar”. Mas nas Caldas defendeu que pode-se “criar e fazer mais”, sugerindo que “possa ser uma incubadora da região onde as ideias se realizam”.

Sustentou também que “é preciso que os jovens sintam que a cidade lhe dá oportunidade de seguir os seus sonhos”, ou seja, que seja um território “que se questione, aberto a novas ideias e projetos e onde as coisas aconteçam”. Também apontou o fator económico, uma vez que “Lisboa tem um custo de vida mais elevado que nas Caldas”.

Quanto ao projeto Silos – Contentor Criativo, que acolhe ateliers “low-cost” para projetos artísticos, apontou como “um exemplo de como a abertura à criatividade pode transformar as cidades”. Elogiou a dedicação de Nicola Henriques, mas alertou que “uma pessoa só não faz uma cidade, é preciso arranjar forma de trabalhar com mais pessoas”.

Na palestra, Charles Landry sublinhou a importância da “participação cívica” na gestão das cidades e na identificação das marcas identitárias a desenvolver.

Como podem cidades mais pequenas como Caldas da Rainha lidar com os desafios da economia global e como podem ganhar mais importância? Num mundo em que cada vez há mais mobilidade é preciso “trabalhar em rede”, defendendo cidades mais “atraentes e vibrantes”. Para o especialista a “criatividade tem como principal objetivo a resolução de problemas e a criação de oportunidades”.

No caso das Caldas da Rainha, o autor admitiu que um dos caminhos possa ser o relançamento do termalismo, no qual se encontra a recuperação dos pavilhões do Parque D. Carlos I e a sua transformação num hotel de cinco estrelas.

Mas nesse campo, alertou, “a cidade tem que se preparar para um aumento do turismo” e implementar soluções imaginativas para “não sofrer os aspetos negativos do turismo de massas”, contestado em várias cidades do mundo.

A presença de Charles Landry nas Caldas da Rainha está enquadrada num conjunto de ações dedicadas ao tema ‘Fazer Cidade’, desenvolvidas pela Associação Destino Caldas/Projeto Silos Contentor Criativo. A iniciativa decorreu no seguimento da parceria estabelecida entre os SILOS Contentor Criativo e a recém-formada associação Build The City, que desde o início do ano tem estado a trabalhar com Charles Landry.

O objetivo da associação é “alargar o trabalho que tem sido feito com Charles Landry, que identificou uma série de questões para abordar na cidade de Lisboa e que agora gostávamos de alargar a outras cidades do país”, disse Duarte de Lima Mayer, da associação.

Charles Landry criou o conceito de Cidade Criativa no final dos anos 80 e o trabalho que desenvolve centra-se no modo como as cidades criam e desenvolvem condições para que pessoas e organizações possam pensar, planear e agir com imaginação a resolução de problemas e criação de soluções e oportunidades.

Foi consultor de centenas de projectos de interesse público e privado, dinamizando conferências e workshops em 65 países. É também o mentor mais de 500 projetos desenvolvidos em cidades de todo o mundo e de mais de 200 publicações.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Concurso de gastronomia coreana ganho por alunos da EHTO

Os alunos da Escola de Hotelaria e Turismo do Oeste, do curso de Gestão e Produção de Cozinha (3.º semestre), Inês Silva e Rodrigo Fé, formaram a equipa vencedora do Concurso de Gastronomia Coreana Hansik Contest 2022, que decorreu no passado dia 25 na Escola de Hotelaria e Turismo do Algarve.

coreana

Aluno da EHTO no MasterChef

Guilherme Romão, aluno da Escola de Hotelaria e Turismo do Oeste, das Caldas da Rainha, no Curso de Padaria Avançada 2021 (sexta edição), está a participar na nova temporada do Programa "MasterChef Portugal".

guilherme

Peniche com campeão de muay thai

O Município de Peniche soma mais um campeão nacional, desta feita, o atleta Cláudio Figueiras, da classe de cadete do MSA-Sitnarong Muay Thai Camp Peniche/Portugal.

claudio