Q

Previsão do tempo

9° C
  • Tuesday 12° C
  • Wednesday 9° C
  • Thursday 13° C
9° C
  • Tuesday 12° C
  • Wednesday 9° C
  • Thursday 13° C
8° C
  • Tuesday 12° C
  • Wednesday 9° C
  • Thursday 13° C
1,8 toneladas de cocaína a caminho da Nazaré

Agência americana antidroga e Polícia Judiciária juntas na apreensão de droga

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
A apreensão de 1,8 toneladas de cocaína em alto mar, a norte dos Farilhões, ao largo de Peniche, a menos de vinte milhas da costa, que estava a ser transportada pela embarcação “Onda Nazarena” com destino ao porto da Nazaré e que levou à detenção de cinco pessoas suspeitas de tráfico de droga, a 20 de agosto de 2015, resultou de uma operação oculta da Polícia Judiciária (PJ) e da Drug Enforcement Administration (DEA), agência norte-americana de combate ao narcotráfico.
Droga foi detetada a bordo do “Onda Nazarena” (foto Carlos Tiago)

Em videoconferência, com a imagem desfocada, a voz distorcida e com nome de código, dois inspetores da PJ contaram na semana passada ao coletivo de juízes do Tribunal de Leiria como se desenrolou a operação. Segundo referiram, a PJ foi contactada pela DEA com o objetivo de “desmantelar uma organização internacional” de tráfico de droga e “identificar” suspeitos de uma rede, para tentar chegar “o mais alto possível” [cargo da rede].

De acordo com a agência Lusa, os inspetores adiantaram que os americanos adquiriram a droga a alegados traficantes no sul da América, também numa operação encoberta. O produto estupefaciente foi depois transportado para Portugal num “voo comercial normal”.

A PJ ficou na posse da droga cerca de cinco dias, data em que iria fazer o transbordo para o barco onde estavam os suspeitos, em alto mar.

O veleiro onde seguiam os inspetores encobertos contatou, em alto mar, o barco dos arguidos, para fazer o transbordo de 63 fardos de cocaína, o que se veio a concretizar.

Depois do transbordo, a embarcação oculta afastou-se e no regresso à Nazaré o barco dos arguidos foi intercetado, e levado para o porto de pesca de Peniche, onde foi feita a revista ao barco.

“Uma ação encoberta desta natureza não é normal ser revelada em termos processuais. O que se passou é que a droga é transportada desde a América do Sul pelas autoridades americanas, é entregue à PJ, que a teve guardada em sítio desconhecido, arranjou uma embarcação e entregou-a a estes pescadores. Isto do ponto de vista técnico e até ético tem muitas questões”, referiu aos jornalistas o advogado dos pescadores, Carlos Melo Alves.

O jurista adiantou que esta revelação coloca em causa se “ainda assim estes pescadores cometeram o crime de tráfico”.

O advogado considera ainda que “foram violados vários princípios da ordem jurídica portuguesa”. Perante os novos factos, o juiz determinou que se realizem novas alegações.

Na primeira sessão do julgamento os arguidos, em prisão domiciliária com vigilância eletrónica, prestaram depoimento, à exceção do mestre, de 49 anos, o único que se encontra em prisão preventiva. Três dos cinco arguidos admitiram terem sido abordados para o transporte de “pacotes”, que iriam receber em alto mar e levar para o porto da Nazaré, em troca de dez mil euros. O mestre receberia quinze mil euros. Asseguraram desconhecer o conteúdo, apesar de admitirem que pudesse ser algo ilegal, afirmando estarem arrependidos. O estupefaciente seria destinado a uma organização criminosa galega.

Numa conferência de imprensa com os responsáveis do combate ao tráfico de droga de Portugal e Espanha, em setembro de 2015, a Polícia Judiciária referiu que a droga valeria no mercado mais de 60 milhões de euros.

O julgamento prossegue no dia 6 de abril. Os arguidos são o mestre da embarcação “Onda Nazarena” e outros quatro pescadores, um dos quais espanhol, com idades entre 29 e 63 anos.

O barco, com 10,36 metros de comprimento, construído em 2005 e matriculado na Figueira da Foz, foi apresado numa operação articulada entre a Polícia Judiciária, através da Unidade Nacional de Combate ao Tráfico de Estupefacientes, e o Cuerpo Nacional de Polícia, de Espanha, com a localização e abordagem ao pesqueiro a serem feitas com o apoio da Força Aérea e da Marinha.

O mestre era o proprietário, em conjunto com outro sócio, que desconheceria o carregamento que estava a ser transportado.

A tripulação que ia na embarcação não era a habitual. Geralmente quem seguia no barco, para além do mestre, era o seu filho e mais um pescador. Na ocasião o filho do mestre estava ausente, alegadamente por doença. A bordo encontravam-se outros três pescadores residentes em Atalaia e Ribamar, na Lourinhã, e um espanhol.

Na sequência desta intervenção, as autoridades espanholas desenvolveram uma operação policial na Galiza, Astúrias e Madrid, tendo detido dez elementos pertencentes à organização criminosa, que possuía estreitas ligações a organizações colombianas que se dedicam à introdução de elevadas quantidades de cocaína na Península Ibérica com o objetivo de abastecer os mercados clandestinos da Europa.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

Traficante procurado pela Interpol detido em Peniche

Um brasileiro de 37 anos, procurado pela Interpol (polícia internacional) desde agosto de 2022 para cumprimento de uma pena de sete anos de prisão, pela prática do crime de tráfico de estupefacientes no Brasil, vai ficar em prisão preventiva depois de ter sido detido, em Peniche, por uma equipa conjunta do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) e da Polícia Judiciária (PJ).

interpol

Detido jovem suspeito de esfaquear italiano

Um jovem de 20 anos suspeito de ter esfaqueado um turista italiano, de 44 anos, em agosto do ano passado, na cidade de Peniche, foi detido no dia 31 de janeiro pela Polícia Judiciária.

301892571 5511052978953498 1142509494542909660 n

Corpo dá à costa em São Martinho do Porto

Foi encontrado na manhã deste sábado um corpo a flutuar junto à costa, a sul da Ponta do Facho, em São Martinho do Porto, tendo sido resgatado após o alerta dado pelas 10h25, através de um popular que se encontrava naquela zona de pesqueiro a praticar pesca lúdica.

corpo