Q

Previsão do tempo

16° C
  • Thursday 18° C
  • Friday 19° C
  • Saturday 21° C
17° C
  • Thursday 18° C
  • Friday 20° C
  • Saturday 21° C
17° C
  • Thursday 19° C
  • Friday 21° C
  • Saturday 22° C

Trabalhadores precários no Centro Hospitalar do Oeste com pagamentos em falta a conta-gotas

20 de Dezembro, 2016
Os precários do Centro Hospitalar do Oeste (CHO) revelaram que já receberam o subsídio de férias e todas as horas extraordinárias, mas ainda têm remunerações em atraso. A regularização destes pagamentos corresponde a uma parte dos compromissos alcançados durante a greve realizada entre 25 e 27 de outubro.

“Continuam ainda por regularizar os pagamentos de serviços mínimos garantidos em greves anteriores. Segundo a empresa Lowmargin, estes pagamentos continuam em atraso porque a administração do CHO ainda não informou o número de trabalhadores e horas de trabalho em causa”, afirmam os precários.

“É inaceitável que perante a existência de pagamentos e outros direitos em falta e depois de toda a mobilização e denúncia com envolvimento de várias entidades com responsabilidades diretas nesta situação injusta, que a Lowmargin e o conselho de administração do CHO continuem a troca de acusações, desresponsabilizando-se, impedindo a regularização de direitos tão essenciais como o pagamento de remunerações”, manifestam.

“A total ausência de conhecimento sobre a carga horária e as funções desempenhadas por cada um de nós é demonstrativa de como esta intermediação, por via da empresa Lowmargin, se trata de um abuso, não tendo nenhuma utilidade para os serviços prestados aos utentes e ao CHO”, argumentam os trabalhadores.

De acordo os mesmos, em falta estão ainda os serviços de medicina no trabalho. “A empresa Lowmargin assumiu a responsabilidade de garantir esse serviço rapidamente, mas a verdade é que ainda não tivemos acesso ao mesmo”, lamentam.

“Após o pronunciamento do Ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, que considerou a nossa situação lamentável e que, tal como o conselho de administração do CHO e outras organizações, locais e nacionais, reconheceu que devíamos ser parte dos quadros dos hospitais, e após o anúncio do Governo de que está a preparar um estudo com a identificação de todos os precários do Estado, com vista à regularização das condições de trabalho, esperamos constar desse estudo e dessa solução, acabando de uma vez por todas com a precariedade no CHO. Trata-se de uma situação de elementar justiça, queremos direitos em igualdade com os nossos colegas, nomeadamente a integração nos quadros e a reposição das 35 horas de trabalho semanal”, declaram os trabalhadores.

Comentários
.

0 Comentários

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Detido na Foz do Arelho por tráfico de droga

Um homem de 27 anos foi detido na Foz do Arelho na passada quarta-feira por tráfico de estupefacientes. No decorrer de uma ação de patrulhamento da GNR das Caldas da Rainha, com o reforço dos postos de São Martinho do Porto e do Bombarral, os militares depararam-se...

246347459 2428007130663237 4279653524251237677 n

Dupla fez roubo em supermercado e foi apanhada a assaltar restaurante

Dois jovens foram imobilizados por clientes quando tentavam assaltar um restaurante em Casais do Baleal, no concelho de Peniche, na noite de passada quinta-feira, depois de terem levado 290 euros de um supermercado na Foz do Arelho, sob ameaça de arma de fogo. Presentes a tribunal, foram deixados em liberdade com apresentações semanais às autoridades policiais, enquanto decorre o processo judicial.

assalto