Q

Previsão do tempo

12° C
  • Saturday 11° C
  • Sunday 9° C
  • Monday 10° C
12° C
  • Saturday 11° C
  • Sunday 9° C
  • Monday 10° C
12° C
  • Saturday 11° C
  • Sunday 9° C
  • Monday 10° C

Qatar: religião ou economia?

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
A Arábia Saudita, o Bahrein, o Egito e os Emirados Árabes Unidos anunciaram recentemente o corte de relações diplomáticas com o Qatar. Segundo os mesmos, o corte de relações teve como fundamento principal o pretenso apoio do Qatar aos jiadistas, nomeadamente os do autoproclamado Estado Islâmico (Daesh).

Nos últimos dias a crise diplomática intensificou-se com um ultimato a Doha, por parte dos vizinhos árabes do Golfo, com uma lista de 13 exigências. Do ultimato constam, nomeadamente, a exigência de encerramento da televisão al-Jazeera, bem como de uma base militar da Turquia, e a redução das ligações diplomáticas com o Irão. A resposta do Qatar, pela voz do seu ministro dos negócios estrangeiros, foi no sentido da rejeição total ao ultimato. Do ponto de vista de Doha, trata-se de uma violação da soberania do país, e por isso “inaceitável”.

Vejamos agora a questão do Golfo por outro prisma. O Qatar é um dos maiores produtores mundiais de gás natural. Recentemente anunciou o aumento da produção na ordem dos 30%, tornando-se desta forma no maior exportador mundial de GNL (Gás Natural Liquefeito). Nas próximas décadas o GNL parece ser uma alternativa muito válida (quiçá a principal) ao petróleo. Se esta tendência se confirmar, significa que assistiremos nos próximos anos à queda do preço do petróleo em detrimento do gás natural.

Sabemos bem a importância do petróleo para nações como a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos. Ora, são justamente estes países que estão na linha da frente contra o Qatar, na mais recente crise do Golfo. Neste “jogo” tático, a posição das grandes companhias petrolíferas (ExxonMobil, Shell, Total, etc.) parece relativamente ambígua. Embora existam pressões por parte da Arábia Saudita e dos Emirados Árabes Unidos, aquelas empresas têm interesses muito relevantes no Qatar, posicionando-se estrategicamente na produção de GNL, tendo em conta a crescente relevância deste no mercado energético mundial.

Aqui chegados, temos o seguinte. Por um lado, um ultimato de base política e religiosa, já que se baseia num presumível apoio do Qatar ao Daesh. Por outro, um complexo jogo tático que envolve o controlo das principais fontes energéticas mundiais.

Tendo em conta o que referi atrás, e se juntarmos uns tantos outros dados à equação (por exemplo, o atual enorme défice orçamental da Arábia Saudita), sou levado a concluir que, mais uma vez na História da Humanidade, a religião é o pretexto ideal para justificar um conflito que não terá outro objetivo senão a conquista de poder económico. Os séculos vão passando, mas o fundamental não muda. Infelizmente para todos nós.

jrfkg????tas. Mas existe o outrsponsabilidade camental para abrandar a propagaçstivo ande afluxo de turistas. Mas existe o outr

Marco Libório

CEO da UWU Solutions / Consultor / Docente

mliborio@gmail.com

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Bom senso? Sim, exigimos bom senso

Assim que a revolta dos professores atingiu o limite e explodiu com a proposta inacreditável do governo estender o compadrio e a cunha ao processo de contratação, primeiro-ministro e ministro da Educação deram publicamente o dito pelo não dito. António Costa chegou...

martins

Suspeitos de pesca ilegal fogem à GNR

O Subdestacamento de Controlo Costeiro da Nazaré da GNR apreendeu seis quilos de meixão naquele concelho, no passado dia 24, no âmbito de uma ação de fiscalização levada a cabo com o objetivo de combater a captura ilegal de enguia europeia, vulgarmente conhecida...

meixao 1

Infantis de Óbidos em bom plano

A equipa de infantis do clube Óbidos Criativa competiu, no passado dia 21 na XXX Taça Vale do Tejo, nas piscinas municipais de Alcobaça. Mara Cotrim, Leonor Martins, Leonor Silva, Justin Borges, Tiago Correia e Pedro Capinha foram os jovens que nadaram com as cores...

infantis 2