Q

Previsão do tempo

11° C
  • Sunday 11° C
  • Monday 14° C
  • Tuesday 12° C
11° C
  • Sunday 11° C
  • Monday 14° C
  • Tuesday 12° C
11° C
  • Sunday 12° C
  • Monday 15° C
  • Tuesday 12° C

Debate sobre “Exploração de Petróleo na costa de Peniche e Nazaré” com opiniões divididas

Mariana Martinho

EXCLUSIVO

ASSINE JÁ
Nos últimos meses as polémicas contra a exploração de petróleo e gás natural têm-se tornado cada vez maiores e com mais mobilização social um pouco por todo o território, mas com especial ênfase em Peniche, onde se gerou uma onda de sensibilização para tentar travar as concessões da zona e foi lançado em agosto do ano passado uma petição pública, na reserva da biosfera das Berlengas.
Cerca de setenta pessoas assistiram ao debate "Exploração de Petróleo na Costa de Peniche e Nazaré"

Sobre o tema da exploração de petróleo na costa de Peniche e Nazaré, o Conselho da Cidade organizou um debate na passada sexta-feira, na Biblioteca Municipal das Caldas da Rainha, onde a opinião entre os oradores convidados foi divergente sobre se será útil a prospeção de petróleo ao largo da costa.

Perante a existência de sete petrolíferas (Partex, Repsol, Galp, ENI, Cosmos, Australis e Portfuel) com contratos de prospeção, pesquisa, desenvolvimento e produção de petróleo tanto em terra (onshore) como no mar (offshore), o Conselho da Cidade, promoveu o debate, moderado por Paulo Ribeiro, chefe de redação do Alvorada, e que contou com a presença de setenta pessoas. Apesar de terem sido convidados os presidentes das câmaras de Peniche, Caldas da Rainha e Nazaré, não compareceram.

Os oradores convidados, Júlia Seixas e Nuno Ribeiro da Silva e António Eloy, abordaram durante a sessão o estado atual dos processos de concessões de exploração de petróleo, as fases e os riscos associados à prospeção e a uma exploração, quer em terra quer offshore.

Júlia Seixas, professora e membro do “Futuro Limpo”, que surgiu no ano passado e que luta contra a prospeção e exploração de petróleo e gás natural em Portugal, explicou que este movimento de cidadãos foi “subscrito por mais de 100 personalidades da vida portuguesa, desde professores a artistas logo nas primeiras 24 horas”.

“Com base nas leis e nos direitos, o movimento luta para o cancelamento de todos os contratos de gás e petróleo em Portugal”, explicou Júlia Seixas, fundamentando com base nos valores e nas coerências políticas quanto à realização destes contratos de concessão e exploração de petróleo em Portugal, face ao conhecimento e aos compromissos assumidos pelo Estado Português, no quadro de ação coletiva de combate às alterações climáticas em “ser uma economia sem emissões”. Neste contexto, a oradora disse que “não se consegue perceber em termos de coerência política, o que representam estes contratos de concessão”, pois “não são um bom negócio para o Estado Português”.

Estes contratos de concessão feitos pelas companhias petrolíferas em áreas espalhadas por todo o litoral português, e com base “numa lei de 1994”, englobam todos os investimentos realizados durante a fase de prospeção, exploração e produção. Isto significa, segundo a docente, que “o Estado português só recebe depois de estarem abatidos todos investimentos feitos pelas empresas, e os valores em cima da mesa não são assim tão significativos para tirar o país do sufoco da dívida pública”.

Para Júlia Seixas, “quanto mais investimentos fazemos em novos projetos na área dos combustíveis fósseis, mais estamos a atrasar o desenvolvimento das alternativas renováveis”. Também fundamentou que “a escolha da prospeção e exploração de petróleo em gás, não é a escolha certa para Portugal”.

Sobre os números de consumo energético e a sua repartição pelas fontes, Nuno Ribeiro da Silva, professor, sublinhou que “hoje em dia no mundo, 86% do consumo de energia que alimenta as necessidades das pessoas do mundo, infelizmente são combustíveis fósseis, ou seja, o restante (24%) são energias puras e duras”. Embora tenha destacado a redução do peso relativo no consumo de combustíveis fósseis pela sociedade, Nuno Ribeiro da Silva salientou que “nunca se consumiu tanto petróleo como em 2016, e essa tendência de procura vai continuar”. Esse aumento deve-se ao desenvolvimento económico e social de regiões do globo, em países de grande densidade populacional, o que leva a consumos elevados de derivados de petróleo no setor dos transportes.

Afinal, quais são os riscos? Segundo António Eloy, consultor, a exploração de petróleo e gás natural tanto em terra como no mar, pode causar um “impacto significativo e trazer dividendos ilusórios”. Além disso, sublinhou que as companhias petrolíferas “não têm o mínimo capacidade para explorar em offshore, nem agora nem nunca. É um preço muito caro para explorar”.

Estes contratos, de acordo com António Eloy, servem para “marcar o território e para jogar com investimentos e perspetivas de circulação de capital”.

Face à incerteza associada ao sucesso dos processos de prospeção de petróleo em Portugal ou em Peniche, os representantes do “Peniche Livre de Petróleo”, bem como o público, questionaram sobre as motivações e razões para a manutenção destas concessões e da realização das ações de prospeção pela parte dos operadores.

Nuno Ribeiro da Silva concordou que esta “atividade deve continuar a ser permitida” pelo Estado português, porque “hoje em dia ainda dependemos muito do ouro negro”. Alias, sublinhou que ainda não estão disponíveis alternativas que substituam com viabilidade a utilização do petróleo.

António Eloy considerou que “a prospeção não apresenta grandes riscos ambientais, mas corre o risco que venha haver exploração. Isso sim é um problema”. Além disso, sublinhou que a fase de exploração petrolífera “não será rentável do ponto de vista económico”, acrescentando que “temos de apostar em novos paradigmas e novas lógicas de transporte” com base ecológica. Já Júlia Seixas discordou da prospeção petrolífera, pois pode ser início de um processo que levará à fase de exploração, que poderá trazer consequências desastrosas para o meio ambiente e economia nacional.

“Contratos de concessão baseados numa lei de 1994”

No âmbito do quadro legal em vigor, os oradores abordaram a falta de interesse em alterar ou adequar o quadro legal, que regulamenta estas ações, bem como a falta de opacidade de vários contratos.

“Como é que possível em pleno século XXI se tomam decisões sem haver mecanismos mínimos de consultas públicas?”, questionou Júlia Seixas, alertando para a necessidade de se estabelecerem processos claros e transparentes nos contratos e discussão com as populações e autarcas sobre estas questões centrais. Também alertaram para mobilização da sociedade civil, que deve participar ativamente e discutir essas questões nos debates.

Segundo Júlia Seixas, “os contratos de concessão baseados numa lei de 1994, que prevê que eventuais litígios serão resolvidos em tribunais arbitrais privados, à porta fechada. Acho que devíamos evoluir para uma renovação desse decreto”. Sugeriu a existência de uma lei de bases dos recursos naturais de Portugal, em que “todas estas questões deviam de estar reguladas”.

(0)
Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Últimas

Artigos Relacionados

PSP combate criminalidade em bares e ruas no centro das Caldas

Uma operação desenvolvida pela PSP das Caldas da Rainha na noite da passada sexta-feira e madrugada de sábado, tendo como alvo bares no centro da cidade e ruas nas proximidades, com o objetivo de “prevenir a criminalidade violenta e grave ou organizada e aumentar o sentimento de segurança na população”, originou a detenção de quatro homens, com idades entre 21 e 28 anos, pelos crimes de tráfico de droga, posse de arma proibida e condução em estado de embriaguez.

psp1

Lions formaliza entrega de verba de espetáculo solidário

O Lions Clube das Caldas da Rainha fez no passado dia 30 uma entrega formal ao Conselho de Administração do Centro Hospitalar do Oeste (CHO) da verba apurada no concerto solidário com o maestro e pianista António Victorino d’Almeida e trio de Pedro Caldeira Cabral....

lions

Desfile equestre apresentou reis do carnaval das Caldas

Luís Ventura, de 47 anos, e Mariana Mortágua, de 22 anos, foram escolhidos para serem os reis do carnaval das Caldas da Rainha, encarnando as personagens Zé Povinho e Maria da Paciência, respetivamente, criações de Rafael Bordalo Pinheiro como caricaturas do povo português.

reis00